Secretário Galli garante Linha 17-Ouro em Paraisópolis

Novo responsável pela pasta dos Transportes Metropolitanos afirmou que ramal de monotrilho deverá ter sua primeira fase entregue em 2023, ao contrário do que afirmava seu antecessor
Linha 17 vai atravessar o Rio Pinheiros, só não se sabe quando (Bueno Netto)

Novo titular da Secretaria dos Transportes Metropolitanos, Paulo José Galli, assumiu o posto após a saída de Alexandre Baldy em outubro. Mas o novo secretário não é um estranho no ninho, ao contrário do seu antecessor quando chegou em 2019.

Galli já atuava na pasta como secretário executivo após passagens em vários órgãos públicos como a Caixa Econômica Federal. Nesta quinta-feira, 18, o novo secretário participou do Jornal Gente, da Rádio Bandeirantes, onde abordou vários temas sobre projetos sobre trilhos.

Mais pragmático e sereno, Galli afirmou, entre outros fatos, que a Linha 17-Ouro deverá ser entregue em 2023, um prazo mais realista e que já era apontado por este site desde o ano passado. Segundo ele, os trens da BYD chegarão ainda em 2022, mas a operação só deve ter início no ano seguinte.

Oficialmente, o governo Doria bancava a meta de entregar a obra até o final de 2022, no fim do mandato atual. Baldy foi além prometendo trazer o primeiro trem de monotrilho já em março, mesmo com as obras e sistemas incompletos.

Ao ser indagado sobre a extensão da Linha 17 até Paraisópolis, o secretário dos Transportes Metropolitanos garantiu que o monotrilho continuará sendo implantado após a entrega do trecho prioritário com oito estações, mas não quis apontar uma previsão.

Paulo José Galli, secretário dos Transportes Metropolitanos (STM)

BRT superior ao monotrilho

Por outro lado, Galli reafirmou a postura contrária ao monotrilho da atual gestão. Segundo ele, não há mais projetos desse tipo de modal em estudo no Metrô atualmente. A justificativa é que se trataria de um tipo de modal caro, polêmico e de impacto visual.

“É seguro e eficiente, mas muito caro, tem uma interferência urbana bastante grande e controversa e é também de difícil implementação”, afirmou o executivo, que fez coro com seu antigo chefe em defender o corredor de ônibus BRT como solução mais adequada que o monotrilho – a despeito da farta documentação técnica contrária a essa afirmação.

Total
6
Shares
2 comments
  1. “Muito caro, tem uma interferência urbana bastante grande e controversa e é também de difícil implementação!”

    ESSA FRASE acima sobre o modal de monotrilho mostra que este indivíduo é totalmente ignorante e incapacitado pro cargo que ocupa, mas se ele fosse adequado, não seria condizente com esse governo atual 😁.

    É cada uma….

  2. Já andei no monotrilho de Vila Prudente a São Mateus. A viagem foi rápida. Se o BRT fosse tão bom na China não implantados tantas linhas de metro, VLT e monotrilho. Apesar de muitas criticas ao governo chinês, eles pensam a longo prazo. Gostaria de saber se os defensores do BRT usam este meio de transporte no cotidiano?

Comments are closed.

Previous Post

Em sondagem, iniciativa privada faz sugestões para o Trem Intercidades até Campinas

Next Post

CPTM realizará obras de drenagem na região de São Miguel Paulista

Related Posts