Um dos documentos que constam do edital de concessão das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda, da CPTM, traz um cronograma de conclusão de obras a cargo do governo do estado e que serão repassadas para a futura concessionária. E ele revela que a estação Varginha, hoje em construção no extremo sul da capital, só deverá ficar pronta em junho de 2023, ou seja, no ano seguinte ao oficialmente divulgado pela gestão Doria.

De acordo com o trecho que descreve o cronograma de intervenções sob responsabilidade do poder concedente (governo do estado), as obras da estação, da via permanente e da rede aérea serão finalizadas dentro de 30 meses. A finalização do pátio Varginha, por sua vez, está prevista apenas para setembro de 2023.

O prazo constante no documento parece mais em linha com o que se vê no canteiro de obras de Varginha. Embora os trabalhos tenham sido finalmente reiniciados nos últimos meses, o ritmo é bastante lento. Esse lote, de número 2, acabou tendo os recursos federais liberados mais tarde do que o lote 1 e é justamente essa verba que parece fazer falta no empreendimento.

Semanas atrás, o descompasso entre essa obra e a construção da estação João Dias chamou a atenção do site, embora as duas estivessem sendo esperadas para 2022. No entanto, a parada que está construída pela Brookfield com recursos privados teve sua previsão adiantada para o segundo semestre do ano que vem.

Cronograma que faz parte do edital de concessão das linhas 8 e 9 da CPTM (Reprodução)

O cronograma, inclusive, cita João Dias como prevista para entrar em operação em outubro de 2021, portanto, em linha com as declarações da CPTM, que prevê concluir a obra no início do segundo semestre.

Antes disso, os passageiros da Linha 9-Esmeralda poderão contar com a futura estação Mendes-Vila Natal, a obra mais adiantada do ramal. Segundo o mesmo anexo, a parada será entregue em agosto do ano que vem.

Modernização da sinalização

Não será apenas Vargina que ficará para 2023, quando (espera-se) a concessionária já deverá estar à frente da operação do ramal. Também a implantação do ATO (Automatic Train Operation), um subsistema do ATC que automatiza a circulação dos trens, só será concluída em dezembro de 2023. É graças a ele e outras modernizações que será possível reduzir o intervalo entre os trens e oferecer mais capacidade na linha. Uma delas é a entrega da subestação de energia Mendes, que ocorrerá em julho do ano que vem, e fornecerá energia elétrica para compensar o aumento da extensão em 4,5 km.