Em apresentação realizada na 26ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, promovida pela AEMESP nesta semana, o presidente da CPTM, Pedro Moro, revelou alguns detalhes importantes sobre a concessão do Trem Intercidades, do serviço intermetropolitano e da Linha 7-Rubi. Num dos slides, o executivo detalhou as etapas de implantação do projeto e que será objeto de leilão em 2021. E elas prometem mudar profundamente as viagens dos usuários da companhia.

A concessão prevê não só a construção e operação do primeiro serviço de trem regional de São Paulo no trecho São Paulo-Campinas (e posteriormente até Americana) como também assumir a operação da Linha 7-Rubi da CPTM. E ela deverá sofrer alterações significativas em relação ao atual formato do serviço. Já se sabia, por exemplo, que a extensão operacional entre Francisco Morato e Jundiaí seria suprimida em favor do Trem Intermetropolitano, mas o slide de Moro revelou que o ramal deixará de atender as estações Brás e Luz no futuro.

Ou seja, a Linha 7 só funcionará entre Francisco Morato e Barra Funda quando todo o projeto estiver implantado. O encurtamento do trajeto no trecho dentro da capital paulista joga luz em declarações do governo Doria de que pretende levar as linhas 11 e 13 até Barra Funda e também da possibilidade de retorno da Linha 10-Turquesa à Luz. Sem a linha Rubi haveria espaço para isso na centenária estação.

De fato, o cenário futuro pode beneficiar essa estratégia afinal espera-se que em meados da década a nova estação Água Branca, integrando as linhas 7 e 8 com a Linha 6-Laranja, possa assumir parte do fluxo de passageiros que seguia até o centro. A baldeação na estação Palmeiras-Barra Funda com as linhas 3, 11 e 13 também completaria esse quadro para quem segue para a Zona Leste ou o ABC Paulista, por exemplo.

Trem Intercidades começando por Jundiaí e Campinas

No plano apresentado pelo presidente da CPTM, a futura concessionária iniciaria seu trabalho já com a Linha 7 operando a partir de Barra Funda, mostra o slide. Enquanto isso, ela trabalharia na revitalização de 44 km de vias entre Jundiaí e Campinas, hoje nas mãos da Rumo Logística. Outra novidade trazida por Moro é que o plano prevê vias eletrificadas nesse trecho, o que leva a crer que o governo desistiu da ideia de colocar trens movidos a biodiesel no serviço regional.

As etapas de implantação da concessão do TIC, TIM e Linha 7-Rubi (Reprodução)

Em vez do Trem Intercidades, a concessionária deverá estrear o Trem Intermetropolitano entre Francisco Morato e Campinas, com paradas em outras oito estações. Com isso, a extensão da Linha 7 seria desativada. Não se sabe se o governo pensa em estipular uma tarifa diferenciada do sistema integrado por conta das características do novo serviço.

Após essa fase, o Trem Intercidades seria inaugurado, porém, entre Jundiaí e Campinas, compartilhando as vias com o serviço parador. A chegada a São Paulo só ocorreria com o término da readequação das vias entre Jundiaí e Barra Funda e que exigirá a criação de trechos de ultrapassagens também conhecidos como ‘bypass’. Esse trabalho é o mais crítico por incluir também a mudança dos trilhos que serão usados pelos trens cargueiros, com túneis e outras adequações para segregar as vias.

Moro não falou em prazos, mas prevê que a audiência pública que detalhará o projeto deverá ocorrer em breve.