Destaques Linha 6 Metrô de São Paulo

Futuro da Linha 6-Laranja do Metrô pode ser definido nos próximos dias

Com caducidade prevista para entrar em vigor na próxima terça-feira, 24, cresce expectativa a respeito da conclusão das negociações entre o governo, a Acciona e a Move São Paulo
O poço Tietê com os toldos das duas tuneladoras à esquerda: à espera da retomada das obras (Google)

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) tem ofuscado o andamento de vários projetos metroferroviários em São Paulo, entre eles a Linha 6-Laranja de metrô. Em meio à gestão da operação do Metrô, CPTM e EMTU diante dos desafios impostos pela doença, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos está perto de definir o futuro do ramal subterrâneo de 15 km, hoje sob responsabilidade da concessionária Move São Paulo.

Após o anúncio do acerto entre as sócias da Move e a construtora espanhola Acciona em fevereiro, o governo estendeu o prazo de caducidade da PPP (Parceria Público-Privada) mais uma vez a fim de proporcionar tempo para que os detalhes burocráticos sejam resolvidos e o novo contrato, redigido e aprovado pelos órgãos envolvidos, incluindo a Procuradoria Geral do Estado. A data-limite para isso é o dia 24 de março, a próxima terça-feira.

No entanto, até aqui, a gestão Doria não voltou a se pronunciar sobre o assunto. O site não conseguiu confirmar se o acordo está de fato sacramentado, mas as perspectivas têm sido positivas. Reforça esse fato a declaração do secretário da pasta, Alexandre Baldy, na época do assunto, que afirmou que o processo é “irrevogável e irretratável”.

Os detalhes do negócio, no entanto, continuam pouco claros. Até o momento, o governo não explicou se a Acciona assumirá a totalidade da concessão ou se manterá os sócios originais com uma participação menor. Também não se sabe o que será feito do Consórcio Expresso Linha 6, empresa criada pelos próprios sócios da Move São Paulo para gerenciar a construção do ramal. O site pesquisou a situação da Move São Paulo na Junta Comercial e não encontrou qualquer modificação que faça menção à entrada da Acciona na sociedade.

O percurso da Linha 6-Laranja: 15,3 km entre Brasilândia e São Joaquim

Construção pode ser veloz

Se não houver nenhuma nova prorrogação no prazo da caducidade e o novo contrato seja assinado nas próximas semanas, as obras da Linha 6-Laranja podem experimentar um ritmo de construção nunca antes visto no país. A razão é que os trabalhos haviam ultrapassado alguns aspectos críticos quando foram interrompidos em setembro de 2016. As desapropriações, por exemplo, estão praticamente resolvidas e os canteiros já limpos e alguns até parcialmente escavados.

O maior poço, o VSE Tietê, já está preparado para receber os dois “tatuzões” chineses que estão desmontados no local. Ou seja, a previsão de uma obra de quatro anos, reforçada pela vantagem do parceiro privado em terminá-la o quanto antes, pode compensar parte do tempo perdido até aqui.

Com 15,3 km e 15 estações, a Linha 6-Laranja deve atrair uma demanda diária superior a 600 mil passageiros por dia e ligar a região do centro a bairros como Perdizes, Sumaré, Pompéia, Freguesia do Ó e Brasilândia.

Leia no Lulica
Como lidar com a diferença de idade entre irmãos? 23/7/2020

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

Airway