Governo Doria pretende pagar R$ 738 milhões à Metra a título de ‘indenização’

Valor equivale a 86% do investimento anunciado para tirar do papel o “BRT ABC”, corredor de ônibus repassado à concessionária dentro do “pacote” de extensão do contrato do Corredor ABD por mais 25 anos
O governdador João Doria nas instalações da Metra (GESP)

Dentro do pacote de concessões acertado pelo governo Doria à Metra, concessionária que hoje opera o Corredor ABD, de ônibus, existe a previsão de uma indenização de R$ 738 milhões a título de reequilíbrio do contrato original, revelou nesta segunda-feira o jornal O Estado de São Paulo.

A quantia equivale a 86% do investimento anunciado pela gestão tucana para viabilizar o “BRT ABC”, corredor de ônibus que substituiu a Linha 18-Bronze, do Metrô. Segundo a Procuradoria Geral do Estado, R$ 184 milhões já foram pagos à Metra, empresa que é controlada pela família Setti Braga, que domina o transporte de ônibus no ABC Paulista.

A extensão do contrato de concessão do Corredor ABD, que inclui o BRT e também a chamada Área 5 de linhas intermunicipais, está suspensa na Justiça após liminar concedida pelo desembargador Luiz Uint.

Assinada em março após decisão dos conselhos de Desestatização e Parcerias Público-Privadas do governo, a extensão de 25 anos ao contrato fará com que a Metra fique à frente do sistema até 2046, ou meio século. O novo contrato envolve uma receita projetada de R$ 22,6 bilhões ante um investimento total de R$ 3,74 bilhões, segundo revelou o jornal Diário do Grande ABC.

Em resposta a um requerimento do deputado estadual Luiz Fernando Teixeira (PT), a EMTU, empresa que gerencia os ônibus intermunicipais, alegou que a escolha da Metra em vez de abrir uma nova licitação foi motivada pela “interdependência” entre os modais e pelo fato de o governo enfrentar “dificuldades históricas” para tirar projetos de mobilidade na região.

Além da ação popular movida pelo advogado Alceni Salviano da Silva, outros dois processos estão tramitando na Justiça a pedido de empresas de ônibus concorrentes do grupo Viação ABC.

ônibus da Metra: governo Doria repassará R$ 738 milhões para empresa por conta de “indenização” (GESP)

Projeto bancado pela Metra

O governo Doria utilizou uma lei estadual que entrou em vigor em janeiro de 2019 para tentar renovar a concessão com a Metra, que assumiu o Corredor em 1997 e já havia tido o contrato estendido por mais cinco anos em 2017. Pela legislação, no entanto, uma concessão não pode superar 35 anos de vigência.

A nova lei abriu a possibilidade para que esses contratos pudessem incluir aditivos para investimentos e que poderiam resultar em extensões nas concessões com o intuito de reequilibrar os valores – foi o caso das linhas 4 e 5 do Metrô, que poderão ser ampliadas mediante um acordo com o governo.

Diferentemente dos ramais metroviários, a Metra foi brindada com outros sistemas que não fazem parte do escopo da concessão do Corredor ABD, e teriam que ser licitados à parte ou então como um novo projeto integrado, em tese. Esse é um dos argumentos usados no processo que corre na Justiça.

Percurso do BRT: mais lento e com menos capacidade que a Linha 18-Bronze (Reprodução)

A primeira menção à intenção da atual gestão de repassar o corredor de ônibus que será implantado no mesmo percurso da Linha 18-Bronze surgiu em janeiro de 2020, seis meses após o cancelamento do ramal metroviário.

Documento com metas da EMTU explicava que a empresa estava em tratativas com a Metra para encontrar uma modelagem capaz de repassar o projeto ao parceiro privado. A sinergia entre as duas têm sido tão grande que a Metra bancou o estudo do BRT, produzido pela Systra, mesmo tendo assinado a extensão do contrato há apenas três meses.

Menos capacidade e viagem mais lenta

Os primeiros detalhes do BRT ABC foram apresentados pelo governo Doria no dia 7 de maio. Em vez de se equiparar à capacidade do monotrilho, como foi aventado há quase dois anos, o corredor poderá transportar apenas 115 mil pessoas por dia – contra 340 mil da Linha 18.

O tempo de viagem também ficou muito aquém da expectativa: o serviço “expresso” levará 40 minutos para percorrer o trecho entre o centro de São Bernardo do Campo e a Linha 2-Verde do Metrô. A Linha 18-Bronze tinha tempo de viagem estimado em menos de 27 minutos, ou 33% mais veloz mesmo parando em 13 estações.

Projeção mostra a Linha 18-Bronze em São Bernardo: viagem em até 27 minutos (VEM ABC)

Já os serviços comuns serão ainda mais lentos. O semi-expresso levará 43 minutos para percorrer a mesma distância enquanto o parador, 52 minutos.

Para tirar o corredor do papel, o governo estadual também investirá cerca de R$ 1 bilhão para construir um piscinão numa região crítica e que poderia interromper o funcionamento dos ônibus em caso de alagamento.

Para a população, persiste a dúvida ainda se a tarifa a ser cobrada pela Metra no BRT ABC dará direito à integração gratuita com o Metrô e a CPTM, como ocorreria com a Linha 18-Bronze. O site questionou a Secretaria dos Transportes Metropolitanos no mês passado, mas até hoje não teve qualquer resposta.

Total
64
Shares
16 comments
    1. O calcinha apertada está no mínimo estranho sinto cheiro de corrupção no ar #DoriaPiorGovernadorDoBrasil

  1. Esse governador Dória é mais imundo que um rato de sarjeta. (Inclua-se o secretário presidiário também).

    Desculpem-me a força da palavra, mas esse sujeito não vale nada. Está acabando com o Metrô (cmsp), CPTM, EMTU, CDHU… assim como destruíram no passado a Fepasa.

    O povo paulista precisa deixar de ser burro, e se fingir de cego, pra ontem!

  2. Esse governador precisa sofrer impeachment logo, antes que prejudique ainda mais a população com esses acordos sem sentido.

  3. Justamente foi esse valor que o governo se recusou a liberar para despropriação da área necessária para cnostrução do Monotrilho. Isso é uma piada. E achar que o BRT vai sair mais barato…

  4. depois de dar 1 bilhao para a CCR, e coincidentemente a CCR arrematar as linhas 8/9 por 900 e tantos milhoes, agora ele dá 738 milhoes para a metra para coincidentemente ela investir quase o mesmo valor no corredor de onibus.

    e o poder publico nao tem dinheiro, é tudo investiment privado, o joao do lide trabalha para o povo, nem pensa no empresariado…

  5. A matéria não deixou claro qual será o motivo desse reequilíbrio. Haverá transferências gratuitas com outros modais como acontece com ônibus da EMTU na linha 5, e por isso o governo terá de subsidiar ou haverá os valores das passagens seriam menores do que deveria ser para viabilizar o investimento? Enfim, não está claro essa questão.

  6. Esse BRT é uma das maiores vergonhas desse governo, como pode??? A linha de metrô praticamente pronta, só faltando desapropriação e os caras cancelam pra investir num modal que já nasce saturado. PIADA.

  7. Pelo amor de Deus, alguém com juízo e influência, pode por favor impedir esse lixo de projeto do BRT de sair do papel?… O valor das desapropriações para construção do Monotrilho era justamente esse valor que o Doria pretende dar de indenização para a Metra!!!…esse Doria é um demônio, odeia o ABC mais do que tudo, esse cara precisa ser impeatchmado com urgência, o ABC merece um governador que verdadeiramente se importa com a gente, já passou da hora de termos um meio de transporte rápido e eficiente, deveria ser metrô mesmo, mas o Monotrilho já seria de grande ajuda!…

  8. A Metra domina o ABC, jamais.deixaria um modal muito mais vantajoso entrar na região pra fazer concorrência. Essa história da linha 18 ainda virá a tona, tem muita sujeira nela.

  9. O valor até maior que a das desapropriações , isso é uma vergonha , esse maldito governador quer beneficiar esse grupo que domina o transporte daqui é óbvio que foi lobby pq o monotrilho ia matar esse corredor saturado , não deixem de continuar investigando essa podridão “metrocptm” acredito em vcs !!!

  10. Inacreditável! Esse valor é maior que o total das desapropriações que deveriam ter sido feitas, e foram o bode expiatório para se cancelar a Linha 18-Bronze do Metrô. Não tem 500 milhões para o Metrô, mas tem 700 milhões para a Metra continuar seu monopólio rodoviarista no ABC Paulista.

    Por isso que o ABC não se desenvolve como deveria. Ninguém quer morar perto de corredor de ônibus, o povo quer Metrô!

Comments are closed.

Previous Post

Com novo sistema de monitoramento, Metrô quer reduzir situações de risco nas linhas

Next Post

Trem Intercidades até Campinas contará com 15 trens de média velocidade

Related Posts