No último sábado, 29, o Metrô divulgou no Diário Oficial que revogou licitações que envolviam projetos da extensão da Linha 5-Lilás até o Jardim Ângela. No entanto, a medida não significa que a gestão Doria tenha desistido de levar o ramal de Metrô até a região no extremo sul. A situação é justamente oposta: a medida foi necessária para que o governo dê sequência nos planos de oferecer o projeto à iniciativa privada, explica nota enviada pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos ao site.

Atendendo recomendação do Tribunal de Contas do Estado (TCE), o Metrô revogou as licitações para extensão da Linha 5- Lilás. Assim como anunciado anteriormente, o Governo do Estado está em tratativas com a iniciativa privada para realizar os projetos que vão levar o metrô até o jardim Ângela, dentro dos prazos esperados: início de obras em 2021 e conclusão até 2024“, afirmou a STM.

As licitações em questão, que envolvem investigações geotécnicas e o projeto básico do trecho a partir de Capão Redondo (onde a linha termina atualmente) foram lançadas em 2014. Porém, no caso do certame que envolvia o projeto básico, houve recursos de participantes após a divulgação das notas técnicas. Em junho de 2015, o Metrô acabou suspendendo a sessão pública onde seriam apresentadas as propostas comerciais e a licitação parou desde então.

Ao assumir o governo do estado, João Doria e sua equipe retomaram os planos de tirar do papel a extensão de 4,5 km e três estações. O Metrô conta atualmente com um projeto funcional revisado além da licença ambiental do trecho. Anteriormente pensada como uma via elevada, a nova fase será subterrânea e deve atrair pelo menos 114 mil usuários à linha.

A ideia do governo é que a concessionária ViaMobilidade realize a obra como parte de um acordo em que ela teria sua concessão estendida, a fim de recuperar o investimento, estimado em cerca de R$ 4 bilhões. A proposta, no entanto, esbarra nas regulamentações do setor que normalmente não preveem esse tipo de alteração no escopo do contrato. Acredita-se que a equipe jurídica do governo esteja debruçada em encontrar uma forma de fazer essa mudança de forma legal e viável economicamente.

Com 4,5 km, extensão será subterrânea e construída por um “tatuzão”, diz governo

O traçado provisório da extensão começa ao lado do pátio Capão Redondo de onde a linha seguirá até a estação Comendador Santana e depois a M´ Boi Mirim. O ramal será concluído na estação Jardim Ângela, próximo ao hospital municipal local.

Atualmente, a estação Capão Redondo concentra um alto número de usuários da região, que chegam ao terminal de ônibus contíguo. Após a ampliação da Linha 5-Lilás, a estação passou a receber mais de 100 mil pessoas em dias úteis, o que fez com que a concessionária promovesse uma reforma para melhorar o acesso às plataformas.