Como parte de uma “cortina de fumaça” lançada para justificar o cancelamento da Linha 18-Bronze de metrô, o governo do estado confirmou a aposentadoria dos trens da Série 2100 na Linha 10-Turquesa os chamados “trens espanhois”, já a partir da próxima quarta-feira dia 10 de julho.

Para isso a CPTM fará uma troca de trens que inclui as composições da Série 8000, hoje exclusivas da Linha 8-Diamante. A informação havia sido adiantada pelo perfil Paparazzi Ferroviário na semana passada.

Com isso, a Linha 10-Turquesa contará com trens mais modernos das séries 7000, 7500 e 3000, que têm desempenho mais adequado para trechos urbanos. Além disso, sua acessibilidade é superior graças ao maior número de portas. Em tese, a adoção dessas composições deve fazer o tempo de viagem cair e consequentemente a quantidade de trens necessários na operação.

“Metrô de superfície”

O secretário dos Transportes Metropolitanos Alexandre Baldy se utilizou de um velho expediente dos tempos do governo de José Serra (PSDB), o de prometer a CPTM com qualidade de metrô. Segundo o ex-deputado federal por Goiás, a Linha 10 se tornará um “metrô de superfície” após as reformas pretendidas pela gestão.

Entre elas estão a renovação das estações e a construção da nova estação Pirelli, que foi desativada há anos. Segundo o vice-governador Rodrigo Garcia, “essa ação permitirá o início da extensão do Expresso ABC”.

Todos esses projetos já foram estudados pela CPTM anos atrás, mas não saíram do papel por falta de recursos, assim como a modernização da sinalização que é capaz de melhorar a velocidade do serviço.

Boa parte das estações da Linha Turquesa ainda mantêm uma estrutura herdada dos tempos da CBTU, a companhia federal que as recebeu da RFFSA. Elas têm acessibilidade deficiente além de sofrerem com alagamentos no período de verão.

Projeto da reforma da estação Santo André encomendado pela CPTM em 2005 (Sistransp)