O Metrô de São Paulo está em busca de uma nova fornecedora de serviço gratuito de internet por rede wi-fi em suas estações. A companhia abriu um chamamento público para que empresas interessadas em prover o serviço entreguem suas propostas até o dia 06 de dezembro. Os detalhes do projeto estarão disponíveis apenas na próxima sexta-feira, no entanto.

Hoje o Metrô oferece internet gratuita em 40 estações em um programa considerado piloto e que foi feito em parceria com a empresa N1 Telecom desde fevereiro de 2017. Apesar disso, houve relatos de que o serviço não estaria funcionando desde o começo deste ano como mostrou o jornal Agora São Paulo em agosto. Na resposta enviada ao jornal na época, o Metrô afirmou que a empresa responsável estava providenciando a substituição do provedor de internet. A N1 mantém inclusive um site que traz detalhes do funcionamento do sistema, mas que não explica se ele está operando de fato – o site enviou um questionamento ao Metrô e atualizará essa nota quando obter a resposta.

Quando foi lançado há quase quatro anos, o projeto de internet gratuita do Metrô pretendia ser expandido para outras estações. “Durante um ano, o Metrô vai analisar o desempenho do modelo de negócio para aprimorá-lo, se necessário, em contrato de concessão de longo prazo. Com a ativação destas estações, o Metrô estima receber mais de R$ 5 milhões por ano. As demais estações das linhas 1, 2 e 3, continuam disponíveis para a oferta do serviço”, dizia a nota do governo Alckmin em 2017.

Serviços variados

A oferta de sinal de internet dentro das estações e trens do Metrô e da CPTM ainda é algo bastante irregular. Se em algumas linhas é possível acessar o 4G das operadoras, outras como a Linha 5, ele inexiste nos novos trechos subterrâneos. Na CPTM, desde junho, o Google disponibiliza wi-fi gratuito em 20 estações, a maioria na Linha 9-Esmeralda.

No caso do projeto do Metrô, a ideia era oferecer o wi-fi apenas nos saguões e áreas distantes das plataformas, por medida de segurança. A princípio, a ideia é que a companhia não tenha custo com o projeto que prevê retorno financeiro ao fornecedor por meio da exploração publicitária do serviço.

Estação Pinheiros da CPTM: Wi-Fi gratuito do Google em 20 estações (GESP)