Metrô quer usar realidade aumentada em sua operação e manutenção

A companhia disponibilizou o chamamento público para a realização de estudos de viabilidade técnica e financeira pra o projeto. Inicialmente há a intenção de implantar o sistema de realidade aumentada para a manutenção de equipamentos de média tensão e escadas rolantes nas linhas 1, 2, 3 e 15
Realidade aumentada: Metrô tem interesse na tecnologia (Divulgação)

O Metrô de São Paulo abriu um chamamento público para encontrar empresas que possuam interesse na exposição e elaboração de estudos de soluções inovadoras na temática da realidade aumentada aplicada a processos de manutenção e operação.

A ideia da companhia é realizar uma avaliação técnica e econômica para a possível implantação da tecnologia dentro dos processos relativos à operação e manutenção. Um dos principais focos é o aumento de produtividade das equipes.

A iniciativa inovadora faz parte do Plano de Negócios 2021-2025 do Metrô que tem como focos específicos o potencial de aprimorar a qualidade do serviço prestado pela companhia, sobretudo nas áreas de manutenção.

Dentro os pontos abordados estão a diminuição das falhas ou paradas que causam impactos diretamente ao passageiro, a necessidade de otimização de parâmetros como segurança, produtividade e eficiência nos processos reduzindo erros, custos e acidentes.

Também é esperado que seja reduzido o tempo de improdutividade, assim como o tempo para a realização de manutenções em campo, sobretudo as manutenções corretivas. A evasão de conhecimento técnico também é uma das preocupações, uma vez que funcionários de carreira vão se desligando da companhia pelo longo tempo de serviço.

Os destaques positivos esperados da tecnologia de realidade aumentada aplicada a manutenção é a diminuição do MTTR (Tempo médio de reparo), maior eficiência, maior confiabilidade de registros e a possibilidade de suporte remoto.

O aumento da vida útil dos equipamentos, redução no tempo de treinamento e redução do uso de papéis são outros pontos importantes. Destaca-se ainda a diminuição dos erros de manutenção e dos acidentes de trabalho, provendo maior segurança por parte das equipes.

A exposição do sistema de realidade aumentada deverá ser realizada na Subestação retificadora do Pátio Jabaquara. A ideia é que inicialmente este local seja o primeiro a ser virtualizado com a reprodução dos principais equipamentos como os cubículos de tração em 750 Vcc.

Subestação Pátio Jabaquara (Metrô)

Equipes de operação e manutenção do Metrô farão o acompanhamento técnico dentro da subestação orientando os proponentes nas potencialidades da aplicação da tecnologia de realidade aumentada. Documentação técnica deverá ser disponibilizada para auxílio no desenvolvimento das soluções.

O Metrô estabeleceu quatro requisitos mínimos para que a tecnologia de realidade aumentada possa ser usada com largo potencial. O primeiro requisito é a capacidade de reconhecer um equipamento, consultar sua documentação técnica e de conseguir realizar a visualização interna do mesmo.

Cubículo de tração 750Vcc (Metrô)

O segundo requisito é a possibilidade de visualizar dados de sensoriamento do equipamento. O terceiro requisito é a capacidade de realizar procedimentos de manutenção passo-a-passo em realidade aumentada.

O último requisito é a possibilidade de interação dos funcionários da manutenção com os especialistas através de suporte remoto, aumentando a eficiência nos processos mais complexos de manutenção.

Será necessário a visualização do equipamento através de realidade aumentada (Metrô)

As empresas proponentes poderão realizar apontamentos e alternativas em qualquer um dos requisitos expostos de forma a agregar no desenvolvimento de uma solução por parte da Companhia do Metropolitano.

Ao final das exposições será apresentado uma série de estudos. Estão previstas análises de mercado, análise de funcionalidades da RA, análise das exposições em RA e análise de viabilidade técnico-econômica.

A intenção do Metrô é de realizar a implantação em dois grupos de equipamentos identificados como os de maior ganho com a utilização do sistema de realidade aumentada. São eles o sistema de média tensão e de escadas rolantes existentes nas Linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata.

Os equipamentos do sistema de média tensão são compostos por:

  • 11 Padrões de Disjuntores de 22kV que juntos totalizam 730
    Equipamentos
  • 11 Padrões de Transformadores de 22kV/460V que juntos totalizam 150
    Equipamentos
  • 11 Padrões de Cubículos de 22kV com 886 Equipamentos

Os equipamentos que compõe as escadas rolantes são compostos por:

  • 6 Padrões de Escadas Rolantes ThyssenKrupp que juntos totalizam 189
    Equipamentos
  • 7 Padrões de Escadas Rolantes Otis que juntos totalizam 97
    Equipamentos
  • 4 Padrões de Escadas Rolantes Villares que juntos totalizam 290
    Equipamentos

A análise deverá levar em consideração os custos de implantação e os retornos estimados em cada um dos grupos de equipamentos. Indicadores deverão ser apresentados para que seja possível fazer uma avaliação de viabilidade da adoção desta tecnologia nos processos de manutenção dos equipamentos.

Total
13
Shares
1 comment

Comments are closed.

Previous Post

Governo Doria põe culpa em associação pelas falhas do cartão TOP

Next Post

Painel com tempo de espera e lotação dos trens passa a funcionar em toda a Linha 2-Verde

Related Posts