Metrô renomeia mais duas futuras estações da Linha 15-Prata

Paradas Érico Semer e Márcio Beck passam a se chamar Jardim Marilu e Jardim Pedra Branca, segundo presidente da companhia
Linha 15-Prata: monotrilho descartado pela gestão Doria (CMSP)

Desde que foi concebida a ideia de uma linha de monotrilho que ligaria a Vila Prudente a Cidade Tiradentes, diversas estações tiveram seu nome revisto durante o andamento do projeto. Até mesmo a própria linha passou por uma mudança de nomenclatura já que ela chegou a ser referida como continuação da Linha 2-Verde – na verdade, uma manobra burocrática do Metrô para aproveitar licitações anteriores.

Rebatizada como Linha 15-Prata, o ramal acaba de ter duas de suas futuras estações renomeadas, Érico Semer e Márcio Beck. Segundo uma resposta do presidente do Metrô, Silvani Pereira, em sua rede social, as paradas serão chamadas de Jardim Marilu e Jardim Pedra Branca.

Antes disso, a companhia havia alterado o nome da estação Iguatemi, que passou a se chamar Jardim Colonial – atualmente a única estação em obras do ramal. No fim de 2020, o Metrô lançou edital para construção de duas novas estações após Jardim Colonial: Boa Esperança e Jacu-Pessego, sendo que a primeira era para chamada de Jequiriçá no projeto original.

Não será surpresa se o Metrô resolver mudar um dos nomes das duas únicas estações mantidos, as paradas Cidade Tiradentes e Hospital Cidade Tiradentes, futuro terminal da linha. A semelhança entre elas e o fato de se localizarem próximas pode vir a ser motivo de confusão para os passageiros.

Placa de destino da Linha 17: onde fica o aeroporto de Congonhas? (Jean Carlos/SP Sobre Trilhos)

Nomes parecidos

A escolha dos nomes das estações leva em consideração vários fatores, como a identificação com o entorno e pontos de interesse dos usuários. Foi isso que motivou a empresa a alterar as denominações de três estações da extensão da Linha 2-Verde no ano passado.

Ainda assim, alguns nomes causam confusão. O próprio Metrô resolveu chamar uma das estações da Linha 17-Ouro de “Jardim Aeroporto”, ao lado do pátio de manutenção. Enquanto o ramal não chegar ao Jabaquara, essa parada será um dos destinos dos trens – o outro será a estação Aeroporto Congonhas. Imagina-se que alguns passageiros poderão acabar tomando o trem errado por conta do nome ‘Aeroporto’ nas placas de sinalização.

Outra denominação usada com frequência pela companhia é ‘Morumbi’. O nome do famoso bairro está na estação da Linha 9-Esmeralda da CPTM e foi adotado pela homônima da Linha 17. Não satisteito, o Metrô também batizou uma parada da Linha 4 com nome semelhante, São Paulo-Morumbi, e planeja chamar a estação ao lado do estádio do São Paulo FC de “Estádio Morumbi”.

Total
1
Shares
27 comments
  1. a nao ser que os nomes Érico Semer e Márcio Beck sejam muito conhecidos na região e referencia, está certo em trocar pelos nomes dos bairros.

  2. > A escolha dos nomes das estações leva em consideração vários fatores, como a identificação com o entorno e pontos de interesse dos usuários.

    Sem falar nas homenagens nada a ver:

    Jardim São Paulo-Ayrton Senna: a casa que o Senna morou é bem longe da estação e ninguém no bairro usa ela como ponto de referência pra nada, até porque quase ninguém sabe onde é.

    Portuguesa-Tietê: o estádio da Portuguesa fica do outro lado do rio. É tão longe da estação que nem aparece no mapa dos arredores.

    Japão-Liberdade: O Japão fica no entorno da estação?

    Santos-Imigrantes: Santos fica no entorno da estação?

    1. Pois é, geralmente esses nomes compostos servem mais pra complicar do que para ajudar. Essa Santos-Imigrantes por exemplo tá longe da Imigrantes e mais longe ainda de Santos. Poderia muito bem se chamar Ricardo Jafet. Outro exemplo besta é a São Paulo-Morumbi. Se São Paulo se refere ao estádio, nem está tão perto assim. Aliás, tá razoavelmente longe. E Morumbi já tem estação da CPTM com esse nome, além da futura linha 17; pra evitar confusão, essa estação deveria se chamar Caxingui ou Jorge João Saad (acho que sou mais a favor de Caxingui). E todas essas estações com nome de time de futebol, país, personalidades, etc, eu deixaria sem esses nomes extras, pois só servem pra confundir.

        1. A linha 17 vai ter uma estação na frente do Estádio. A caminhada da linha 4 pra lá leva 20 minutos Aliás, sou contra botar nome de estádio ou time de futebol em estação. Daqui a pouco vão botar nome de igreja ou de partido político.

          1. De time até faz sentido por ser um polo gerador de fluxo, salvo a Santos – Imigrantes e a São Paulo – Morumbi, as demais estou de acordo.

    2. Não, o Japão não fica entorno da estação mas o bairro foi povoado por JAPONESES, logo esse nome faz mais sentido que ”Liberdade” Sendo que o nome do bairro se refere a uma historia sem pé nem cabeça que ocorreu vários anos antes da chegada desses imigrantes.

      1. A história do nome do bairro da Liberdade não era sem pé nem cabeça não. Era (e de certa forma ainda é) uma história muito recorrente no Brasil, a da exploração e do racismo.

  3. Até hoje chamo a estação da linha azul de Ponte Pequena. Eles mudam, mas a referência pra quem andou muito por ali em.outros tempos, fica. Hoje, estação Armênia. E? Tenho que consultar para lembrar. E hoje, tem a igreja dos armênios e só. Se ainda existem ali, só Deus sabe.

    1. Cara Maria, a Estação Ponte Pequena foi rebatizada por influência da colônia Armênia de São Paulo, que muito contribuiu com essa cidade. Para que entenda, a migração de armênios para a região data da década de 1920. Outra informação é que ali existem 3 entidades armênias na região, além de não apenas uma, mas 3 igrejas Armênias, a Católica, a evangélica e a Apostólica, bem como a escola Armênia localizada no nº 55 da Avenida Santos Dumont. Sim, apesar de vários judeus e bolivianos atualmente, o local ainda conta com a presença Armênia.

      Seguem uns links para referência: http://estacaoarmenia.com.br/4720/a-estacao-armenia-do-metro-de-sao-paulo/

  4. Fora o clássico dos clássicos: Estação Paulista que fica na Consolação e Estação Consolação que fica na Paulista. Era preferível que ambas se chamassem Paulista-Consolação, já que são Estações de integração.

    1. Motivo elas têm:
      Paulista – única estação da Linha 4 à passar por ela, sendo que percorre a Consolação inteira.
      Consolação – única estação da Linha 2 à passar por ela, sendo que percorre a Paulista inteira.
      O nome junto das duas até viria a calhar, mas inverter (como outras pessoas já desejaram) não dá.

      1. A estação Paulista da linha 4 deveria se chamar Consolação também, já que faz conexão com a já existente estação da linha 2.

          1. Eu particularmente não gosto de estações com nome composto, mas preferia que fosse Paulista-Consolação pras duas estações a ser como é hoje, cada uma com nome diferente. Isso só gera confusão. Sugeri que ficasse Consolação pras duas linhas porque Consolação veio primeiro, na linha 2.

  5. Outra confusão vai ser com o Terminal João Dias paralelo a estação Giovanni Gronchi. E no futuro próximo a CPTM vai receber a estação João Dias que vai estar um pouco distante dali.

    1. Os terminais de onibus anexos ao metrô deviam todos ter o nome da estação. Igual Terminal Santo Amaro que fica no Metrô Largo Treze ou o Terminal Campo Limpo que fica bem longe do Metrô Campo Limpo.

      1. Mas aí, como ficaria? Talvez a atual estação Largo 13 deveria se chamar Santo Amaro, a atual estação Santo Amaro poderia se chamar Guido Caloi, a atual estação Campo Limpo poderia se chamar Carlos Lacerda, a atual Giovani Gronchi se chamar João Dias, a futura João Dias da CPTM se chamar Vila Cruzeiro e por aí vai.

        1. Carlos Lacerda não… Carlos Caldeira Filho… acho que, pelo menos nesse caso, é melhor Campo Limpo mesmo, até por causa da estrada e do shopping de mesmo nome que ficam no lugar.

  6. Deviam mudar a Hospital Cidade Tiradentes para Metalúrgicos.

    Primeiro que o Hospital Cidade Tiradentes é um nome grande e na prática ninguém usa esses nomes grandes, segundo porque a estação seguinte é Cidade Tiradentes, duas estações próximas com praticamente o mesmo nome.

    1. depende. se muita gente usar o metrô para ir ao hospital, faz sentido. mas se o nome for apenas por referencia ao local, concordo que deveria mesmo alterar o nome

    2. Acho que, como já vai ter a Estação Cidade Tiradentes, a Hospital Cidade Tiradentes realmente poderia mudar para Metalúrgicos pra evitar confusão.

  7. Acredito que deveria fazer uma pesquisa com moradores da região não batizar com nomes de quem o povo nem sabe quem são e nano tem referencia nenhuma com os locais

  8. Eu juro que não consigo entender como o orgão público não tem sensatez em nomear nomes de estações, deviam deixar a cargo do povo que seriam mais acertivos, imagine a confusão que irá causar Jardim Aeroporto e convenientes nas suas escolhas, foi decepcionante por exemplo ver a Vila Ema sem ter seu nome em uma das estações, e escolherem Camillo Haddad.

    1. Concordo plenamente que Camilo Haddad deveria se chamar Vila Ema. E a estação Jardim Aeroporto deveria se chamar Washington Luiz e só ser inaugurada quando forem inaugurar junto o trecho da linha 17 até o Jabaquara. Não vejo sentido numa linha terminando naquele lugar, sendo que a demanda pra Congonhas nesse primeiro momento será muito maior.

  9. A estação Brooklin da linha 5 deveria se chamar Vicente Rao. A estação Campo Belo da linha lilás (e futura linha 17) é que deveria se chamar Brooklin. E a futura estação Brooklin Paulista da futura linha 17 é que deveria se chamar Campo Belo.

Comments are closed.

Previous Post

Quais poderão ser as novidades no Metrô e CPTM em 2021

Next Post

Metrô anuncia retomada da licitação de portas de plataformas das 1, 2 e 3

Related Posts