Obras da Linha 2-Verde entram em pré-fase de escavação

Avatar
Poço Falchi Gianini, onde o tatuzão encerrará primeira fase dos túneis, começa a ser preparado para ser escavado
Perfuração para início das escavações do poço Falchi Gianini (CMSP)

Mais de um ano após a ordem de serviço ter sido assinado pelo governador João Doria, as obras de extensão da Linha 2-Verde até Penha começam a ganhar ares de canteiros de obras de um empreendimento com essas características. Nesta semana, o presidente do Metrô, Silvani Pereira, compartilhou imagens do VSE (Ventilação e Saída de Emergência) Falchi Gianini, localizado na rua de mesmo nome, entre as ruas Fidélis Papini e Cananéia.

As fotos mostram as perfurações para instalação da grua que servirá de apoio para as escavações do poço, localizado a cerca de 500 metros da estação Vila Prudente, hoje terminal leste do ramal.

Nas imagens é possível notar estruturas de ferro que serão usadas na concretagem do poço, que terá papel duplamente importante na abertura dos túneis do novo trecho de 8 km da Linha 2. Isso porque é nele que será feita a escavação no método NATM (também chamado de túnel mineiro ou método austríaco) em direção à Vila Prudente para ligá-la às vias operacionais.

Também no Falchi Gianini será feita a desmontagem da tuneladora (shield) que escavará o primeiro trecho a partir do Complexo Rapadura, após passar pelas estações Vila Formosa, Anália Franco, Santa Clara e Orfanato, e que tem previsão de entrega em 2025.

O local será uma saída de emergência no futuro, mas antes servirá para escavação de túneis e retirada do tatuzão (CMSP)

A escavação por método NATM é necessária porque o ‘tatuzão’ precisar terminar seu trabalho pouco antes da estação Vila Prudente a fim de haver espaço para ser içado para a superfície. Após essa fase, ele será remontado em outro poço ao norte da estação Penha, para cumprir a última etapa.

O início das escavações da Linha 2-Verde é uma etapa bastante aguardada, mas que já sofre com atrasos. Segundo apurou o site, há outros canteiros que poderiam ter iniciado os trabalhos, mas que dependiam de licenças ambientais.

A expansão também sofre com o impasse a respeito do Complexo Rapadura, que será construído sob uma praça cujas árvores viraram motivo de protesto de moradores do local. O assunto acabou na Justiça e deveria ter uma audiência concilatória entre o Metrô, Cetesb e o Ministério Público em março.

Quando estiver pronta, a extensão da Linha 2-Verde deverá atrair cerca de 380 mil pessoas graças à conexão com as linhas 3-Vermelha e 11-Coral. Quando atingir esse estágio, o ramal passará a contar com 22 novos trens no total.

Total
34
Shares
3 comments
  1. Uma pena que o Metrô insista em derrubar 355 do sítio Arqueológico e Parque Linear Rapadura tendo um terreno VAZIO e que já possui uma parte da propriedade por especulação imobiliária. #metrôsim #devastaçãonão

    1. Paula, NÃO É SIMPLES REFAZER O PROJETO PRA USAR UM TERRRENO “VAZIO”

      Não serão retiradas 355 árvores do local, esse número já foi revisto e reduzido. Outro fato importante, as árvores em questão não se tratam de vegetação nativa, muitas espécies ali são exóticas e não deveriam estar no local por diversos motivos.

      Acho que energias estão sendo gastas desnecessariamente com coisas que não são primordiais nesta discussão.

      Se vocês são tão #devastaçãonão gastem essa energia onde é mais útil.

Comments are closed.

Previous Post

Leilão de concessão de estações da CPTM em Mogi das Cruzes fracassa

Next Post

Metrô posterga licitação que construirá novo túnel entre as estações Paulista e Consolação

Related Posts