Primeiros trens da Linha 6-Laranja deverão ser entregues em 2024, afirma Alstom

Fabricante francesa, que está em vias de absorver a Bombardier, também planeja participar das concessões das linhas 8 e 9 da CPTM e do Trem Intercidades
Trem fabricado pela Alstom para a Linha 5 quando foi entregue em 2002 (GESP)

Após anos em que seu nome frequentou mais o artigos de cunho político e criminal, a Alstom está prestes a iniciar uma nova fase no Brasil. A fabricante francesa foi confirmada pela Acciona como fornecedora dos 22 trens que serão usados na Linha 6-Laranja do Metrô, a qual ela já havia sido escolhida pela concessionária anterior, a Move São Paulo.

Segundo a Alstom, as primeiras composições começarão a ser fabricadas em Taubaté em 2022 e entregues no primeiro semestre de 2024, ou seja, um ano antes de o novo ramal de 15 km ser aberto pela Linha Universidade.

Com 65 anos completados recentemente no Brasil, a Alstom pretende voltar a ampliar seu portfólio de projetos e para isso revela interesse em participar de ao menos três licitações, a concessão das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM, o Trem Intercidades (que inclui a Linha 7-Rubi) e o VLT de Brasília.

De acordo com o jornal Valor, a empresa pode se associar a outros grupos para fornecer o material rodante e sistemas desses projetos já que está ainda impedida de participar de licitações, a despeito de uma liminar obtida recentemente.

A Alstom foi condenada pelo CADE em 2019 por formação do cartel de trens que atuou em vários contratos no Brasil e que inclui outras fabricantes como Siemens e Bombardier. A então concorrente canadense, inclusive, está prestes a ser incorporada após a matriz da Bombardier vender a divisão ferroviária recentemente.

Série 9000: composição foi uma das últimas a serem fabricadas pela Alstom no Brasil (GESP)

Se obtiver sucesso nessa nova fase, a empresa poderá voltar a ter maior protagonismo no país, como há alguns anos, quando forneceu trens para o Metrô e CPTM e foi responsável pela implantação do VLT do Rio de Janeiro. Hoje, a Alstom está à frente de poucos projetos, como o atrasado sistema de sinalização CBTC das linhas 1, 2 e 3 do Metrô.

Para isso, promete transparência em seus processos a fim de evitar novos escândalos. “Com uma gestão pautada em processos com rígidas políticas de compliance e governança corporativa, a contribuição da empresa é comprovada por produtos e serviços nas principais operadoras de passageiros, a exemplo dos Metrôs de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Recife e Brasília e do VLT do Rio de Janeiro, além de ter também implementado soluções tecnológicas para operadoras de transporte de carga”, afirmou Michel Boccaccio, presidente da Alstom no Brasil.

Total
46
Shares
Antes de comentar, leia os termos de uso dos comentários, por favor
3 comments

Comments are closed.

Previous Post

Acciona deve iniciar escavação com tatuzões da Linha 6-Laranja em 2021

Next Post

Novos vídeos de Vila Sônia mostram que entrega da estação em dezembro será pouco provável

Related Posts