Projetos de implantação do CBTC na Linha 8-Diamante perdem recursos

Alterações no contrato de supervisão indicam possíveis impactos da concessão das Linhas 8 e 9 da CPTM
Linha 8 – Estação Carapicuíba (Jean Carlos/SP Sobre Trilhos)

Dentre as obras de modernização que a CPTM está dando mais foco, destacam-se as melhorias no sistema de sinalização (controle de trens). Esse é um componente indispensável para que a operação ferroviária possa ocorrer com dinamismo e segurança, assegurando ao passageiro viagens cada vez mais rápidas e confortáveis.

Nas linhas 8-Diamante, 10-Turquesa e 11-Coral está prevista a instalação do mais moderno sistema CBTC, que tem como principal característica a possibilidade de reduzir a proximidade entre os trens fazendo com que o “carrossel” possa ser aprimorado com a inserção de mais trens. Entretanto, mudanças recentes podem mudar esse cenário, como veremos a seguir.

O aditamento

O contrato para supervisão das obras de implantação do sistema CBTC, assim como de melhorias no sistema de telecomunicações, foi aditado com a modificação do cronograma físico-financeiro. Segundo a cláusula 2.1 do aditivo, houve uma redução de R$ 489.395,00 no valor do contrato, ou 1,96% do valor total, que passou a ser de R$ 26.619.665,00. O contrato foi assinado com o Consórcio Operação CBTC formado pelas empresas Pólux Engenharia Ltda e SMZ Consultoria em Automação e Controle Ltda.

Linha 8 afetada

Ao analisar o conteúdo do aditamento, é possível reparar um redirecionamento de foco no âmbito de operação das linhas.

O primeiro ponto se refere à forte queda no orçamento despendido para a Linha 8-Diamante da CPTM. Essa queda foi provocada pela diminuição das horas de trabalho previstas originalmente. Para se ter uma noção, tinham sido dedicados quase R$ 7 milhões apenas para a supervisão de obras na Linha 8, valor que caiu pela metade com as mudanças.

A priori a conta não fecha, mas ao verificar as mudanças é possível notar que uma maior quantidade de trabalho será despendida para a Linha 10-Turquesa, alvo de uma unificação operacional com a Linha 7-Rubi. O orçamento para essa linha passou de aproximadamente R$ 11 milhões para R$ 14 milhões.

Outro ponto muito importante a se destacar é o cronograma do serviço de supervisão. Anteriormente estavam previstos repasses até o 36º mês do contrato, referentes a Linha 8-Diamante. Com a atualização do contrato, os repasses ficam restritos até o 23º mês do contrato, ou seja, uma perda de 13 meses no cronograma físico-financeiro. As linhas 10-Turquesa e 11-Coral permanecem sem alterações no cronograma.

CBTC em outras mãos

Um detalhe que pode ter passado desapercebido é a questão da instalação do CBTC. Com a concessão das linhas 8 e 9, fica pendente por parte da CPTM a conclusão da implementação desse sistema que visa justamente promover a redução dos intervalos entre os trens.

Segundo os anexos do contrato de concessão, o EMPREENDIMENTO 54 é aquele que visa a complementação do sistema ATC (atualmente em uso) no chamado domínio 2, entre as estações de Osasco e Imperatriz Leopoldina. A modificação proposta é de realizar a modernização do sistema de intertravamentos por relês, funcionais desde o período FEPASA, por intertravamentos microprocessados que são mais modernos, compactos e com alto grau de confiabilidade.

A CPTM paralisou a instalação do CBTC por justamente não ter concluído a finalização do sistema de intertravamento microprocessado de forma completa ao longo da Linha 8-Diamante. Dessa forma cabe à concessionaria a finalização desses serviços.

Entretanto, o governo do estado facultou à concessionária a finalização da instalação do sistema CBTC na Linha 8-Diamante. Por consequência, ficará nas mãos da ViaMobilidade Linhas 8 e 9, caso deseje, a conclusão do sistema com a instalação em campo e nas composições.

Cláusura relativa ao CBTC (STM)

Em uma entrevista realizada no ano passado pelo canal SP Sobre Trilhos, o secretário Alexandre Baldy foi questionado a respeito dessa questão. O secretário se mostrou otimista com os investimentos futuros da nova concessionária, confira no vídeo:

Conclusão

A retirada de horas de trabalho da modernização dos sistemas de sinalização e telecomunicações da Linha 8-Diamante já era esperada tendo em vista que, após o leilão das linhas 8 e 9, boa parte das obras remanescentes ficará a cargo da nova operadora.

Quanto à questão da utilização ou não do CBTC pela concessionária, fica à critério da mesma a opção pela conclusão ou não das melhorias. Caso opte por finalizar a população terá muito a ganhar, mas caso não tenha contemplado tais melhorias no seu plano de investimentos uma questão fica latente:

O que vai acontecer com os equipamentos que foram instalados e aqueles que ainda seriam implantados? Um sistema de sinalização robusto e de cifras milionárias para os cofres públicos pode ser simplesmente jogado ao esquecimento? Possivelmente teremos muito tempo para discutir essas e outras questões.

Total
11
Shares
Previous Post

Durante fase emergencial, linhas de metrô perderam poucos passageiros em abril

Next Post

Metrô tem desafio de destravar 17 km de extensões congeladas de suas linhas

Related Posts