Veja em detalhes como é a nova estação João Dias da CPTM

Em ritmo acelerado, nova estação da Linha 9-Esmeralda deverá ser entregue no segundo semestre
Obras da estação João dias seguem em ritmo acelerado (Jean Carlos/SP Sobre Trilhos)

A estação João Dias é um dos mais novos empreendimentos em implantação na Linha 9-Esmeralda da CPTM. A nova parada localiza-se em um ponto chave entre as estações de Santo Amaro e Granja Julieta, que até então possuem uma das maiores distâncias entre as estações da Linha 9 com aproximadamente 4 quilômetros.

O investimento na nova estação gira em torno de R$ 60 milhões e está sendo feito pela iniciativa privada, algo inédito na CPTM. Estima-se que a nova estação seja entregue no segundo semestre deste ano e tenha capacidade para atender mais de 10 mil passageiros por dia.

As obras

O site foi convidado a fazer uma visita ao empreendimento acompanhado do presidente da CPTM, Pedro Moro. Mostraremos os principais detalhes da estação que é recheada de inovações e desafios que foram superados culminando numa célere evolução das obras.

O tour pela estação se iniciou na área por onde os passageiros terão o primeiro contato, o acesso principal. É uma espaço bastante amplo onde estarão alocados a linha de bloqueios, sala de supervisão operacional e a bilheteria blindada.

Pelo fato da plataforma da estação João Dias ser “ilhada” será necessário a transposição da Avenida das Nações Unidas através da passarela metálica. O passageiro contará com total acessibilidade por meio de um elevador instalado neste acesso. Também há opções de escada fixa e rolante que poderá ter seu sentido invertido conforme as necessidades do momento.

Nas áreas internas o local está em fase de acabamento e finalização das instalações elétricas. A acessibilidade também foi pensada para os funcionários desta estação, que contarão com um elevador exclusivo. A área operacional será composta por diversas salas de cunho técnico, como o porão de cabos, e também estratégico. A sala de reuniões tem uma visão privilegiada do acesso, um conceito que pode ser aplicado às estações futuras em eventuais reformas. Destaca-se a qualidade do acabamento e a pintura do ambiente.

A estação também contará com sanitários acessíveis na área paga, reforçando o foco na inclusão de todos os passageiros. Áreas destinadas para os resíduos sólidos também serão construídas.

A passarela metálica é um dos grandes destaques da estação. A estrutura é responsável por ligar o acesso da estação até a plataforma central passando sobre a avenida das Nações Unidas. O grande destaque está pelo seu grande vão livre de aproximadamente 54 metros. Uma curiosidade interessante foi o tempo para instalar a passarela que durou 8 horas e a sua fixação foi feita em apenas 12 minutos.

Foi possível visualizar as vias provisórias que foram construídas para possibilitar a construção da plataforma. Outro grande destaque foi a construção da estrutura de uma estação ferroviária com baixo impacto para a circulação dos trens. O desvio das vias e de toda a estrutura de apoio como rede aérea e cabeamento subterrâneo foi essencial para esse resultado.

O acesso para as plataformas também conta com acessibilidade plena. São duas escadas rolantes e um elevador que garantem total mobilidade para os passageiros. Na região de plataforma é possível notar que a faixa amarela já foi instalada, bem como os pisos de granito. Ao contrário de boa parte das estações da Linha 9, João Dias tem a vantagem de contar com o piso de granito ao invés do emborrachado. Isso garante maior durabilidade além da facilidade de limpeza.

Os trabalhos com a via definitiva no sentido Osasco estão em reta final. A rede aérea também está em fase final de instalação. Se tudo correr bem a CPTM estima que a nova via esteja liberada para o tráfego de trens a partir da semana que vem.

Abaixo da plataforma está localizado um grande compartimento onde parte dos cabos fica localizada. Também é neste ambiente onde é armazenada água de reuso que poderá ser utilizada para as mais diversas funções na estação. Vale citar que o espaço cumpre com normas de ergonomia de forma que os funcionários possam realizar os trabalhos em pé, sem a necessidade de adequações necessárias aos ambientes confinados.

Conclusão

A estação João Dias é um projeto que incorpora uma série de inovações em seu escopo construtivo. A preocupação com a sustentabilidade e com a acessibilidade é bastante evidente através da instalação de elevadores em vários pontos da estação. A utilização da água das chuvas bem como o aproveitamento da luz solar são práticas cada vez mais bem vistas e que geram economia de recursos no longo prazo.

A evolução consistente das obras que está sendo custeada pela iniciativa privada também é um fator importante e pode servir como modelo para a construção de futuras estações que podem ativar a economia das regiões que servem.

Total
1
Shares
3 comments
  1. Se esta obra fosse feita pelo poder público, levaria anos para ser concluída ou nem seria concluída e ainda custaria o triplo do valor.

Comments are closed.

Previous Post

Contrato de instalação de portas de plataforma no Metrô volta a ser suspenso pela Justiça

Next Post

Veja como ficou o Complexo Rapadura após a derrubada das árvores

Related Posts