Veja como ficou o Complexo Rapadura após a derrubada das árvores

Graças à mobilização dos moradores da Praça Mauro Broco, 210 árvores foram poupadas pelo Metrô na obra de construção do estacionamento de trens da Linha 2-Verde
Complexo Rapadura nesta semana: 210 árvores foram preservadas graças à mobilização dos moradores (iTechdrones)

Em agosto de 2020, moradores da Praça Mauro Broco, no Jardim Têxtil, protestaram contra a derrubada de 355 árvores do local para a instalação de um canteiro de obras da Linha 2-Verde do Metrô.

A intervenção da companhia visa preparar a área para escavações do poço onde será montado o “tatuzão” que abrirá os túneis da extensão até Penha. Após essa fase o local será transformado num estacionamento subterrâneo de trens.

Pressionado pela opinião pública, o Metrô reviu o número de árvores necessárias para abrir espaço para o projeto e poupou 210 espécimes ao reduzir o tamanho e as atividades na área.

Após uma disputa judicial atrasar a execução da obra, o consórcio responsável pelo canteiro realizou a derrubada de 145 árvores do local. Imagens aéreas do canal iTechdrones mostram com bastante clareza que grande parte da vegetação da área foi mantida.

O principal local afetado, que quase não abrigava vegetação há cerca de 17 anos, teve uma árvore de grande porte retirada com a ajuda de uma escavadeira. Embora relatos em redes sociais tenham atribuído uma idade superior a 30 anos ao “Ficus”, sequência de imagens de satélite mostram que ela foi plantada por volta de 2005, portanto há bem menos tempo.

No alto, o “Ficus de 30 anos” era uma praticamente uma muda em 2005. Terreno aparenta ter sido retificado nos anos seguintes (Google Earth)

As fotos do Google também sugerem que a área onde o Metrô realizou a retirada das árvores teve o terreno retificado onde antes havia um barranco irregular. Não se sabe se essa possível intervenção no passado possa ter danificado os sítios arqueológicos existentes no local.

Outro terreno próximo, onde ficará a estação Santa Isabel, também passou por um processo recente de derrubada de árvores, como mostra o mesmo vídeo do iTechdrones.

Embora a quantidade tenha sido significativa, infelizmente o fato não gerou nenhuma manifestação pública ou a presença de políticos e influenciadores ligados ao meio ambiente para defendê-las. Talvez parte delas pudesse ter sido poupada.

O terreno da futura estação Santa Isabel nesta semana com árvores derrubadas e no detalhe como era antes: sem protestos ambientais (iTechdrones)
Total
6
Shares
7 comments
  1. Quanta mentira! O Metrô vai na Contra Mão do Mundo, enquanto a preocupação global é a preservação do Meio Ambiente, o Metrô derruba árvores em Praças, Parques, a beira de Córregos. Ah! Quanta insensatez.

    1. Cleusa e Antônio não sei qual a realidade que vocês vivem, o metrô é a solução mais ecológica possível não tem uma taxa de poluição tão grande quanto ônibus e carros, talvez não saibam mais o parque das bicicletas teve algumas árvores derrubadas e depois eles devolveram o espaço para população, procurem pesquisa antes de falarem água na internet.

    2. Não sei se você sabe mas investir em transporte público de massa, como o metrô, é uma solução implantada no mundo todo para reduzir a poluição. Por ser elétrico, causa danos minoritários ao meio ambiente ao contrário dos ônibus e carros que emitem toneladas de gases poluentes na atmosfera

  2. Olha acho muito ruim ter que cortar essas árvores, mas cabe ao organizados moradores da região, ficar em no pé do metrô para que lhes deem uma área com bastante árvores. Outra coisa , se não me engano FICUS não é de origem brasileira, tipo mata atlântica.

    1. Esse ficus comum de ruas que o que foi derrubado e nativo da Ásia e o ficus Benjamina,mais tem espécies de ficus nativos da mata atlântica por exemplo ficus enormis,ficus organensis,ficus clusifolia,ficus insipida, desses ficus só o clusifolia e o enormis são um pouco comuns em sp pq elas crescem com epífitas e estrangulam a árvore e se adaptaram a nascer em paredes, e tem só alguns poucos exemplares de ficus organensis que restaram na capital como o do Largo da memória e a figueira das lágrimas que e a árvore mais antiga da capital aonde na guerra do Paraguai as famílias choravam embaixo da árvore pelos filhos irem pra guerra, e o dom Pedro 2 descansou embaixo da sombra dela

  3. A Estação Santa Isabel será a última a ser construída.
    Tudo ocorreu bem porque somente foram cortadas árvores demarcadas dentro da área do Metrô.
    Ao contrário do pequeno grupo do Complexo Rapadura que entrou na Justiça para bloquear a obra e por isto atrasar a Mobilidade na cidade de São Paulo, por motivos soberbos.
    Aqui houve sensatez e pessoas que querem o METRÔ rapidamente só contrário do Complexo contrários a obra por motivos diversos.
    Agem como Jhoseph Goobles, insistir na mentira .

Comments are closed.

Previous Post

Veja em detalhes como é a nova estação João Dias da CPTM

Next Post

As metas do governo Doria em mobilidade sobre trilhos para 2022

Related Posts