Veja o provável calendário de inaugurações no Metrô e CPTM até o fim de 2021

Após hiato de 20 meses sem expandir número de estações, governo Doria deve abrir quatro novas paradas até dezembro e ampliar a malha metroferroviária em cerca de 5,6 km
Estação João Dias (iTechdrones)

Ao assumir o comando do estado de São Paulo em janeiro de 2019, o governador João Doria recebeu de “herança” do antecessor, Geraldo Alckmin, quatro novas estações do Metrô praticamente prontas para serem entregues: Campo Belo (Linha 5-Lilás), aberta em abril daquele mesmo ano, e Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus, da Linha 15-Prata, cuja inauguração ocorreu em dezembro de 2019.

Além delas, havia a substituição da estação Francisco Morato, da Linha 7-Rubi, que ganhou uma nova estrutura, maior e mais moderna, em setembro do ano passado. Pouca coisa comparada se comparada ao segundo mandato de Alckmin, mas ao menos neste semestre, Doria terá finalmente algo a mostrar na expansão sobre trilhos após tanto tempo.

Quatro estações, sendo duas de Metrô e duas da CPTM, estão na reta final de conclusão, com expectativa de abertura a partir de agosto. São elas Mendes-Vila Natal e João Dias, na Linha 9-Esmeralda, Jardim Colonial (Linha 15) e Vila Sônia (Linha 4-Amarela).

Com elas adicionadas à malha metroferroviária, os usuários terão cerca de 5,6 km a mais de trilhos, atraindo um número bastante elevado de passageiros. Confira a seguir quando as novas paradas poderão ser abertas:

Estação Mendes-Vila Natal (Linha 9-Esmeralda)

Trata-se de um projeto que é anunciado pelo governo do estado há pelo menos 10 anos e que finalmente se tornará realidade. A extensão sul da Linha 9 é na verdade uma retomada da ferrovia que já existiu ali, mas obviamente agora com uma infraestrutura sem comparação.

Mendes-Vila Natal adicionará cerca de 2,4 km ao ramal da CPTM e será uma estação bastante grande, com cerca de 5 mil m² e capaz de receber por volta de 60 mil passageiros por dia. Já recebendo acabamento e equipamentos, a nova parada é cogitada pelo governo para ser aberta em agosto.

Estação Mendes-Vila Natal (iTechdrones)

Estação Jardim Colonial (Linha 15-Prata)

A 11ª estação do monotrilho da Linha 15 também segue em direção à sua conclusão em algumas semanas. Tanto assim que o Metrô requereu a licença ambiental de operação junto à Cetesb na semana passada. A companhia também iniciou os testes com a sinalização CBTC para incluir a nova parada à operação – são cerca de 1,8 km a mais de vias, sem contar a extensão operacional em construção.

Jardim Colonial, quando pronta, poderá atrair até 40 mil usuários por dia e deverá ajudar o ramal a oferecer um intervalo menor do que hoje. Isso porque sua concepção de estação terminal será mais ágil que a usada hoje em São Mateus, permitindo que trens possam operar em duas plataformas ao mesmo tempo. Ao que tudo indica, essa parada deverá abrir por volta de setembro, ou seja, apenas 28 meses após o início das obras.

Estação Jardim Colonial (iTechdrones)

Estação Vila Sônia (Linha 4-Amarela)

Futura estação terminal da Linha 4, Vila Sônia é há muito aguardada na região e com razão. São estimados 78 mil usuários por dia, oriundos de municípios e bairros vizinhos, que devem chegar ao local sobretudo pelo terminal de ônibus que será aberto no local.

Pena que Vila Sônia já poderia ter sido inaugurada não fossem os atrasos seguidos no cronograma. Embora a gestão Doria coloque a demora extra na conta da ViaQuatro, concessionária que opera o ramal, é fato que o Metrô contribuiu decisivamente para isso ao atrasar as obras civis e assim impedir que os trabalhos de sistemas pudessem ser realizados antes da pandemia.

Por conta dessas atribulações, a nova estação deverá abrir no dia 16 de dezembro, conforme revelou a STM ao jornal Bom Dia São Paulo.

Estação Vila Sônia (iTechdrones)

Estação João Dias (Linha 9-Esmeralda)

Assim como Jardim Colonial, a estação João Dias teve as obras iniciadas durante o mandato de João Doria, embora ambas tenham sido concebidas muito antes disso. Mas é um feito conseguir dar início a um projeto como esse e ainda inaugurá-lo num prazo curto.

O caso de João Dias, no entanto, traz algumas observações como o fato de ser uma obra pequena e menos complexa que Mendes-Vila Natal, por exemplo. Mas sobretudo por ter sido gerida quase que exclusivamente pela iniciativa privada, que bancou do bolso sua implantação.

Diferentemente das demais, João Dias não fará a rede sobre trilhos crescer já que está inserida no meio da Linha 9, mas contribuirá ao receber cerca de 10 mil usuários por dia numa região com grandes probabilidades de se adensar ainda mais.

Quando ela será aberta é uma pergunta ainda não respondida. A princípio, a parada seria inaugurada em 2022, mas o ótimo andamento dos trabalhos já permite esperar por ela em meados deste semestre.

Total
112
Shares
2 comments
  1. Enquanto isso a construção da linha 17 de importantíssimo valor para a população de SP já que ano que vem o aeroporto de congonhas vai ser convertido em aeroporto internacional, o presidente do metrô e o secretário só sabem postar fotos de assentamento de piso, acham que enganam alguém… É brincadeira isso viu. Aí eu me pergunto pq na época q fizeram a concessão das linha 5 e 17 não incluíram a finalização da linha 17 com a concessionária fazendo todos os trabalhos.

Comments are closed.

Previous Post

Como poderiam estar as obras da Linha 18-Bronze se Doria tivesse cumprido sua promessa eleitoral

Next Post

Confira como foi a 4ª semana de obras nas linhas 12 e 13 da CPTM

Related Posts