Após impasse, ANAC define minuta de inclusão do projeto do People Mover de Guarulhos

Agência de aviação civil propôs que projeto da ligação entre o aeroporto e a Linha 13-Jade da CPTM obedeça a teto de valor ofertado pelo consórcio AeroGRU. Assinatura do aditivo ainda depende de aceitação da GRU Airport e do TCU
O Aeromovel, People Mover oferecido pelo consórcio AeroGRU

Sem evoluir nas negociações entre o governo federal e a GRU Airport, concessionária que administra o Aeroporto de Guarulhos, a diretoria da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) aprovou a minuta do aditivo contratual que permitirá a implantação do sistema People Mover que ligará o terminal à Linha 13-Jade da CPTM.

A reunião virtual ocorreu na terça-feira, 27, com a apresentação do caso pelo relator, Tiago Pereira, que expôs os principais fatos do projeto. Como este site revelou, há uma discordância entre a GRU e setores do governo quanto à escolha da fornecedora – a concessionária prefere a empresa austríaca Doppelmayr, com proposta mais cara, enquanto a a ANAC não abre mão da proposta mais barata, feita pelo consórcio brasileiro AeroGRU.

Depois de várias idas e vindas, com a produção de aditivos de ambas as partes, sem qualquer acordo, Pereira explicou que a Superintendência de Regulação Econõmica dos Aeroportos (SRA) decidiu produzir o aditivo baseado em pontos já com consenso e obedecendo os parâmetros iniciais elencados pelo Ministério da Infraestrutura.

Com isso, a minuta estipula um teto de investimentos no projeto baseado na primeira proposta da AeroGRU. Já o custo operacional usará como base o quarto aditivo produzido, ambos com reajustes de acordo com índices conhecidos no mercado.

O traçado é o mesmo do projeto original da GRU Airport

Na visão da diretoria da ANAC, a GRU Airport deverá arcar com os riscos da implantação e operação, algo que ela não deseja, sobretudo por considerar o sistema da AeroGRU não totalmente testado. A empresa teme uma possível difuculdade em implantá-lo e operá-lo e por isso chegou a propor uma implementação por fases, o que o governo nega de forma veeemente.

Apesar da definição pela nova minuta, o projeto segue indefenido já que o aditivo precisará passar pelo crivo do Ministério da Infraestrutura, pela aceitação pela GRU Airport e ainda ser considerado legal pelo Tribunal de Contas da União (TCU), caso se prove vantajoso para as contas públicas.

Em outras palavras, o People Mover continua sendo um projeto complexo e cheio de incertezas mais de dois anos após o governador João Doria anunciá-lo como solução para substituir os ônibus da GRU Airport que fazem hoje a ligação entre a estação da CPTM e o Aeroporto de Guarulhos.

Total
1
Shares
4 comments
  1. Tudo isso só confirma que Dória é um político profissional, prometeu o que não pode cumprir, enganando os mais desinformado.
    Estelionato eleitoral típico!

  2. Isso chama concessão mal feita! Essa GRU Airport é horrível, se não fosse por ela, a linha 13 teria estação dentro do Aeroporto Internacional.

    Se a concessionária continua a causar danos à população que cancelem essa concessão que está lesando o estado de São Paulo.

  3. O custo do mover será pago pelo governo, a operação será pago pelo governo, tudo descontando do que o aeroporto tem que pagar pela concessão. Mais barato e simples só extender a linha JADE até o terminal 2, como deveria ser feito, até o Alckmin perceber que devido ao enrosco ele não conseguiria anunciar antes da eleição que “concluiu “a obra ferroviária. Doria prefere embolar mais ainda do que corrigir a cagada anterior…

  4. Conforme opinião já emitida neste blog pelo Ricardo Meier com a qual concordo totalmente, uma vez que existe este bloqueio contratual por conta de um contrato de concessão mau elaborado, para a extensão da Linha 13-Jade sem baldeação para os terminais da GRU Airport que comprovadamente seria tecnicamente a solução correta a exemplo que já ocorre atualmente no Terminal Tietê da Linha-1 Azul, entendo ser a melhor alternativa se manter os atuais ônibus circulares, uma vez que com as alternativas propostas se ira manter as mesmas baldeações desnecessárias, uma das clausulas de negociação para renovação deste contrato no futuro seria a eliminação deste inconveniente e desconfortável transbordo desnecessário com a linha Linha-13 Jade chegando até os terminais.
    Não haverá aumento expressivo de demanda e vantagens reais, e não será a simples troca dos atuais ônibus circulares na GRU Airport por VLT, Aero Móvel, Monotrilho ou People Mover ou quaisquer outros que irá aumentar esta baixa procura desta linha 13-Jade, e sim sua a extensão do trecho pós estação Aeroporto Guarulhos ainda nesta década com quatro estações Jardim dos Eucaliptos, São João, Presidente Dutra e Bonsucesso que iria atrair usuários de outros municípios como Arujá, Santa Isabel, Itaquaquecetuba e São Paulo levarão o ramal para uma região carente de transporte no entorno do aeroporto, onde iria aguardar a chegada da Linha 2-Verde em que seria construído um pátio e um terminal de manutenção de trens, afinal este é o 2º maior município do Brasil com 1,35 milhões de habitantes e não tem Trem Metropolitano e nem Metrô, e esta linha 13-Jade está com uma demanda ociosa de 16 mil contra uma capacidade de mais de 120 mil, ao invés de se lançar novas linhas como esta Linha 19-Celeste que só seriam viáveis após a década de trinta!

Comments are closed.

Previous Post

Tatuzões da Linha 6-Laranja começarão a escavar em janeiro e março de 2022

Next Post

Em novos leilões, Metrô fecha naming rights de Saúde, mas não tem interessados por Anhangabaú

Related Posts