Tatuzões da Linha 6-Laranja começarão a escavar em janeiro e março de 2022

Tuneladora que seguirá no sentido São Joaquim será a primeira a deixar o VSE Tietê, seguida dois meses depois pelo chamado “TBM Norte”, em direção ao pátio Morro Grande
Guindaste presente no VSE Tietê, onde estão os tatuzões da Linha 6 (iTechdrones)

Dentro de seis meses, São Paulo voltará a ter uma enorme máquina de 100 metros de comprimento e 2 mil toneladas abrindo túneis no subsolo da cidade. A previsão foi feita pela Acciona, construtora responsável pela obra da Linha 6-Laranja do Metrô.

Durante um evento online promovido pela revista O Empreiteiro, o diretor adjunto de projeto Lucio Matteucci revelou que os dois “tatuzões” que escavarão os cerca de 15 km de túneis estão programados para iniciar o trabalho em janeiro e março de 2022.

A previsão da empresa faz parte do planejamento de realizar as obras dentro de cinco anos, com previsão de abertura do ramal em 2025.

Segundo Matteucci, o chamado “TBM Sul” (Tunnel Bore Machine) está sendo montado na vala existente no VSE Tietê e deve partir no início do ano que vem. Serão precisos então mais dois meses para que o segundo ‘tatuzão’, o “TBM Norte”, seja montado e comece seu trabalho.

Como já explicado pelo site, embora sejam bastante semelhantes, as duas tuneladoras foram fabricadas para escavar em solos diferentes. A primeira vai avançar em “solo mole”, formado em geral por sedimentos, durante o trajeto até São Joaquim, com cerca de 9,5 km.

Os “tatuzões” da Linha 6

O segundo shield terá uma tarefa mais “dura” ao ter de abrir caminho por solo rochoso – uma extensão de 5,2 km ao todo.

Não por acaso, a velocidade média de avanço diário é bem diferente, segundo o executivo da Acciona. Enquanto o TBM Sul pode escavar de 10 a 12 metros por dia o TBM Norte consegue atingir um ritmo menor, de 8 metros por dia.

Redução do tempo de viagem em 70 minutos

Apesar disso, a construtora espanhola aposta que conseguirá superar esse desempenho, graças ao bem sucedido projeto executado no metrô de Quito, no Equador. Lá, a tuneladora da Acciona chegou a avançar 40,5 metros em 12 horas e 79,5 metros em 24 horas.

A cada 1,8 metro escavado é instalado um anel de aduelas, a estrutura em concreto que sustenta os túneis. Como o site explicou recentemente, elas estão sendo fabricadas numa área da empresa em Perus, 11 km distante do VSE Tietê.

Além dos túneis escavados pelos dois tatuzões e as escavações das estações e poços de ventilação e saída de emergência, a Acciona também fará outros três túneis pelo método NATM, o chamado “túnel mineiro”.

Um deles já avançou algumas dezenas de metros entre o SE Aquinos e o VSE Tietê e que servirá como estacionamento de trens de estratégia. Haverá outro a partir da estação Brasilândia até o pátio Morro Grande e por fim outro estacionamento para as composições na altura da praça Charles Miller, no Pacaembu.

A apresentação, do final de junho, também mostra a situação das frentes de trabalho. Segundo ela, a Acciona está dando início às obras nas estações Higienópolis-Mackenzie, Angélica-Pacaembu, Perdizes, SESC-Pompeia e Itaberaba – Hospital Vila Penteado até agosto. Esta última teve o terreno onde um sacolão funcionava liberado nos últimos dias, inclusive.

A importância da Linha 6-Laranja para a malha metroferroviária de São Paulo pode ser medida por vários aspectos, mas um deles chama a atenção: o tempo a ser economizado quando ela entrar em operação. A viagem entre Brasilândia e São Joaquim, que hoje leva 1 hora e 37 minutos, cairá para apenas 27 minutos. São 70 minutos que poderão ser aproveitados de forma muito mais produtiva pela população.

Total
52
Shares
8 comments
  1. Uma hora falam que o ritmo será de 49 metros por dia, mas o responsável pela obra menciona 13 e 8 metros.

    1. Esse ritmo foi no metrô de Quito, a Acciona nunca disse que iriam ter esse ritmo aqui em SP.

  2. Será que vai dar tempo mesmo até 2025? Sei não, coloca mais dois anos aí porque tem muita coisa pra fazer ainda, fora a tuneladora que vai escavar em solo rochoso e que já vai ter grandes dificuldades nessas escavações, vamos ver!

  3. Impressionante a importância desta linha! Tomara que siga logo depois em direção à zona leste até Cidade Dutra

  4. Excelente que darão continuidade a obra. Mas e a indenização das desapropriações para várias famílias que ainda estão aguardando?

Comments are closed.

Previous Post

Plataforma nunca usada pelo Metrô vira abrigo provisório para moradores de rua

Next Post

Após impasse, ANAC define minuta de inclusão do projeto do People Mover de Guarulhos

Related Posts