Destaques Linha 17 Metrô de São Paulo

Com proposta de R$ 495 milhões, Constran deve assumir obras remanescentes da Linha 17-Ouro

Leilão ocorrido na manhã desta sexta-feira (16) teve onze grupos interessados. Metrô agora analisará documentos para então habilitar vencedor
Linha 17-Ouro: Constran deve concluir obras (CMSP)

A sessão pública de recebimento de propostas para as obras remanescentes da Linha 17-Ouro de monotrilho ocorreu nesta sexta-feira (16) e teve como melhor proposta a entregue pela empresa Constran que fez uma oferta de R$ 494,9 milhões.

Agora o Metrô fará a análise de documentos para habilitar o vencedor, ou seja, a Constran ainda precisa aguardar essa fase para ser oficialmente selecionada para prestar os serviços. Além da construtora, outros 10 grupos fizeram propostas que não contou com a participação de empresas envolvidas na operação Lava Jato. A empresa Coesa Engenharia fez a segunda melhor proposta com valor de R$ 498,6 milhões enquanto o consórcio T.A.S. Linha 17 ofereceu o valor mais alto, de quase R$ 750 milhões.

A licitação, no entanto, passou por alguns contratempos. Além de atrasar duas semanas por conta de centenas de dúvidas que surgiram entre os interessados, o certame também foi alvo de três tentativas de impugnação como a da própria Constran, que questiona a exigência de certidões pelo Metrô – todas elas foram indeferidas pela companhia.

A Constran é uma construtora com longo histórico de obras no Metrô de São Paulo. Ela foi responsável pela construção das estações Praça da Árvore e Santa Cruz da Linha 1-Azul, de parte do Pátio Itaquera, das estações Sumaré e Vila Madalena da Linha 2-Verde e da estação Adolfo Pinheiro da Linha 5-Lilás, entre outras.

A construtora também havia sido contratada dentro do consórcio Expresso Linha 6 para realizadas as obras de construção da Linha 6-Laranja pela concessionária Move São Paulo, mas que foram suspensas em setembro de 2016.

A Constran participou das obras do Metrô desde 1968 em projetos como o pátio Itaquera (Constran)

“Campo minado”

Caso tenha sua proposta homologada, a Constran terá a missão de arrumar a confusão deixada pelo consórcio Monotrilho Integração, que iniciou as obras da linha em 2012, mas acabou deixando canteiros abandonados e serviços incompletos. O grupo, que era formado pelas construtoras Andrade Gutierrez e CR Almeida além da fabricante de monotrilhos Scomi, também chegou a vencer outros dois contratos, para o pátio e quatro estações, mas foi afastado pelo Metrô por não cumprir o cronograma.

O resultado é que hoje as obras remanescentes são uma espécie de campo minado, com serviços incompletos e cuja execução é complexa como o lançamento de vigas-trilho no trecho da Marginal Pinheiros. A nova contratada também terá como escopo concluir a maior parte das estações, paisagismo e também comunicação visual, instalações hidráulicas e até recapeamento da avenida Roberto Marinho, ciclovia e edificação de um centro comunitário e esportivo para o lugar do espaço que existia no piscinão onde está o pátio de manutenção.

Atualmente, não há uma previsão sobre a inauguração do ramal que será operado pela ViaMobilidade, mas diante do cronograma divulgado para fabricação dos trens e cuja licitação ocorrerá no mês que vem, é de se esperar que a Linha 17 não comece a funcionar antes de 2022.

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

4 Comentários

Click here to post a comment
  • Ainda levará um tempo até o metrô reconhecer que a linha que passa pela congestionada região do aeroporto de Congonhas deveria ser subterrânea e não aérea.

    • Não há demanda para uma linha subterrânea ali, logo a escolha foi acertada (a Linha 17 aparece em vários planos de transportes de São Paulo desde os anos 1990 até os atuais). Apesar do projeto ter passado por várias etapas, ter sido elaborado e aprovado por arquitetos, engenheiros, tecnólogos, técnicos e vários outros profissionais, o Carlos A. se julga superior a todos eles ao defender o metrô subterrâneo. Projeto pra que, né? Vamos entregar tudo aos palpiteiros de internet. . .

      • Ivo voce esta correto esta cheio de palpiteiros eles esquecem que os dados estão ai o metro de Salvador ja foi do estado do municipio e foi concluido a primeira etapa d aprimeira linha depois de mais de 20 anos agora com o apoio da iniciativa privada e com o apoio do metro de são paulo os funcionarios de la foram treinados aqui e outra equipe foi para salvador para fazer a implantação por que nos tucanos temos norral e emplantamos em Fortaleza tambem atraves de convenios tudo dentro das normas e da lei. que tucano faz bem feito.

Airway