CPTM Destaques Linha 7 Trem Intercidades

Consulta pública do Trem Intercidades até Campinas deve ocorrer entre outubro e novembro

Afirmação foi feita por membro do governo Doria em evento de mobilidade nesta semana. Projeto prevê investimento de mais de R$ 7 bilhões
Trem regional (Alstom)

O projeto de concessão do Trem Intercidades entre São Paulo e Campinas, associado ao serviço Intermetropolitano e à Linha 7-Rubi, deverá ser levado para consulta pública entre outubro e novembro, revelou uma representante do governo Doria nesta quinta-feira, 10. Falando no evento Connected Smart Cities & Mobility, Gabriela Engler apresentou os principais projetos de concessão planejados pela atual gestão, como a das linhas 8 e 9 da CPTM.

Ao explicar a PPP do TIC, Engler revelou que que próxima etapa do projeto será a consulta pública, quando vários documentos e estudos serão divulgados pela CPTM a fim de que o mercado e a sociedade possam analisar e opinar sobre sua modelagem.

Embora resumida, a apresentação traz a estimativa de investimento no projeto, de R$ 7,2 bilhões, valor que poderá mudar já que o governo está revisando os custos por conta do impacto da pandemia do coronavírus.

O slide divulgado confirma a informação revelada pelo presidente da CPTM, Pedro Moro, de que a Linha 7-Rubi passará a funcionar apenas entre Barra Funda e Francisco Morato quando a concessão estiver funcionando em sua plenitude. O ramal passará a ter 35 km e 13 estações, numa estrutura mais parecida com outras linhas da companhia – hoje a Linha Rubi mistura características metropolitanas com distâncias regionais ao atende Jundiaí, já fora da Grande São Paulo.

Trem Intercidades deve ser levado à consulta pública no mês que vem ou novembro (Reprodução)

Essa tarefa será assumida pelo Trem Intermetropolitano, um serviço parador com nove estações e 65 km de extensão entre Francisco Morato e Campinas. Já o TIC possuirá 100 km e três estações – Barra Funda, Jundiaí e Campinas com tempo de viagem estimado em uma hora.

A consulta pública pode demorar cerca de dois meses se repetir o que ocorreu com a concessão das linhas 8 e 9. Nesse caso, o período de consulta foi de 28 de fevereiro a 30 de abril, após uma prorrogação. Após isso, o projeto deverá ser analisado e finalizado para aprovação junto a outras áreas do governo antes de ter o edital publicado em 2021.

Leia no Lulica
O que esperar ao mudar-se para a “terra da rainha” 26/8/2020

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

9 Comentários

Click here to post a comment
  • Espero estar enganando, mas tomara que esse projeto não seja outra Linha 13, onde se imaginou uma alta demanda e no final as pessoas não migraram dos atuais serviços para os trens. É importante que traga vantagens significativas em relação aos seus concorrentes, no caso, carro e ônibus, se não for assim, melhor investir os recursos na melhoria da malha metropolitana mesmo.

    • Calma cara, a Linha 13 ainda não está fadada ao fracasso, com o seu prolongamento Guarulhos a dentro, e talvez mais uma estação intermediária entre Engenheiro Goulart e CECAP a demanda aumente.

      • A demanda da linha 13 só vai aumentar com essas expansões que vc falou e quando ela finalmente se integrar a alguma linha de metrô mais próxima do centro de SP e tiver uma integração melhor entre o terminal do aeroporto e a estação Aeroporto Guarulhos (people mover por exemplo)

    • É, gastar 7,2 bi e enfiar o serviço numa estação já cheia e limitada só é aceitável se for provisório.
      GESP precisa executar o hub Água Branca e pensar nova Estação multimodal no CEAGESP – que vai sair dali.

  • A concessão da Linha 7-Rubi, está bem melhor que a concessão das Linhas 8 e 9. O que passa na cabeça da CPTM e do GESP em não incluir o Intercidades para Sorocaba na concessão da 8 e 9? Dizer que prolongaria o prazo é o melhor argumento? Desculpe, mas já está demorado, e quando sair ficará com cara de projeto mal feito. (Aliás, já está)

  • Por que a CPTM, ou o estado não compra a máquina de fazer ferrovias, e resolve vários outros problemas do estado em ferrovias? Pq ao meu ver, a exemplo da linha 8 até sorocaba, ferrovias precisam de troca de dormente periódica. Quando da troca de dormentes, já deveriam a muito tempo ver a padronização. Quantas vezes trocaram os dormentes de bitola métrica pelo de mesmo tamanho?

  • Ferrovia pode trazer, além da tarifa que as pessoas pagam. mas desenvolvimento em forma de empregos, indústrias, impostos, foi assim q a ferrovia transformou muitas cidades do interior paulista. Ferrovia não pode ser pensada como só quantos passageiros vou levar, mas sim a sua presença ou ausência desenha toda a economia de a regiao

Airway