CPTM contratará empresa para reduzir o vão na plataforma 9 da estação Palmeiras-Barra Funda

As obras deverão ser realizadas em dois meses. com previsão de implantar o redutor ao longo de 175 metros de extensão
Estação Barra Funda em obras (Jean Carlos)

A CPTM disponibilizou no final do mês de março uma licitação para contratar serviços de instalação de dispositivo para reduzir o vão entre o trem e a plataforma 9 da estação Palmeiras-Barra Funda. Atualmente a estação está passando por melhorias em decorrência da expansão dos serviços ferroviários.

A estação Palmeiras-Barra Funda também está sendo alvo de uma série de melhorias. Com a eventual chegada das Linhas 11-Coral e 13-Jade, tanto as vias entre Luz e Barra Funda, como as plataformas estão passando por adequações.

Dentre as principais intervenções na estação estão a troca de pisos, reforma nos sistemas de iluminação e sonorização, implantação de rotas táteis e também de novos elevadores. O site fez um resumo das principais mudanças que ocorrerão na estação.

Os anexos de licitações anteriores não esclarecem qual seria a função da plataforma 9. A comunicação visual disponibilizada indica que os locais de embarque da Linha 11-Coral seriam nas plataformas 7 e 8 enquanto a plataforma 10, a última da estação, seria dedicada ao serviço expresso da Linha 13-Jade.

Comunicação visual a ser implantada na estação Palmeiras-Barra Funda (CPTM)

De todo modo, a implantação do dispositivo de redução constitui-se como importante investimento que poderá garantir maior acessibilidade e segurança aos passageiros. Segundo o edital, serão instalados 175 metros de redutores com capacidade para diminuir o vão existente entre 7 cm e 10cm. O prazo para a conclusão das obras será de dois meses.

Total
40
Shares
5 comments
      1. Jean Carlos. Poderia pesquisar e responder o por que a CPTM passou a usar estribos nos trens de passageiros, a partir de sua criação a 30 anos, uma vez que as antigas composições da Budd da série 100 em aço inox que fizeram o trajeto semelhante ao atual Serviço-710 entre Francisco Morato até Paranapiacaba por mais de trinta anos não as necessitavam, sendo que na época a quantidade do trafego de cargueiros era muito maior, e ainda existem algumas composições restauradas como testemunha desta minha afirmação para comprovar este fato.

        1. Todos os trens possuem estribos em suas portas.

          O uso do estribo maior foi adotado para maior segurança dos passageiros. Aproximar as plataformas dos trens é inviável no momento por conta das locomotivas e trens de carga terem larguras variáveis, algumas superiores ao gabarito máximo adotado pela CPTM (que é de 3,05 m de largura). Somente com a segregação de cargas que a CPTM poderá aproximar trens e plataformas.

          Os trens Budd Mafersa contavam com um estribo menor e ficavam mais distantes das plataformas, ocasionando um número maior de quedas. A instalação de estribos maiores neles era inviável por n fatores (falta de recursos da RFFSA, tempo de instalação, baixa disponibilidade de toda a frota, corte de custos de reforma em trens antigos, etc) e o estribo acabou adotado em outras frotas por praticidade (é mais fácil incluir o estribo dentro do projeto de trens novos ou quando existem recursos para reformas mais amplas).

          Reclamar do estribo maior pra que? Um equipamento que diminui acidentes deve ser mantido.

  1. A mudança da comunicação visual em Palmeiras – Barra Funda é muito necessária. A atual é muito antiga e foge dos padrões atuais da CPTM. Toda vez que passo lá e preciso fazer baldeação fico perdido kkk.

Comments are closed.

Previous Post

Metrô relança licitação de “naming rights” da estação Penha

Next Post

Metrô inicia concretagem da laje de fundo do VSE Falchi Gianini

Related Posts