CPTM inaugura ligação entre a estação da Luz e a Sala São Paulo

“Boulevard” conta com 210 metros de extensão, escada rolante e elevador e está localizado na plataforma 1 da centenária estação
Boulevard custou R$ 11,2 milhões (GESP)

O governador João Doria (PSDB) entregou nesta manhã de terça-feira (29) o Boulevard João Carlos Martins, uma ligação entre a estação da Luz e a Sala São Paulo. Com extensão de 210 metros, a passagem coberta por vidros pretende facilitar o acesso ao famoso equipamento de cultura.

O projeto teve um investimento de R$ 11,2 milhões que incluiu escada e elevador além de uma passarela provisória de acesso à Rua José Paulino. O nome de batismo é uma homenagem ao pianista, um dos músicos que se apresenta na Sala São Paulo.

O acesso à atração cultural é feita pela Plataforma 1 da CPTM, de onde é possível seguir pelo boulevard e chegar à área de estacionamento da Sala São Paulo. No caminho de volta, o passageiro precisará passar pelos bloqueios instalados antes do boulevard – é preciso ter o bilhete consigo já que não existe bilheteria no local.

O funcionamento do boulevard será das 7h às 23h30, de segunda a sexta-feira, inclusive feriados. Aos finais de semana, o espaço ficará aberto até o último espetáculo, limitado ao horário das 23h30.

Sem ligação entre as estações Luz e Júlio Prestes

O projeto de ligação com a Sala São Paulo existe há cerca de 20 anos, explicou Marcos Mendonça, que ocupou o cargo de secretário da Cultura quando o equipamento público foi criado.

Durante a sessão de perguntas dos jornalistas, houve uma questão sobre o túnel entre as estações Luz e Júlio Prestes, onde está a Sala São Paulo. O secretário dos Transportes Metropolitanos, Paulo Galli, no entanto, explicou que o projeto se refere a um novo túnel de ligação entre a centenária Luz e a estação homônima da Linha 4-Amarela do Metrô.

Galli, por outro lado, não comentou sobre a possibilidade de conexão entre Luz e Júlio Prestes, que recebe apenas a Linha 8-Diamante e é extremamente subutilizada. Essa proposta já foi considerada por gestões anteriores, mas nunca levada à frente até hoje.

Total
16
Shares
8 comments
  1. Surgida em maio de 1992 e prestes a complementar 30 anos, a CPTM evoluiu muito pouco durante este período, praticamente não se expandiu e se manteve estagnada, exceto a ociosa linha-13 Jade e nem existem os trens intercidades, este “Boulevard” é de utilização para poucos.
    Se a estação Júlio Prestes hoje se encontra extremamente subutilizada é porque os planejadores não tiveram a sensibilidade de visualizar que esta estação terminal, só têm condições de receber composições provenientes de Barra Funda / Água Branca, inclusive os planejados trens regionais procedentes de Campinas, Sorocaba, entre outras cidades do interior, e linha 7 procedente de Francisco Morato, for para usar como terminal, porque não se transferiu a linha 7 para Júlio Prestes que fica próxima e esta subutilizada, uma passagem subterrânea poderia interligar estas duas estações com distância semelhante a percorrida pelos usuários do Serviço-710 até a estação da linha 3 do metro no Brás podendo os usuários terem acesso as linhas 1 e 4 do metro na Luz ?

    1. Na verdade não é uma distância semelhante, entre a ponta das plataformas da cptm até a do metrô na estação Brás tem 240m aproximadamente, entre Júlio Prestes e Luz tem 500m só entre a pontas das plataformas da cptm, se for analisar a distância entre Júlio Prestes e a platsforma da L1 na Luz tem 820m, não é uma ligação viável como vocês dizem pensar, é uma distância muito longa pra ser considerada uma ligação

  2. Seria melhor se tivesse uma integração entre a estação Luz e Júlio Prestes para que alguém que viesse da linha 8 tivesse acesso ao metrô e outras linhas da CPTM. Isto sim seria melhor ao interesse público.

  3. Fazer a ligação da estação da luz antes de fazer a ligação da estação Júlio Prestes mostra o elitismo do Gov do PSDB. Favorecem primeiro a elite que frequenta a sala SP, antes de favorecerem os trabalhadores usuários do sistema.

    1. Que elite amado? Elite não utiliza trem, qual o sentido disso? A Júlio prestes está muito longe da luz, não é uma distância pequena como vocês insistem em dizer, a L8 não precisa de uma conexão com a luz uma vez que tem a L7 e futuramente a L11 na barra funda fazendo o trabalho de ligação, não existe demanda nem espaço suficiente de ligação entre ambas as estações, ninguém caminharia 820m entre a L8 e L1 só pra não pegar a L3/L7 que faria o percurso muito mais rapidamente

Comments are closed.

Previous Post

Acciona já executa limpeza e recuperação de equipamentos nos poços da Linha 6-Laranja

Next Post

Metrô avança na construção do “track switch” em Jardim Colonial

Related Posts