Na última sexta-feira (29), a CPTM entregou mais dois trens da Série 8500 para a Linha 11-Coral. Com isso, 44 unidades de 65 trens encomendados estão em operação nas linhas 7, 13 e a já citada 11. Ou seja, CAF e Rotem, suas fabricantes, concluíram em conjunto dois terços das entregas o que significa que faltam 21 composições para completar as entregas.

Como o governo promete colocar esses trens em funcionamento até o final do ano teremos então uma média mensal de entregas de 3,5 trens. Embora a empresa esteja conseguindo acelerar as entregas é uma meta que pode não ser atingida caso surja algum imprevisto.

O gargalo está com a empresa sul-coreana Rotem. Dos 21 trens nada menos que 15 são dela ou metade da encomenda. A fabricante tem sofrido para entregar o prometido desde que sua parceira nacional IESA saiu do negócio. Foi preciso erguer uma fábrica no interior de São Paulo para finalizar os trens fabricados na Coreia do Sul e mesmo assim houve um atraso muito grande afinal eles deveriam ter sido entregues há meses.

Hoje os 44 trens estão divididos em 23 unidades na Linha 7-Rubi, 18 na Linha 11-Coral e três na Linha 13-Jade, que os utiliza enquanto seus trens não são entregues. A nova frota permitiu, por exemplo, que os velhos trens da Série 1100 fossem aposentados recentemente, algo que deve ocorrer em breve com as Séries 1700 e 4400 entre outras encerrando assim a era dos trens sem ar-condicionado.

A chegada das novas séries também permitiu um remanejamento importante na rede. A Linha 10-Turquesa, por exemplo, recebeu oito unidades da Série 7500 liberadas pela Linha 9-Esmeralda que, por sua vez, foi reforçada com a Série 7000 de outras linhas. A ideia é que a Série 8500 fique em sua maior parte na Linha 11-Coral enquanto a Série 9500 seja padrão na Linha 7, com algumas unidades sendo alocadas na Linha 10 a fim de retirar os desgastados trens espanhóis da Série 2100 de circulação.

Trem da Série 9500: faltam 15 unidades a serem entregues (CPTM)