A CPTM confirmou a chegada de mais dois trens da Série 2500 ao Brasil neste sábado, 09 de novembro. As composições, fabricadas pelo consórcio CRRC-Sifang Temoinsa na China, desembarcam no porto de Santos e de lá seguirão por carretas até o Pátio Presidente Altino, em Osasco onde passarão por testes antes de entrarem em serviço.

Em nota, a companhia voltou a afirmar que o primeiro dos trens, que foi entregue em setembro, começará a prestar serviço em dezembro na Linha 13-Jade: “O primeiro trem está respondendo bem a todos os testes e a previsão é que até o fim deste ano entre em operação comercial”, afirmou o presidente da CPTM, Pedro Moro.

Em declarações anteriores, o governo informou que todos os oito trens da encomenda serão entregues ainda em 2019 – ainda faltam cinco unidades a serem enviadas. Adquiridos pelo preço de R$ 316,7 milhões em janeiro de 2017, os trens da Série 2500 são os primeiros da CPTM a serem fabricados novos no exterior. Até então, as fabricantes CAF, Siemens e Rotem montaram as composições em unidades do Brasil, uma exigência de contratos anteriores.

Ao contrário dos atuais trens, a Série 2500 foi concebida com bagageiros sobre os assentos e nas passagens entre os vagões a fim de facilitar o transporte de malas por passageiros oriundos de voos do Aeroporto de Guarulhos, que fica nas proximidades do ramal. A CRRC também introduziu algumas novidades como o painel dinâmico com o mapa da estações sobre as portas e botões de abertura individuais destas, um recurso que a CPTM não deverá utilizar, a princípio.

As novidades do novo trem da CPTM: bagageiros para malas volumosas (esquerda), mapa de estações digital e os botões de abertura de portas (círculo amarelo) | CRRC

People Mover atrasado

Com os novos trens da Série 2500 espera-se que o intervalo da Linha 13 enfim seja reduzido a níveis mais atraentes. Hoje os trens partem a cada 20 minutos, uma eternidade mesmo para os padrões da CPTM. No projeto do ramal, a previsão é que o intervalo seja de oito minutos no futuro. Por essa razão, a linha segue subutilizada com apenas 380 mil pessoas sendo transportadas mensalmente, quando poderia em tese transportar mais de 2 milhões de passageiros.

Considerada pelo governo como uma forma de acesso ao aeroporto, a Linha 13 não tem atraído muitos usuários, parte por conta do desconhecimento, mas também pelo fato de ser preciso usar um ônibus gratuito da GRU Airport para chegar aos terminais a partir da estação Aeroporto Guarulhos.

Para solucionar esse problema, a gestão Doria costurou um acordo entre o governo federal e a concessionária do aeroporto para que seja construído o prometido “People Mover”, um sistema de transporte leve que fará a conexão entre os terminais e a estação da CPTM em até seis minutos. No entanto, o projeto e a construção cabem à GRU Airport que ainda conversa com possíveis fornecedoras interessadas.

Em recente declaração à TV Globo, a GRU afirmou que a ANAC, agência de aviação civil, pediu mais tempo para envio de propostas. Seis meses atrás, o governador João Doria previu que a construção do People Mover começaria em setembro com entrega prevista para maio de 2021.

Projeto de estação do People Mover do aeroporto de Guarulhos (ARUP)