Dona do prédio mais alto de SP fica com terreno onde está a sede do Sindicato dos Metroviários

Construtora Porte tem lançado vários empreendimentos de vulto na Zona Leste como o Platina 220, um edifício misto com 171 metros de altura e que está em finalização. Terreno do Metrô recebeu oferta de R$ 14,4 milhões
Sede do Sindicato dos Metroviários (Google)

O terreno de 2.180 metros quadrados localizado na rua Serra do Japi, na região do Tatuapé, foi arrematado nesta sexta-feira, 28, pela UNI SPE, empresa ligada à construtora Porte, que ofereceu R$ 14,4 milhões pelo imóvel pertencente ao Metrô de São Paulo.

Seria um leilão como qualquer outro em que a companhia tem buscado recursos para reduzir suas dívidas, mas a área em questão é ocupada pela sede do Sindicato dos Metroviários desde a década de 80.

A entidade utiliza o terreno cedido pelo Metrô onde construiu um edifício de três pavimentos cujo investimento não será reembolsado. O sindicato tentou impugnar o leilão, lançado no final de abril, mas a companhia negou os argumentos.

De acordo com o Sindicato dos Metroviários, o contrato de comodato venceria em outubro de 2021 e que o leilão teria sido lançado como uma reação ao movimento que pleiteia uma série de reinvidicações da categoria e que culminou com a greve de um dia no Metrô na semana passada.

O imóvel está registrado no nome do Metrô, mas o sindicato diz arcar com o IPTU anual, de R$ 189 mil. A companhia avisou a entidade que será necessário deixar o local em até 60 dias caso o leilão tivesse sucesso.

Terreno leiloado pelo Metrô

Prédio mais alto de São Paulo

A construtora Porte tem se destacado na região pelos vultosos lançamentos de empreendimentos nos últimos anos. A empresa criou o chamado “Eixo Platina”, com diversos edifícios localizados em paralelo com a Radial Leste.

Entre eles está o Platina 220, um projeto de uso misto e que passou a ser o prédio mais alto de São Paulo, com 171 metros de altura (um a mais do que o Mirante do Vale, no centro da cidade).

A área fica ao lado da Radial Leste e a cerca de 600 metros da estação Tatuapé da Linha 3-Vermelha. Com 2,2 mil m², ela equivale a um terço da área ocupada pelo Platina 220, o que sugere que a empresa deverá investir em outros imóveis no entorno para viabilizar um futuro lançamento.

O Metrô também tentou leiloar outro terreno frente ao sindicato, com 514 m², mas as propostas não atingiram o mínimo previsto no edital.

Total
54
Shares
38 comments
  1. Lastimável para os trabalhadores do Metrô de São Paulo. A classe trabalhadora que acha bonito, retrata bem o brasileiro que não luta por nada, nem por menos impostos, nem por salários decentes, nem pelo fim da corrupção. Sempre luta do lado errado, senpre apoia políticos que os roubam, ou aumentam os próprios salários. A perda da sede dos Sindicato doa Metroviários mostra como os patrões enxergam seus empregados, e com vontade acabar com eles.

    Todo investimento gasto no terreno deveria ser reembolsado, para que se construam uma nova sede.

    Fica mais uma lição… depender dos outros nos deixa sujeito a tomar esses tipos de rasteiras.

    1. Exatamente. Pobre de direita e trabalhador que fica contra trabalhador é o que vem destruindo este país.

      1. Pobre de direita e piada né , em plena pandemia, empresas falindo, salários achatados, desemprego recorde, e a casta de funcionários públicos, fazendo a população de idiota, fazendo sofrer a população , empresa estatal e isso, são castas de privilégios privatização já, quer sede de sindicato, compre um terreno seus lixos!

        1. A casta do funcionalismo público é o judiciário e legislativo. Sabe quanto custa a alesp? Sabe quanto recebe um juiz , procurador, desembargador, promotor ou defensor público? Sabia que esse povo tem 2 férias ao ano, auxílio paletó, auxílio livro, auxílio moradia e agora na pandemia tem até auxílio internet?

          E sobre as privatizações, sabe quanto custa a concessão? Você sabe que os diretores da CCR sao os mesmos que tem cargos comissionados nos governos do PSDB? Que tem diretor acusado no trensalao que pediu demissão da CPTM e ganhou cargo na CCR barcas do RJ? Que enquanto a diretoria tem altos salários, ppr gordo, a base é explorada e tem baixos salários?

          Se informa um pouco melhor. Se vc é do povo, deveria estar do lado povo. Pode ter certeza que os culpados de tudo isso q vc citou não sao os metroviários nem nenhuma categoria de trabalhador, mas justamente a elite econômica qie vc defende com a sua vida.

        2. Sergio é o tipico trouxa que apoia politicos lixo como os do PSDB e o bostanauro…..então tem mais é que comer merda mesmo

        3. Sérgio, vc deve preferir uma sede de milícia, milhões em leite condensado, outros milhões pra mansão em Brasília, uma loja de chocolates, lucros recordes com venda superfaturada de imóveis na zona sul do Rio de Janeiro e com venda de carros usados, rachadinhas e ainda se negar a comprar vacinas e dar auxílio emergencial em plena pandemia alegando não ter verba né?

    2. Interessante a relação do Metrô com as grandes construtoras.
      O Metrô, na obra de expansão da linha 2Verde, invadiu a praça Mauro Broco e o parque linear Rapadura, privou a população local de ocupar um importante espaço verde na região e desapropriou o CDC Jardim Têxtil onde funcionava o Campo do Rádio, um antigo e bem sucedido projeto de esporte popular com escola de futebol e campeonatos da liga de futebol amador de SÃO Paulo.
      O Metrô que até a data se hoje ainda não tem a documentação regularizada para ocupar aquele espaço, mentiu para nas mídias sociais afirmando que tinha essas autorizações. Atacou o povo humilde da zona leste que fez a denúncia dessa ocupação ilegal para o ministério público chamando os moradores do Jardim Têxtil de elitistas, militantes políticos, pessoas contra o progresso e até mesmo de NIMBY , um acrônimo muito utilizado pelos verdadeiros donos da cidade, gente rica acostumada a viagens internacionais e que não ligam para pobres moradores da zona leste de São Paulo. Também depreciou a praça Mauro Broco chamando o local de espaço abandonado, degradado e biqueira de fumo.
      O curioso dessa ganância do Metrô pelo espaço público é que há uma opção bem ao lado da Praça Mauro Broco. Um gigantesco terreno abandonado há anos. Mas, parece os verdadeiros donos da cidade reservaram esse terreno para especulações imobiliárias e esperam um retorno lucrativo dele.

    3. Ué mas os patrões dos metroviários são os mais de 45 milhões de paulistas. E a maioria elegeu o governo que está aí e decidiu não renovar o empréstimo.

      Se a sociedade (por meio dos seus representantes eleitos democraticamente) decidiu não emprestar mais uma área pública ao sindicato, cabe ao sindicato procurar outra área ao invés de ficar reclamando atoa.

      Ou será que os metroviários estão contra o povo paulista?

  2. É Tá chegando o fim dos sindicatos que só ferram os trabalhadores e os seus sindicalizados

    1. O sindicato dos metroviários é um dos mais combativos, trouxe várias vitórias aos trabalhadores, mas quem é alienado não faz questão de aceitar essa verdade

      1. As greves dos metroviarios sempre trouxeram sofrimentos terríveis à uma população tão sofrida. Eu mesma, já precisei caminhar da estação Saúde até a Vergueiro durante as várias paralisações, porque não podia faltar ao trabalho e não tinha como entrar em ônibus lotado. Acredito que a privatização seja a melhor opção, torço para isso. Não dá mais para ficar refém de uma categoria que já tem bons salarios, além de outras vantagens.

    2. Assalariado pedir fim dos Sindicatos é o cúmulo da ignorância e subserviência.

      O patrão que te paga mixaria, lhe aplaude de pé!

      Depois não reclame que o salário não paga o básico, e não tem ninguém pra lutar por você. Depender do patrão, o empregado teria direito a pão e água.

  3. Só de saber que esse bando de chupins sindicalistas se deram mal já valeu o dia, só não será melhor que o dia que privatizarem o Metrô.

    1. Porque vc não pede pra privatizar os políticos que ganham gordos salários e mordomias ? Você foi a favor do falecido Bruno covas aumentar seu próprio salário e de seus secretários em quase 50% em plena pandemia ? Fique sabendo que o transporte público deveria ser de graça e na hora que for privatizado vc e sua família vai pagar o valor que eles quiserem !

  4. O governo do estado novamente perseguindo os trabalhadores no seu direito de reivindicar melhores condições de vida. Já tiraram parte dos direitos trabalhistas, previdenciário, os ricos cada vez mais ricos e a pobreza aumentando, depois reclama da violência, falta de empregos, assistência médica. Os metroviarios são uma categoria de luta e vão saber superar mais esta injustiça, Força trabalhadores do Brasil.

  5. Tem um velho ditado que diz , ruim com sindicato, pior sem ele.

    Ver trabalhador contra trabalhador mostra nível baixíssimo em que está a sociedade brasileira. Depois não venham reclamar que político é corrupto, que o salário não dá nem pro supermercado , que a violência está alta, e tudo mais.

  6. No governo do PSDB esperar mais oque?
    O desmonte praticado por este governo (CPTM/METRÔ)
    Agora que países europeus estão “indenizando” os países que foram “massacrados” de forma indiscriminada quem sabe se novos ventos se direcionam p/ este Brasil principalmente está cidade onde outrora foi chamada de locomotiva do país, principalmente pelo Metrô cuja contribuição de seus empregados se fez história

  7. Não sei bem pra que serve esse “espaço”
    Se fala mal do governo é censurado ( agora inventaram um nome “novo” moderador)
    Se crítica o PSDB (idem)
    Fica difícil expor um “pensamento” ( depois as mesmas pessoas estão pregando sobre “liberdade de expressão”)

  8. Rapaz, esse Ivo sempre destilando seu ódio contra a categoria trabalhadora do metrô e da cptm.

    Os representantes do povo em suma é a assembléia legislativa, e não o governador. Passou pela alesp a venda dessa área? Foi feito plebiscito? Então não é uma decisão tomada pela sociedade.

    Aliás, o povo é muito mais patrão do seu governador do que dos metroviários, que sao funcionários de uma empresa que tem autonomia (ou deveria ter) . E pelos índices de popularidade, seu governador não está tomando decisões que representam a sociedade

    1. Vivemos em uma democracia onde o povo elege representantes para os poderes executivo e legislativo. E esses representantes foram eleitos para tomar decisões em nome da vontade do povo manifestada nas urnas. Se cada decisão dos poderes executivo e legislativo passasse por plebiscitos, o estado seria ingovernável.

      O sindicato dos metroviários, controlado por um partido político minúsculo e fanático, usa da categoria a qual representa para defender seus anseios partidários/ideológicos. Desde a década de 2000 que o sindicato não atende mais aos interesses dos trabalhadores do metrô. Tanto que sua representatividade na categoria é baixa, com poucos filiados participantes. Em nome de um projeto partidário, o sindicato joga a categoria contra o governo do estado e outras categorias sindicais (os “metroviários” já atacaram os metalúrgicos de Hortolândia, São Paulo e Araraquara e os ferroviários da Sorocabana em Santos, por exemplo). Um sindicato responsável não vive de benesses da sociedade ou de atacar outras categorias de trabalhadores.

      A Companhia do Metropolitano é uma empresa cujo maior acionista é o povo de São Paulo, com mais de 99% de suas ações. É uma empresa que visa atender ao interesse dos seus acionistas.

      Será que emprestar uma área do povo para um minúsculo sindicato dominado por um partido fanático é do interesse da sociedade? Por ser uma área passível de venda ou locação, a Cia. do Metropolitano fez estudos e concluiu pela venda. Com a venda, os recursos serão empregados para a manutenção da própria companhia. O sindicato poderia ter participado do leilão da área, poderia ter oferecido pagar aluguel ao Metrô desde 1987, poderia ter uma sede própria mas não o fez (acreditando que viveria de benesses da sociedade).

      Áreas do estado são cedidas à título precário por até 99 anos para pessoas em vulnerabilidade social ou para entidades assistenciais sem fins lucrativos. O sindicato não se enquadra em nenhuma categoria legal para usar gratuitamente de uma área pública.

      1. Paulinho da força fundou o sd. O juruna é do pdt. O dória presidente e criador do lide é do PSDB. Skaf presidente da FIESP já rodou varios partidos. O fato do altino ser membro do pstu não desqualifica a luta dos metroviários, até porque se assim fosse, nenhum sindicato de trabalhadores ou patronal, ou entidade de classe , associação , etc, poderia ser levada a sério visto que sao atividades naturalmente ligadas a política.

        O executivo não é dono do estado. O representante do povo é o legislativo, pois tem o poder de uma assembleia e de fiscalizar o poder executivo. Então se não passou pela assembléia legislativa, não passou pela “vontade do povo”, como vc citou. Se o metrô, pertencente ao poder executivo e uma empresa independente a ponto de tomar decisões como essa de forma independente, sem aval do estado, então sua justificativa de “vontade da sociedade” cai por terra.

        Sobre a venda do terreno, a ideia é muito mais enfraquecer o sindicato que angariar fundos. Até porque se o estado estivesse preocupado em angariar fundos, criairia uma outra forma de subsidiar o transporte público, como ocorre em outros paises. Vender estes terrenos, fazer naming rights, só tapa o buraco. Ano q vem a conta vai cobrar de novo, e ai, vai vender o que?

    2. O Ivo sempre foi assim, por ele todos os trabalhadores seriam escravos trabalhando em troca de um prato de comida. O bisavô deles devia ter alguns escravos na senzala e ainda sentem falta disso até hoje!

  9. Não defendo governo algum pois sabemos como são, e não defendo sindicatos, pois estão cheios de ideologistas infiltrados.
    Já pararam pra pensar que essa briga entre patrão e sindicato não passam de um grande teatro?
    E que nos bastidores são todos “parça”?

    Agora quem disse que o povo é patrão de governador?
    O patrão desses políticos são os seus patrocinadores de campanha e não o povo que não deram um centavo para eles.
    Aí vem gente e me pergunta:
    “Mas e o voto do cidadão?”
    E quem disse que as pessoas votam de livre e espontânea vontade?
    Já ouviram falar em manipulação e lavagem cerebral?
    Para quê vocês acham que servem os institutos Ibope e Datafolha?
    Apenas para pesquisas ou para também formar opinião pública?
    E a urna eletrônica, é segura?
    Só apresenta o comprovante de votação e não o comprovante em quem você votou.
    Afinal a nota fiscal comprova que você comprou e o quê comprou!

      1. Totalmente… esse povo da direita viaja! Finge que acha patrão e sindicato aliados, mas o discurso dele foi totalmente pró-patrão! Pior, ele veio do nada meter urna eletrônica na discussão! Patético!

  10. Errou Robson!
    Eu apenas uso o cérebro questionando o por quê das coisas.
    Só um tolo acredita piamente em tudo no que a televisão fala.
    Acha mesmo que o mundinho em que vivemos é do jeito que te contaram na escola?
    E que as notícias dos telejornais são confiáveis e imparciais?

    Assista os canais no YouTube dos professores Ricardo Felício e Luiz Antônio Peixoto Valle para compreender um pouco.

    1. kkkk, claro, o que esses dois sujeitos youtubers falam é a verdade absoluta da Terra plana, kkkkkk

  11. Pelos comentarios lunaticos, parece que o Metro / Governo fecharam para sempre o sindicato, o que nao condiz com a verdade. Eu nao entendi pq tanto drama, sempre foram publicos de quem era a posse do terreno e as pretensoes do Metro.

  12. Esses sujeitos são nada mais que:

    Professor Luiz Antônio Peixoto Valle – Especialista em geopolítica estratégica.
    Possui grande e sólida experiência na administração de conflitos, notadamente em empresas de controle familiar, bem como na reestruturação de empresas em dificuldades e/ou projetos de expansão de empresa. Professor durante 13 (treze) anos no MBA da FGV/RJ, tendo ministrado aulas também no IBMEC/RJ.

    Professor Ricardo Augusto Felício – Graduado em ciências atmosféricas pela USP.
    Mestre em meteorologia pelo INPE e doutor em Geografia Física pela USP.

    Ao menos vai analisar o que esses dois professores estão apresentando antes de ser um patético falador de idéias precipitadas sobre quem não concorda com o que a mídia anda dizendo.

    NÃO sou direitista, esquerdista, anarquista e muito menos terra planista.
    Sou apenas um cara moderado sem paixões partidárias e ideológicas.

    Os partidos estão aí para defender o interesse deles e daqueles que patrocinam suas campanhas, usando o povo como massa de manobra.

    Embate de Direita e Esquerda é teatro pra entreter alienados.
    Direita e Esquerda são asas do mesmo pássaro.

    E os fatos estão aí:

    Lula apoiou a campanha de FHC ao senado em 1978;

    FHC apoiou a campanha de Lula á presidência em 1989;

    E agora FHC disse que votaria em Lula nas eleições do ano que vem.

    Caiam na real, quase todos os políticos não valem nada. Mesmo quando aqueles pouquíssimos políticos bem intencionados querem fazer alguma coisa, são esmagados pela maioria corrupta.

    Existe uma regra para um bem intencionado no meio deles:
    “Nos apoie e ganhará também;
    Se não quiser nos apoiar omita-se;
    Mas se nos oporem te destruiremos.”

    Agora se quiser acreditar no mundinho colorido que te contam por de trás de uma bancada de telejornal patrocinado por empresas transnacionais o direito é seu.

Comments are closed.

Previous Post

29 anos de CPTM: A importância e o futuro da companhia

Next Post

CPTM rescinde contrato de manutenção de trens da Série 3000 com a Alstom

Related Posts