É possível inaugurar a estação Jardim Colonial da Linha 15-Prata dentro de um ano?

Metrô afirma que obra será concluída ainda no primeiro semestre de 2021, acrescentando quase 2 km ao ramal de monotrilho
Estação Jardim Colonial em junho de 2020: inauguração dentro de um ano (CMSP)

Se conseguir cumprir sua promessa, o Metrô de São Paulo poderá levar apenas dois anos para construir uma estação de monotrilho. É essa a expectativa a respeito das obras da estação Jardim Colonial, 11ª da Linha 15-Prata e que teve os trabalhos iniciados no final de maio do ano passado. Nesta sexta-feira, o presidente da companhia, Silvani Pereira, afirmou em rede social que os planos são de abrir a nova parada dentro de no máximo um ano: “Primeiro semestre de 2021“, afirmou o executivo ao ser questionado sobre o prazo de inauguração.

De fato, os trabalhos evoluem em bom ritmo, como mostram as imagens aéreas deste post, que mostram a nova estação nesta semana. Nelas é possível conferir que o piso das plataformas está praticamente finalizado em sua obra bruta, as seis vigas-trilhos, já posicionadas enquanto suportes preparam a concretagem do mezanino, onde ficarão a bilheteria e os bloqueios. Os dois acessos laterais também já possuem várias colunas concretadas e devem ser finalizados em poucos meses.

O estágio avançado da estação Jardim Colonial confirma algo que os sucessivos problemas de implantação do monotrilho haviam encobrido, o de que a construção desse tipo de modal é realmente mais veloz do que um metrô convencional. Como é dito repetidamente por este site, até hoje as deficiências relacionadas à Linha 15 têm muito mais a ver com erros de planejamento, execução falha e também um componente desprezado pelas gestões que o lançaram, a necessidade de se ganhar conhecimento com esse tipo de construção.

Para comprovar essa tese, basta lembrar da implantação da estação Oratório, a primeira de monotrilho a ser finalizada. Suas obras foram iniciadas em outubro de 2010 e só concluídas meses antes da abertura da linha, em agosto de 2014.

A ironia é que agora que o Metrô está ganhando experiência com o monotrilho, esse modal parece um tanto fora de questão em projetos futuros. A Linha 15 parece garantida entre Ipiranga e Cidade Tiradentes enquanto a Linha 17-Ouro talvez até avance um dia após a primeira fase. No entanto, o projeto original, entre as estações Jabaquara e São Paulo-Morumbi será de difícil implementação. O terceiro monotrilho de São Paulo, por sua vez, a Linha 18, foi descartado no ano passado pela atual gestão.

Apesar do panorama positivo, os futuros usuários de Jardim Colonial devem conter o otimismo. Para operar na nova estação, será preciso mais do que finalizá-la. Além dessa obra, há também os sistemmas e a necessidade de expandir vias no sentido Cidade Tiradentes para permitir a construção do aparelho de mudança de vias, caso contrário não haverá como os trens retornarem na via sentido Vila Prudente. Esses trabalhos estão a cargo do consórcio CEML, que reúne as construtoras OAS e Queiroz Galvão assim como a Bombardier, fabricante do monotrilho e que, como vimos, fizeram um papelão com a Linha 15-Prata nos últimos meses ao obrigar o Metrô a suspender a operação por mais de três meses.

Obras foram começadas há pouco mais de um ano (CMSP)
Total
32
Shares
7 comments
  1. Olá, bom dia. Só passando pra dizer que no final do texto vocês escreveram Jardim Planalto no lugar de Jardim Colonial. Aproveito para parabenizar o trabalho de vocês, sempre acompanho o site, e é ótimo 🙂

    1. Olha, Mauricio, vou entrar com uma petição pública para o Metrô parar de batizar estações com “Vila ABC” e “Jardim XYZ”…isso vive me fazendo confundir os nomes…outro dia chamei Jardim Planalto de Vila Planalto…rs

      Brincadeira, valeu pelo aviso e pela audiência, abraços!

  2. Também espero que a extensão até o Ipiranga inicie rapidamente, será de suma importância para a Linha, que por “tabela” também gerará efeitos muito positivos nas Linhas 2(verde) e 10(turquesa)

  3. Uma dúvida: se a Linha 15 eventualmente chegar em Cidade Tiradentes, os trens que ela já tem englobarão a linha toda, ou será necessário uma nova compra?

    1. Precisaria de um aditivo com a Bombardier. Lembro que na época do lançamento falavam em 40 ou 50 trens pra atender todo o trecho, hoje existem cerca de 25 a disposição. (Números não exatos kk)

  4. Apenas lembrando que as vigas que ligam São Mateus a Jardim Colonial estavam absolutamente prontas, faltando apenas detalhes. O planejamento foi tão absurdo que conceberam as estações até São Mateus e Jardim Colonial tinha ficado de fora. O governo percebeu, e hoje a breve última estação será concluída rapidamente. Agora, é preciso alargar a Mateo Bei para avançar. Mas seria o ideal já avançarem rumo a Ipiranga, para não sobrecarregar os trens da linha 2.

    1. Realmente. Mas acho que o principal problema, é a estação da linha 10, já que ela vai ser reconstruída (ou reformada).

Comments are closed.

Previous Post

Metrô contrata estudo para rebatizar nomes de estações com patrocínio de empresas

Next Post

Nova estação Francisco Morato será enorme contraste com infraestrutura precária da Linha 7

Related Posts