Linha 2-Verde retoma operação normal entre as estações Clínicas e Vila Madalena

Trabalhos de instalação das portas de plataformas terminam antes e Metrô volta a operar nas duas plataformas a partir desta segunda-feira (22)
Plataforma na estação Vila Madalena recebe reforço para receber as portas de plataforma

O Metrô retomou a operação normal na Linha 2-Verde entre as estações Clínicas e Vila Madalena nesta segunda-feira, 22 de julho. A previsão era que o trecho fosse liberado apenas no dia 28, no próximo domingo, mas a companhia anunciou que “conseguiu concluir a instalação da estrutura física das portas de segurança na plataforma 2 da estação Vila Madalena antes do previsto, antecipando em uma semana a normalização da operação na linha”.

O trecho entre Clínicas e Vila Madalena, e que tem a estação Sumaré entre elas, estava operando com apenas uma plataforma desde o dia 6 para que os trabalhos de instalação das portas de plataforma (PSD) pudessem ser feitos mais rapidamente. A empresa aproveitou as férias escolares para acelerar os serviços – segundo o Metrô, nesse período apenas 38 mil passageiros seriam impactados.

Com a estrutura instalada, agora a empresa responsável pelas portas fará testes de sincronização com as portas dos trens na plataforma 2 de Vila Madalena. Já a plataforma 1 passará a receber as estruturas das portas sem que isso interfira no funcionamento da linha. A razão é que Vila Madalena só utiliza uma plataforma por ser estação terminal do ramal.

As portas de plataforma em Vila Madalena fazem parte do contrato de instalação do sistema CBTC com a empresa Alstom. Ela também fará esse serviço nas estações Barra Funda, Corinthians-Itaquera, Tucuruvi e Jabaquara, todas terminais de suas linhas. Na Linha Azul, a previsão é que isso ocorra no ano que vem enquanto a Linha Vermelha deve recebê-las no primeiro semestre de 2021.

Na Linha 2, apenas três das 14 estações têm PSDs (CMSP)

Ampliação de PSDs

Desde que as portas de plataforma começaram a ser usadas no Metrô, no início desta década, o número de estações que contam com o recurso de segurança tem crescido. Além da Linha 4-Amarela e da Linha 15-Prata, que possuem PSDs em toda a sua extensão desde sua abertura, as linhas 2, 3 e 5 também contam com elas em algumas estações. A Linha Verde possui hoje outras três estações com as PSDs, justamente as últimas a serem abertas.

A Linha Lilás deveria ter sido aberta em sua segunda fase com as portas, porém, a Bombardier atrasou o projeto e hoje apenas Adolfo Pinheiro, Brooklin e Santa Cruz operam com as PSDs. Mas os trabalhos têm avançado para outras paradas nos últimos meses.

No caso da linha Vermelha, apenas a estação Vila Matilde conta com o equipamento, fruto de um contrato já rescidido. Agora o Metrô prepara a instalação de portas de plataforma em 36 estações das linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. O contrato, assinado no mês passado, prevê que elas serão instaladas em até 4 anos e oito meses.

Total
19
Shares
2 comments
    1. Olha Ítalo, você tem razão em dois aspectos e está errado em outro. Realmente, tenho errado na hora de escrever o nome da estação Palmeiras-Barra Funda. Mas a razão é puramente falta de costume, talvez porque muita gente acabe usando apenas “Barra Funda”. O próprio governo e jornais acabam cometendo a mesma deselegância, veja: http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/ultimas-noticias/estacao-barra-funda-da-cptm-recebe-exposicao-sobre-adocao/.

      Peço desculpas e vou passar a citar o nome certo por uma questão de coerência. Ah, sim, você acertou, sou corinthiano, mas filho de mãe palmeirense…rs

Comments are closed.

Previous Post

Metrô de São Paulo lança 3ª edição do seu concurso de fotografia

Next Post

Afinal, o que define o que é um metrô?

Related Posts