Metrô e CPTM firmam convenio técnico e operacional

A parceria trará benefícios mútuos para as companhias que possuem décadas de experiência de operação e gestão
Parceria pode fortalecer as duas empresas (Jean Carlos/SP Sobre Trilhos)

Na sexta-feira (08), o Metrô de São Paulo e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos firmaram um convênio de Cooperação e Integração Técnico-Científica e Operacional. Tal parceria se justifica pelo fato de as empresas, que prestam serviços de transporte de passageiros por meio ferroviário, poderem se ajudar através da otimização de recursos, troca de experiências, elaboração de projetos e outros.

Desafios

A troca de experiências deveria ser uma premissa permanente entre as empresas irmãs, mas só agora essas intenções foram de fato oficializadas. O câmbio de informações tem tudo para trazer ao Metrô e à CPTM novos ares em uma série de setores. O Metrô pode contribuir enormemente para áreas como manutenção e projetos, pontos das quais ela se destaca. A CPTM hoje dá um exemplo no que se trata de estratégias operacionais e atendimento ao passageiro, principalmente nas suas estações de maior movimento.

Os exemplos não param por aí! Veja a lista de áreas que estão englobadas nessa parceria:

  • Organização e administração de empresa
  • Planejamento de transporte e desenvolvimento tecnológico
  • Projeto e construção
  • Implantação de novas linhas
  • Operação e manutenção do sistema
  • Integração dos serviço de transporte por trilhos
  • Administração de materiais
  • Fiscalização e controle
  • Segurança
  • Atendimento ao passageiro
  • Outras atividades correlatas
A manutenção do Metrô feita por pessoal próprio é referencia em qualidade (Jean Carlos/SP Sobre Trilhos)

Consequência

A cooperação terá um período de vigência de 60 meses (5 anos) e um valor estimado em R$ 24 milhões. Ela trará uma série de benefícios mútuos para ambas as empresas. A CPTM vem passando por grandes reformas administrativas, e futuramente terá que se provar, assim como o Metrô, uma empresa eficiente diante dos novos “players” (leia-se concessionárias) que estão chegando. A experiência de décadas da maioria dos profissionais que trabalha nesse setor pode ser decisiva para as grandes melhorias que estão por vir no sistema metroferroviário no futuro.

De certa forma, esse pode ser o primeiro passo de muitos que ainda virão. A expectativa é de que a cada dia o transporte sobre trilhos mais seja integrado e centralizado, tanto administrativamente como em capital intelectual.

Total
31
Shares
17 comments
  1. O texto inverte as coisas, não é a CPTM e o Metrô-SP que tem que provar ser uma empresa eficiente, até porque o próprio texto destaca suas experiências de décadas, e sim os “novos players” que tem de se provar tão competentes quanto essas duas empresas referências internacionais.
    Acredito também que já passou da hora de uma fusão entre as duas empresas.

  2. Faz um certo sentido essa inversão, já que sempre destacam as linhas privadas como “mais competentes* do que as linhas públicas (vide as linhas 4 e 5 contra as linhas 1, 2 e 3).

  3. Só pra informar a quem não é do meio e não informações
    As Concessionárias são Muito melhores para os usuários do que a CPTM e Metrô. Vide as pesquisas de opinião sobre o tema é não achismos pessoais

    Convênios iguais a este sempre existiram . A questão que sempre atrapalhou o desenvolvimento das atividades é que a CPTM nunca tem grana pra pagar pelos serviços que ela necessita.

    A área operacional citada como forte da CPTM está sendo conduzida, com grande competência , por engenheiros do Metrô que estão emprestados justamente para fazer acontecer medidas óbvias que o pessoal da CPTM não conseguiu fazer ao longo de muitos anos .

    1. Sem querer desmerecer os funcionarios de carreira, mas tanto o metro quanto a cptm sempre foram cabine de emprego para apadrinhados politicos

      1. Pois é, infelizmente o metrô de SP vem sendo usado como meio politico. Inaugura estações ou amplia a prestação de serviços em anos eleitorais, fora isto prática aumentos de tarifas absurdos, e não resolve as falhas do sistema, e o povo sofre com a superlotação cotidianamente.

  4. Concessionária é “melhor”, primeiro porque pegaram linhas modernas, segundo porque recebem um alto valor de subsídio para operarem. O governo que deveria investir no transporte público, investindo em desenvolvimento, tecnologia e principalmente no capital humano, prefere injetar esse dinheiro nas empresas privadas – entenda a CCR
    Enquanto as empresas privadas tem prioridade na câmara de compensação, metrô e CPTM recebem o que sobra, ficam na dependência de repasse do estado e se tornam deficitárias. E aos poucos o serviço público vai sendo sucateado e justificando as privatizações.
    Outro ponto importante nesse cenário é o tratamento aos trabalhadores. Cada dia mais precarizado e tratado como simples mão de obra, o governo tem por meta destruir as conquistas desses trabalhadores , pois para a elite econômica do qual o PSDB representa, não basta apenas ser elite, o trabalhador tem que ser quase escravo. Então o que vemos é um processo de terceirização e privatizações , onde os trabalhadores ganham baixíssimo salário, como na CCR, onde o plr de um diretor pode chegar a ser muito, mas muito maior q o de um empregado da linha de frente.
    Sempre tem aqueles que acham isso tudo certo e normal, mas essas pessoas esquecem isso não é desenvolvimento e reflete em toda sociedade, pois isso é vai de encontro com o capitalismo, onde se não há consumo, se não há poder de compra , a economia não gira e não cresce

  5. Luis, suas palavras demostram ignorância no assunto e desconhecimento do que é a CPTM, quanto ao dinheiro, vem tudo de uma msm caixa, o governo de SP, quanto a gestão da operação da Companhia, aqueles que vieram do Metrô, e que estão na gestão hj, herdaram todo este alinhamento já existente na CPTM daqueles que deixaram pronto e foram com seu conhecimento para a Via 4 Amarela e que hj ocupam cargos de gerência e presidência na CCR, tanto que o Metrô, como diz o texto, necessita deste Know-how, daqueles que vieram do Metrô para a CPTM, aprender muito do que sabem hoje sobre operação e atendimento.

  6. Caro AND
    Você está mal informado e com uma visão ideológica que prejudica as suas conclusões
    1 As concessionárias não recebem subsídio, elas recebem por passageiro transportado. A linha 4 recebe aproximadamente R$2,46 por passageiro transportado é a linha 5 R$1,50 . Antes que vc pergunte o porquê da diferença eu explico que na linha 4 açor investiu no material rodante de sistemas portanto recebe mais que a linha 5 que recebeu a linha completa.
    2 as Concessionárias recebem antes porque elas investiram em um negócio e tem que ter a garantia que vão receber pelo serviço prestado.você investiria o seu dinheiro em um negócio sem ter alguma certeza que vai receber ?
    3 Os empregados da concessionária recebem salários de mercado e são excelentes profissionais.A questão é que os empregados do Metrô, por força de anos e anos de acordos trabalhistas excelentes, a custa de muitas greves, ganham salários muito acima do mercado e cá pra nós, com honrosas exceções não tem um desempenho que justifique os salários e vantagens que tem.

    1. 1 – as concessionárias recebem subsídio sim , a partir do momento que há um valor mínimo a ser recebido, o que o governo chama de “saude financeira do contrato”. É um negócio de risco zero
      2 – quantos empresários no Brasil tem garantido retorno pelo governo? Quantos quebraram nessa pandemia justamente por falta de apoio do governo? Pois bem, as concessionárias tem retorno sobre investimentos mínimo 50% . Nas rodovias, o retorno sobre investimentos chega a mais de 80%. Não a toa a CCR é uma das maiores financiadoras do PSDB. Inclusive no Paraná já foi denunciada , aqui em SP nada
      3- não são os metroviários que ganham bem, sao os outros q ganham mal. E nem ganham tão bem assim. O salário de mercado q vc cita é baixíssimo. E o pior, é citar que sao excelentes profissionais e que ganham salários de fome como se fosse a coisa mais natural do mundo.

      Ah, antes que me esqueça, ideologia é só pros outros , né? Parece um tal presidente que enche a boca para falar em viés ideológico , e é o que mais implantou sua ideologia no governo …

  7. Podem firmarem o convênio que for, continuarão sendo péssimas.
    A única solução tanto para a CPTM quanto para o Metrô é “privatizar” nos moldes da linha 4 e linha 5.
    Afinal, se desde 1968 e 1995 não funcionam, não é com a injeção de mais dinheiro do contribuinte que o negócio irá andar. Infelizmente, no Brasil, aquilo que é Estatal (em especial no governo do estado de SP que há década é mal gerido pelo PSDB) é sinônimo de ineficiência, desperdício do erário público e más gestões.

  8. Quem utilizou em São Paulo os trens da CBTU até o final dos anos oitenta e hoje utiliza os trens da CPTM sabe da fantástica evolução na qualidade e eficiência que este sistema sobre trilhos viveu. Lembro-me de utilizar carros imundos, em péssimas condições (uma vez utilizei de um carro com um buraco por onde os passageiros viam os trilhos embaixo), sem ar condicionado e intervalos entre os carros quase eternos. A julgar pelo que o governo do estado tem feito há anos, com investimentos em todo o sistema, dos carros às estações, não há do que reclamar, pois a melhoria é contínua a tal ponto que há linhas da CPTM com qualidade no transporte similar ao que chamamos de metrô. Pelo mundo, nossas linhas da CPTM seriam normalmente chamadas de metrô. Por falar em metro, até Tóquio concedeu algumas de suas linhas à iniciativa privada e isto ocorre em todo o mundo. O que o governo do estado tem feito nas últimas décadas em SP com a CPTM não é para reclamar. Há sim o que melhorar (sempre há), mas vemos que ano a ano o sistema passa por melhorias. Tem quem veja sempre a metade vazia do copo, mas neste caso, o copo já está mais do que cheio.

  9. Eu tenho um certo tempo de vida e posso dizer a TODOS se compararmos a empresa CBTU com a empresa CPTM hoje não a comparação 90% de diferença só não dou 100 % por dois motivos, algumas estações está em péssima situação. Como a de Itaquaquecetuba a de aracare eu vejo ela como histórica só precisa de melhorias e preserva lá . O outro ponto é o valor na CBTU a passagem era 1/4 da passagem do ônibus urbano do municipio de São Paulo, hoje é muito caro. Para aqueles democráticos já antecipo mas o conforto custa, eu concordo mas a quantidade faz diferença, a muitos usuários de arrecada muito, certo. Outra coisa o descanso que o governo fez com as composições latão como são conhecidos. Estes trens chegarão rondando p o pátio e descartou como lixo.
    Poderia ser aproveitados p outras finalidades. E tenho várias fotos dessa mutação do que serviu e poderia servir a população.

  10. Caro colega Marcus, acredita mesmo que as linhas privadas são mais eficientes que o Metrô público, vale ressaltar que a CCR assumiu sem contribuir em nada com a construção das duas e a única coisa que buscam são os lucros acima de tudo, não sei se vc sabe a passagem da Linha 4 é mais cara que as demais linhas e isso onera o herario público criminosamente, tudo isso porque contratualmente o governo permite reajustes independente da situação.
    Vale lembrar tbm da eficiência dos seguranças que tá realizam partos devido o investimento em treinamentos e poderia aqui lhe dizer inúmeros benefícios, mas não vou mais perder meu tempo com vc

  11. Em nenhum momento eu disse que eram melhores ou piores, disse sobre o que o povo fala (por isso as aspas). Interprete do jeito que você quiser.

  12. Faça uma comparação simples… Pegue um chevette da década de 70 e compare com um veiculo semelhante fabricado depois de 2010… por mais bem conservado que o chevette esteja, não desfruta da mesma tecnologia… Metrô é a mesma coisa, as linhas oferecidas a iniciativa privada são as mais modernas e mais atualizadas, logicamente isso gera um conforto ao usuário, além de evitar vários problemas técnicos provenientes do tempo de utilização do sistema… temos que pensar em expandir e não ficar ciscando no assunto de privatizar ou não privatizar… De uma forma ou outra, o dinheiro do governo é que sempre abastece a empresa publica ou as privadas e isso é fato…

  13. Como exemplo de atitude estranha e inconveniente, foi na proposta de concessão das linhas 8 e 9 é o fato que faz parte desta devolver os atuais carros, e assim que os 34 trens novos a serem adquiridos pela concessionária, os atuais trens usados seriam devolvidos para a CPTM desgastados e com valor depreciado, de forma que a população certamente irá dizer, “Esta vendo, depois que foi feita a concessão a qualidade melhorou com trens novos enquanto a pública CPTM levou o mico”.
    “CPTM leiloa 71 trens antigos pelo preço de meio vagão de uma composição nova”
    Pregão realizado arrecadou R$ 8,9 milhões, dos quais R$ 2,9 milhões foram obtidos com a venda de 23 trens da Série 4400 e 48 da Série 1700. Desta forma para um bom entendedor ficou explícito pelo valor irrisório obtido a sua exclusão seria mais conveniente repassa-los a nova concessionária, pois foi algo não foi exigido nas concessões das Linhas-4, 5 e não será também nas 15 e 17. Este sucateamento foi precipitado, pois a durabilidade daqueles trens, principalmente os 48 da série 1700 ainda teriam utilidades para no mínimo cinco anos, desta forma confirmou que aquele item do prazo exíguo de dezoito meses para aquisições de trens colocado para os possíveis concessionários das Linhas 8 e 9, e estes série 2500 para a Linha 13 sem o CBTC (Communications Based Train Control) incluso, foi um blefe para desviar o principal.
    Além distas ainda existem algumas composições reservas disponíveis como os da série 3000-Siemens do ano 2000 que podem ser utilizadas sem que seja preciso adquirir com esta urgência descabida.

    1. a concessao das linha 8 e 9 por si só já é uma atitude estranha. 3,2 bilhoes em 30 anos, o que dá uma media de custo de 32 milhoes por ano nao é justificativa para o governo do estado conceder. os “investimentos” sao na maior parte, aquisiçao do material rodante, construção da estaçao de ambuitá, e construçao de infraestrutura que já existe na companhia, mas que será refeita em outro local. investimentos que convenhamos, nao justifica a concessao. alem do mais importante, faturamento de 30 bilhoes (com clausula “covid 19” , que garante recebimento mesmo com queda de usuarios) e previsao de gastos no periodo de 15 bilhoes. valores obtidos no proprio edital. 500 milhoes por ano de lucro em media.

Comments are closed.

Previous Post
Projeção de como ficará o pátio Morro Grande

Pátio Morro Grande: de “lago” para centro técnico e de manutenção da Linha 6-Laranja

Next Post

Obras da estação Varginha voltam a ser paralisadas

Related Posts