Novas estações da Linha 15-Prata funcionarão das 9 às 16 horas a partir de segunda-feira

Operação nas estações Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus ganhará duas horas e passará a funcionar aos sábados e domingos
Todas as estações da Linha 15 são equipadas com portas de plataforma (GESP)

Uma semana após serem inauguradas, as novas estações da Linha 15-Prata terão seu horário de funcionamento expandido. O Metrô anunciou há pouco que as estações Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus passarão a abrir às 9 horas da manhã e encerrarão a operação às 16 horas a partir de segunda-feira 23 de dezembro, ampliando assim o tempo de funcionamento em duas horas.

A outra novidade é que as três paradas do monotrilho também funcionarão aos fins de semana no mesmo período. Segundo a companhia, o horário de funcionamento será gradativamente ampliado até atingir a operação plena, das 4h40 à meia-noite – horário que vale para o trecho entre Vila Prudente e Jardim Planalto.

Neste final de semana, no entanto, a Linha 15-Prata ficará fechada tanto no sábado (21) quanto no domingo (22) das 4h40 às 14h00 para a realização de mais testes no sistema de controle de trens CBTC. O PAESE será acionado nesse trecho para atender os passageiros até a reabertura do ramal.

Demanda em alta

A Linha 15-Prata, a primeira a utilizar o sistema monotrilho em São Paulo, terminou novembro com uma demanda diária de 94 mil usuários, se aproximando da previsão do governo, de que o trecho até Jardim Planalto atrairia cerca de 100 mil pessoas em dias úteis. O pico da operação chegou a atingir 96 mil pessoas, segundo dados divulgados pelo Metrô. Ao todo, o ramal transportou pouco mais de 2 milhões de passageiros no mês passado.

Além de Vila Prudente, único ponto de conexão com o restante da rede metroferroviária, a estação mais movimentada da Linha Prata é justamente Jardim Planalto. Em novembro foram 15 mil entradas, pouco mais que o dobro de Vila União e Oratório, que vêm em seguida.

Essa situação, no entanto, deve mudar com a ampliação do horário de funcionamento das novas estações. A razão é que Jardim Planalto é hoje uma estação terminal provisória, absorvendo passageiros que passarão a embarcar em estações mais distantes, sobretudo São Mateus, que deverá ser uma das mais movimentadas do ramal.

Por falar nela, embora seja uma estação com estrutura mais ampla incluindo as duas plataformas e três vias, São Mateus não foi concebida para ser o terminal da Linha 15. Isso porque na atual configuração apenas uma plataforma pode ser usada já que não há aparelhos de mudança de via (track switches) nas outras duas vias. No seu projeto final, São Mateus terá o chamado looping interno, ou seja, trens que partem dela no sentido Vila Prudente, além das vias externas por onde passarão as composições que chegarão à Cidade Tiradentes.

Por isso, a operação atual pode sofrer com gargalos por conta do uso de apenas uma plataforma para embarque e desembarque. A solução só ficará pronta quando Jardim Colonial ficar pronta e com ela um novo trecho de manobras após a estação. Mas isso apenas em 2021.

Plataforma da estação São Mateus: apenas uma plataforma funcionando, por enquanto (CMSP)
Total
79
Shares
1 comment

Comments are closed.

Previous Post

Liminar na Justiça impede reinício de obras da Linha 17-Ouro

Next Post

Entenda o projeto de transformar a estação Brás em um “shopping”

Related Posts