Novas extensões da Linha 15-Prata ficam para 2025

Estações Boa Esperança, Jacú Pêssego e Ipiranga do monotrilho agora aparecem com prazo de entrega mais distante. Metrô deu ordem de serviço para produção de vigas-trilho do trecho
Vias da Linha 15-Prata (CMSP)

Antes previstas para 2024, as estações Boa Esperança, Jacú Pêssego e Ipiranga da Linha 15-Prata agora só deverão ser entregues em 2025. A informação consta do relatório de empreendimentos do Metrô referente a fevereiro.

A previsão é mais coerente com o atual estágio dos projetos. O trecho após Jardim Colonial, por exemplo, já teve o consórcio selecionado e o contrato assinado, porém, até o final deste ano a empresa focará suas atividades no projeto executivo e somente então dará a início a obra de fato.

Além disso, o trecho sobre a Avenida Ragueb Chohfi depende de intervenções no viário para que a via seja alargada e ganhe um canteiro central em partes do trajeto. Só assim será possível implantar as vigas-trilho que levaram a Linha 15 em direção à Cidade Tiradentes.

Na outra ponta, a extensão até Ipiranga encontra-se na reta final do projeto executivo e deve ter as obras licitadas em breve. Além desses contratos, o Metrô também assinou um aditivo com o consórico CEML, que é responsável pelas vias e pela fabricação de mais 19 trens, cuja ordem de serviço já foi assinada.

O CEML acaba de receber outra ordem de serviço, autorizando a fabricação das vigas-trilho das extensões, num total de 3 km até Jacu Pêssego.

Metrô encomendou mais 15 trens Innovia 300 (iTechdrones)

Mais energia

Nesta semana, o Metrô divulgou ter recebido a Licença Ambiental de Operação da Subestação Iguatemi, que fornecerá mais energia elétrica para o ramal de monotrilho, permitindo que a operação possa utilizar mais trens.

De fato, a Linha 15-Prata ainda deve um serviço mais eficiente visto que até hoje a demanda segue longe da sua capacidade nominal. Em fevereiro, por exemplo, passaram em média nos dias úteis 94 mil passageiros, menos de um terço do projetado.

O presidente do Metrô, Silvani Pereira, prometeu que essa situação deverá mudar no final do ano, com os dois “rabichos” operacionais forem entregues. Por conta dos aparelhos de mudança de via, eles permitirão que a operação possa ser mais ágil e com mais trens, além de acabar com a necessidade de baldeação para os usuários que seguem até a nova estação Jardim Colonial.

Projeto da futura estação Ipiranga da Linha 15-Prata (GPO/Sistran)
Total
1
Shares
2 comments
  1. Esse acidente poderia ter acontecido com qualquer empresa, ela sendo privada ou não, inclusive o próprio metrô estatal contrata construtoras privadas par construir suas linhas. Agora sair por aí difamando a empresa e fala que o acidente só aconteceu pq é uma concessão, é muito mau caratismo msm.

Comments are closed.

Previous Post

Obras de ligação entre a Estação Luz e a Sala São Paulo entram na reta final

Next Post

Drenagem do esgoto na Linha 6-Laranja é concluída, diz governo

Related Posts