Projeto da Linha 16-Violeta ganha notoriedade internacional por avanços tecnológicos

Metrô trabalha com a possibilidade de utilizar tuneladoras de grande diâmetro na construção do novo tramo. Além disso, se destaca a implantação de sistemas que devem reduzir em quase 40% o consumo de energia global da operação
Linha 16-Violeta foi destaque internacional (Jean Carlos)

O Metrô de São Paulo ganhou destaque internacional com o projeto da futura Linha 16-Violeta. Na última quarta-feira (1) ocorreu em Berlim, na Alemanha, o International Sustainable Railway Awards (ASRI), promovido pela União Internacional das Ferrovias (UIC).

A Linha 16-Violeta foi um dos três projetos selecionados na categoria “Melhor uso de tecnologia de baixo carbono”. Além disso, o projeto do Comitê de Gerenciamento de energia também foi reconhecido entrando na categoria ”Melhor adaptação e resiliência às Mudanças Climáticas”.

O novo tramo metroviário surge a partir da substituição do trecho leste da Linha 6-Laranja. A previsão é de que o novo ramal subterrâneo tenha aproximadamente 21,8 km de extensão e demanda prevista de 630 mil passageiros por dia.

Destaques

O projeto da Linha 16-Violeta ainda está em elaboração pelo Metrô e incorporará uma série de inovações. Uma das principais novidades tecnologicas é o uso do “TBM 4” para a construção dos túneis.

O tatuzão utilizado para a escavação de parte considerável da Linha 16 deverá ter diâmetro de aproximadamente 14 metros. Originalmente o tamanho da tuneladora seria de aproximadamente 15,8 metros, mas Metrô conseguiu realizar, em um trabalho conjunto com diversas equipes, um equacionamento da disposição de equipamentos,

Uma das vantagens na construção de uma linha com uma tuneladora dessa envergadura é a possibilidade de construir em um mesmo túnel as estruturas de via e também de plataformas, que se apresentarão como sobrepostas, ou seja, uma sobre a outra. Cabe citar que a capacidade de transporte e o gabarito dos trens poderá ser mantido.

Segundo informações obtidas pelo site, o TBM 4 seria utilizado entre as futuras estações Regente Feijó e Oscar Freire, trecho que corresponderia a aproximadamente 12 km. O terreno entre os dois pontos é favorável para adoção dessa solução.

O Metrô de Barcelona utilizou uma técnica interessante, de construção de plataformas com um “tatuzão”

O projeto em estudo pelo Metropolitano possui cerca de 33 km de extensão e previsão de frota com 71 trens. Essa informação indica que existe a possibilidade de extensão da linha de forma que possa atender a pontos mais distantes e ampliar as possibilidades de integração com outras linhas do sistema.

Com a construção dos túneis de grande diâmetro será possível obter uma redução de custos para a construção de pátios. Somente com o trecho de 12 km ao longo da linha será possível estacionar até 23 trens, o que representa, além de uma economia significativa de energia, a possibilidade de adotar melhores estratégias operacionais.

Além do espaço para os trens, poderão ser alocados salas técnicas e equipamentos de apoio como máquinas para a lavagem de trens. Dessa forma, a Linha 16-Violeta, que contaria com 2 ou 3 pátios para apoio, poderá ter apenas com uma única base para a realização de serviços pesados.

Linha 16-Violeta poderá ter apenas um único pátio (Jean Carlos)

Sob o ponto de vista energético a Linha 16-Violeta também desponta de forma positiva. O uso dos elevadores de alta capacidade em estações de menor demanda possibilita a economia de energia. Segundo estudos, o consumo de energia desses elevadores representa 10% do gasto de uma escada rolante. Isso representa uma economia significativa de energia nas estações.

Existe também a proposta para a instalação de painéis solares ao longo das estruturas da linha. Estações, VSEs e pátios para manutenção estariam contemplados somando um valor superior a 230 mil m². 

A implantação desses painéis poderiam suprir 100% do consumo de energia de todas as estações e do pátio, além de diminuir o valor consumido pelos trens. Ao todo a instalação deste sistema de apoio representa uma economia global de 38% de todo o consumo energético da Linha 16-Violeta, com a possibilidade de amortização ao longo de aproximadamente cinco anos de uso.

O projeto da Linha 16-Violeta visa trazer, além de importantes atualizações tecnológicas, uma nova maneira de se construir metrô. O foco na economia de energia está alinhada com uma agenda sustentável que pretende não só reduzir os custos de operação da linha, mas poupar recursos naturais, promovendo ainda mais qualidade de vida.

Total
26
Shares
8 comments
  1. Excelente matéria, bem explicativa, porém eu achava que essas novidades, pelo menos em relação ao Super Tatuzão, já estariam presentes na 19 – Celeste e 20 – Rosa.

    Não foi citado na matéria ou realmente não teremos as próximas duas linhas subterrâneas já em construção com o Super Tatuzão?

    1. Até onde temos informações as linhas 19 e 20 não contarão com o super tatuzão.
      A aplicação deste tipo de método para escavação exigiria um grande retrabalho por parte das equipes técnicas que já estão debruçadas nos projetos.

  2. Muito bom! Como venho cobrando aqui permanentemente, quando vocês vão falar do metrô no Jardim Angela, região que pode beneficiar quase 1 milhão de pessoas???? Essa política de evolução dos metrôs é muito contraditória, a expansão em resíduos centrais e de algo pode aquisitivo, sem olhar em paralelo para a periferia é muito ruim

  3. Luiz quem tá fazendo os estudos são vm e governo estadual e prefeitura com a extensão da Carlos caldeira Filho para Angela

Comments are closed.

Previous Post

Licitação da Linha 17-Ouro tem vencedor repetido e possível erro de cálculo do Metrô

Next Post

Estação Clínicas ganhará nome comercial associado

Related Posts