Após mais um adiamento, licitação da Linha 19-Celeste acumula um ano de atraso

Jean Carlos
Certame que irá selecionar a empresa que desenvolverá o projeto básico do ramal metroviário foi remarcado de 18 de março para 5 de abril
Túnel da Linha 5: silencioso, local está à espera de mais de meio milhão de passageiros
Linha 19-Celeste terá o projeto básico contratado nos próximos meses

Ramal que vai fazer, inicialmente, a ligação entre o centro de Guarulhos até a região do Anhangabaú, a Linha 19-Celeste teve o edital do projeto básico lançado em fevereiro do ano passado, mas passou por várias indefinições desde então. Remarcada para ocorrer nesta quinta-feira, 18, a sessão de abertura dos envelopes com as propostas foi adiada mais uma vez, agora para 5 de abril.

Com isso, a licitação acumula um ano de atrasos. O leilão original deveria ter ocorrido originalmente em dia 6 de abril do ano passado, mas uma semana antes o Metrô decidiu postergar a data para 6 de maio.

Nesse meio tempo, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspendeu o certame após pedido do Sinaenco (Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva), que alegou que a concorrência deveria ser decidida pelo menor preço e nota técnica – o Metrô apenas exigia a proposta de menor valor.

Após julgamento favorável ao formato proposto pelo sindicato, o Metrô relançou a licitação no final de dezembro com previsão de abertura dos enveloples em 3 de março, mas a data também acabou alterada para o dia 18.

A Linha 19-Celeste (CMSP)

Projeto complexo

Os projetos para a expansão da metro metroviária, ao contrário do que comumente se alardeia, são complexos e realizados por centenas de técnicos, engenheiros, arquitetos e demais profissionais envolvidos numa infraestrutura tão grandiosa como é uma linha de metrô. Com a Linha 19 não é diferente. O trecho já possui o seu projeto funcional pronto, o que dá subsidio para a elaboração do projeto básico.

Cabe aqui uma explicação rápida sobre os conceitos dos projetos. O projeto funcional é aquele que vai trazer uma visão geral da linha e sua concepção, como por exemplo suas estações, formato de operação, frota, demanda e etc. Por ser apenas uma visão geral, uma espécie de “rascunho”, ele não pode ser utilizado para uma licitação de obras. Para isso surge o projeto básico que vai entrar a fundo nessas questões e delinear e descrever a estrutura que será implantada com razoável nível de detalhes. Trata-se do mínimo necessário para que se possa fazer um orçamento confiável, realizar uma licitação e colocar em prática a execução das obras. Geralmente nesse processo entra o projeto executivo, ou seja, aquele que deverá ser aplicado em campo.

Conclusão

A Linha 19 ainda esta um pouco longe de virar uma realidade concreta para a vida dos paulistanos e guarulhenses. É necessário saber identificar em que pé realmente estamos nesse projeto para os cidadãos e futuros passageiros possam de fato cobrar o poder público por ações que estão em curso. Vale ressaltar que por enquanto estamos apenas na fase da papelada, ou seja, não devemos esperar por obras brutas no curto prazo.

Total
19
Shares
Previous Post

Estação Jardim Colonial estreará como ‘extensão operacional’

Next Post

Metrô desclassifica consórcio PSD-SP e abre caminho para retomar instalação de portas de plataforma

Related Posts