Destaques Linha 1 Linha 2 Linha 3

Baldy promete privatizar linhas 1, 2 e 3 do Metrô caso “greves políticas” continuem

Secretário dos Transportes Metropolitanos afirmou que se categoria continuar a fazer paralisações sem reinvidicações ao governo do estado, concessão entrará na pauta do governo
Alexandre Baldy: "caso o sindicato continue com uma reinvidicação absolutamente política é claro que o governo pode começar a pensar em conceder as linhas" (GESP)

Durante a entrega do último trem da Série 9500 para a Linha 7-Rubi nesta quinta-feira (27), o secretário dos Transportes Metropolitanos Alexandre Baldy surpreendeu ao afirmar que as linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha do Metrô podem entrar na pauta de concessões do governo do estado caso o Sindicato dos Metroviários insista em promover greves com caráter político.

Segundo Baldy, hoje esse estudo de privatização não existe, mas pode ser revisto se as paralisações continuarem a ocorrer. “O Metrô é uma empresa que precisa se reestruturar e se modernizar, assim como a CPTM está fazendo, e é inadmissível que haja uma paralisação sem uma reinvidicação, sem uma pauta”, afirmou o secretário aos jornalistas presentes. A categoria decidiu participar da greve geral convocada por centrais sindicais para protestar contra a reforma da Previdência no dia 14 de junho. Os funcionários das concessionárias ViaQuatro e Via Mobilidade assim como os  da CPTM não aderiram ao movimento.

“Um metroviário ganha em média R$ 9.500 de salário com benefícios que são o sonho de muitos trabalhadores”, disse. “Caso o sindicato continue com uma reinvidicação absolutamente política e buscando a paralisação é claro que o governo pode começar a pensar em conceder as linhas que são operadas de forma competente pelo Metrô”, ameaçou o secretário.

Baldy fez menção às movimentações que o sindicato fez nos últimos dias e que podem levar a uma nova paralisação dos serviços. A entidade aproveitou as graves falhas na Linha 5-Lilás nesta semana para culpar a privatização como causa dos problemas. “A sociedade não pode ser prejudicada. O governo pensa primeiro na população, e se por ventura outras paralisações sem fins da própria categoria, por que não há reinvidicação perante ao governo e ao próprio Metrô, fica o alerta”, reforçou.

A postura mais dura do secretário contrasta com as gestões anteriores que tentaram contornar os conflitos com o sindicato. Embora demissões tenham sido feitas por ocasião de greves, os funcionários acabaram em alguns casos sendo readmitidos por meio da Justiça. A mudança de relação, no entanto, deve provocar manifestações da categoria cujo resultado não é claro.

Greve no dia 14 de junho paralisou parcialmente as linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha (foto) (GESP)

Concessões

Na mesma linhas que a gestão Alckmin, também o governo Doria tem buscado a iniciativa privada como solução para ampliar e operar as linhas de metrô e trens metropolitanos. Projetos iniciados pelo antecessor como a concessão das linhas 8 e 9 da CPTM em conjunto, além da Linha 15-Prata estão sendo levados à frente. Também a Linha 7-Rubi deverá entrar no pacote do Trem Intercidades entre São Paulo e Campinas/Americana.

Caso isso de fato ocorra nos próximos anos, restariam apenas as três linhas mais antigas do Metrô e as linhas 10, 11, 12 e 13 na CPTM. Nas novas linhas cotadas para serem lançadas pelo governo, como a 19-Celeste e 20-Rosa, o discurso é de repassá-las à inciativa privada assim como deveria ter acontecido com as linhas 6 e 18, que hoje estão paralisadas.

Com informações do Diário da CPTM.

 

 

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

9 Comentários

Click here to post a comment
  • Repressão que se diz??? Um absurdo!!! O trabalhador deve ter todo o direito de se manisfestar em atos políticos. Mesmo que seja de uma vertente diferente a da atual gestão!!!

  • E o que diz o sindicato?

    Parece que para o governo não existe diálogo, só ameaças e a obrigação a submissão.

  • Privatiza mesmo!!! Privatiza tudo!!!

    Faz mais que certo, bando de folgados, o povo precisa trabalhar e eles ficam inventando greve COM CARÁTER POLÍTICO, já basta, ppp desde construção até a operação, que existam mais modelos como a linhas 4 e linha 5.

    • Melhor ponderar, caso não seja patrão. Deve considerar a piora constante da qualidade dos empregos, a caminho da pseudo-escravidao, quando se trata de ppp ou privatização e até mesmo concessão. A exploração indevida da mão de obra e a estrela da queda dos custos. Tudo tirado do “lombo do trabalhador”

  • Tem mais eh que privatizar msm! A população, tão sofrida, não pode pagar por desmandos desses sindicatos vagabundos, que nada fazem pelo trabalhador que realmente trabalha. Sindicato eh máfia, não vale de nada e só visa lucros aos seus próprios integrantes. Sou totalmente a favor das privatizações no Metrô e CPTM, vejam só a eficiência da linha 4-amarela, nunca deixou o povo na mão!

  • E bom que se veja a qualidade e lisura dos processos dessas concessões para que “o tiro não saia pela culatra”. Ótimo é que sejam acompanhadas pela qualidade dos empregos, tão necessário para os brasileiros dessa área!

  • Tem mais que privatizar msm! O estado não tem competência em manter sistemas sobre trilhos. Estado tem que garantir saúde, educação e segurança, só. Todo resto pode ser privado, sem interferência do estado. Não é justo a população de bem, que levanta todo dia cedo pra realmente trabalhar, ser privado do direito de ir e vir! Basta de desmandos desses sindicatos!

  • parabens secretario ja não e de hoje que esse sindicato faz ameaça e prejudica toda a população de são paulo mais peço que não fique so na ameaça vamos fazer essa conceção ja e que a iniciativa privada preste um melhor serviço

  • Eu não aceito virar refém de greve partidária. O metrô é da população, não dos metroviários e nem dos sindicalistas, se um bem público deve ou não parar isso quem deve decidir é toda a população. Democracia é a vontade do povo, o resto é discurso ideológico partidário!

Airway