CPTM prorroga prazo para modernização do sistema de energia das Linhas 11 e 12

Jean Carlos
Obra, que tinha prazo original de 3 anos, passará a ter 8 anos e meio de duração
Obras no sistema de energia poderão dinamizar a operação das Linhas (Jean Carlos/SP Sobre Trilhos)

Como uma forma de promover aos passageiros melhores condições de viagens, a CPTM vem investido na modernização do seu sistema de energia de tração, ou seja, no sistema que alimenta os trens com energia elétrica. Esse sistema é de fundamental importância, pois é com ele que os trens podem atingir maior desempenho, como velocidades mais altas e índices de aceleração maiores, além de promover aumento da frota de trens, fator essencial para que as linhas possam carregar cada vez mais passageiros e para que o headway (intervalo entre trens) seja diminuído.

Os serviços

O contrato foi assinado originalmente com o Consorcio Linha Leste, composta pelas empresas MPE e Siemens,  em julho de 2012 por um valor de R$ 105 milhões. O período do contrato era de 36 meses (3 anos), mas passou por dois aditivos contratuais. O primeiro deles em janeiro de 2017, onde foi prorrogado por mais 42 meses (3 anos e 6 meses), e o segundo que ocorre agora, em janeiro de 2021, postergando a entrega das intervenções em mais 24 meses (2 anos). No total já são 8 anos e 6 meses de obras. Pesa o fato de a empresa MPE ter deixado o consórcio, o que pode ter impactado negativamente no cronograma das obras.

Subestação Dom Bosco (Jean Carlos/SP Sobre Trilhos)

Os serviços contratados envolvem a elaboração de projetos executivos, fabricação, fornecimento, instalação e readequação do sistema de energia elétrica nas Linhas 11 e 12. Observe os principais pontos alvos de ações:

Linha 11

  • Cabine Seccionadora de Brás
  • Subestação Eng. São Paulo
  • Cabine Seccionadora de Vila Matilde
  • Subestação de Patriarca (troca de equipamentos)
  • Linha de distribuição de 34,5kVCA
  • Implantação da Subestação Dom Bosco
  • Implantação da Cabine Seccionadora de José Bonifácio
  • Implantação da Cabine Seccionadora de Ferraz de Vasconcelos
  • Troca de equipamentos nas Cabines Seccionadores de Calmon Viana, Jundiapeba, Brás Cubas e Estudantes

Linha 12

  • Implantação da Cabine Seccionadora de Itaquaquecetuba
  • Troca de equipamentos na Cabine Seccionadora de Eng. Goulart

Observe nas imagens abaixo o cronograma Físico-Financeiro atualizado:

As melhorias

Os diversos incrementos com a reforma e implantação de novas estruturas de energia poderão trazer muitos benefícios no curto e longo prazo para as Linhas 11-Coral e 12-Safira da CPTM. Na Linha 11, por exemplo, a expansão dos serviços do Expresso Leste só foi possível em decorrência dessas obras. Com a eventual instalação do CBTC e a expansão dos serviços até Barra Funda mais trens deverão circular com um intervalo igual ou até menor aos que são praticados hoje nos horários de pico. Tamanho esforço necessitará de uma robusta estrutura de energia elétrica.

Na Linha 12-Safira a promessa é de tornar o ramal cada vez mais dinâmico através da modernização do sistema de sinalização existente. A ideia é que, através da tecnologia de áudio frequência, o intervalo possa cair dos 6 minutos para 3 minutos em horário de pico. Há de se notar que essa mudança influencia indiretamente a Linha 13-Jade que poderá contar com mais faixas horarias para acessar a região central sem causar grandes interferências com a Linha 12 – Safira.

Total
19
Shares
3 comments
  1. Essas subestações (Eng. São Paulo, Dom Bosco e Itaquaquecetuba) são novinhas?? Ou já existiam e apenas passaram por melhorias?

    1. Dom Bosco é uma nova subestação. Sua implantação decorre principalmente da desativação da SE Itaquera.
      A CS Itaquaquecetuba é uma estrutura nova.
      A SE Eng. São Paulo passou apenas por modernização

  2. Modernizar e potencializar subestações elétricas são fundamentais para a confiabilidade e segurança das operações, visto que são frequentes os problemas que elas causam, bloqueando toda circulação.
    Esta insistente procrastinação e postergação já passou o momento de terminar, pois ao invés de se investir e capacitar ás linhas da CPTM existentes para receber e redistribuir um fluxo muito maior de usuários, os gestores de SP criaram uma mentalidade robusta com metrô e pífia com os trens metropolitanos, e ficam anunciando múltiplas linhas coloridas de Metrô, Trem Intercidades sem se concluir as modernizações, expansões e reformas que já estavam iniciadas e planejadas.
    É fundamental em engenharia que a construção e montagem devam ter seu organograma cumprido dentro do prazo e não se adicione inúmeros aditivos alterando o orçamento original, e não se programe e inicie outras obras de forma simultânea sem concluir as iniciadas.
    Também neste principio, existe um ditado que diz “Em engenharia, quando a construção e montagem inconclusas conforme o planejado, os gastos com ás desmobilizações, retomada, mobilização, a única coisa que é certa é o prejuízo.”

Comments are closed.

Previous Post

CPTM concederá três estações da Linha 11-Coral à iniciativa privada

Next Post

Metrô de São Paulo investiu apenas metade do previsto em projetos de expansão e modernização em 2020

Related Posts