CBTU CPTM Destaques Metrô de Curitiba Metrô de Salvador Metrô de São Paulo Metrô do Distrito Federal Metrô do Rio Metrofor Opinião

Cresce consenso pela criação de uma autoridade metropolitana para gerir o transporte público

Em audiência pública na Câmara dos Deputados nesta semana, especialistas apontaram a necessidade da nova entidade para por fim à falta de planejamento e integração no transporte de passageiros
Especialistas discutem na Câmara dos Deputados a adoção da autoridade metropolitana de transportes (Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Embora seja uma concepção óbvia, a adoção de uma autoridade metropolitana capaz de gerir o transporte público nas grandes cidades brasileiras ainda não passa de uma ideia distante. Mas é fato que o assunto começa a despertar o consenso entre governos, entidades e especialistas.

Em audiência pública realizada na Câmara dos Deputados na terça-feira (10), representantes de empresas do setor ferroviário defenderam a criação da autoridade metropolitana como forma de organizar, expandir e otimizar o transporte público nas metrópoles.

Um dos presentes, o presidente da ANPTrilhos, Joubert Fortes Flores Filho, acredita que o planejamento e organização das linhas de metrô e trem caberia à essa entidade: “A gente precisa expandir as nossas redes de alta capacidade, que são os trens e metrôs. E precisa organizar a mobilidade nas cidades”, disse.

Para o presidente da associação, que reúne o setor ferroviário nacional, a principal vantagem da autoridade seria evitar a concorrência entre os diversos modais de transportes, como os individuais por aplicativos, ônibus convencionais ou BRT, ônibus de transporte rápido, bicicletas, entre outros. A ideia, segundo ele, é que esses meios não circulem de forma paralela e passem a ser complementares.

O grande impeditivo na adoção da autoridade metropolitana está no fato de que prefeituras e mesmo o estado teriam de abrir mão do controle dessas gestões. O exemplo de São Paulo, que possui 39 municípios na região metropolitana, foi citado no debate. Cada um deles possui uma política de transporte própria e define tarifas de forma independente mesmo que as viagens dos passageiros envolva mais de um desses municípios.

Silvani Alves Pereira, presidente do Metrô de São Paulo, vê como saída a participação do Congresso Nacional na meta de tirar esse projeto do papel. “Esta Casa tem todas as condições de enfrentar esse problema com seriedade, trazer para dentro do projeto a criação da autoridade metropolitana e colocando, já de imediato, alguns incentivos para que os entes políticos participem desse processo de uma forma mais desprovida do interesse político e mais pensando no cidadão”, afirmou.

Já o deputado Bosco Costa (PL-SE) aponta que é preciso que as políticas de Estado substituam as políticas de governo, ou seja, passíveis de mudança a cada eleição. Com a autoridade metropolitana, seria possível um planejamento de longo prazo e de forma integrada, sem a interferência de partido A ou B.

Sergio Avelleda, ex-presidente do Metrô e da CPTM, por fim defendeu a integração tarifária a fim de incentivar o uso do transporte coletivo em lugar do individual.

Trem do metrô de Londres: a TFL, que gere todo o transporte na capital do Reino Unido, é um exemplo a ser estudado (PXHere)

Exemplo de fora

A autoridade metropolitana não é novidade mundo afora. Em Londres, por exemplo, esse trabalho cabe à Tranport For London, uma entidade que possui um amplo escopo de atuação que envolve o transporte coletivo por trens, metrô, barcos e ônibus, mas também os táxis, aplicativos de transporte, bicicletas, entre outros. A TFL, como é também chamada, vai além ao estipular inclusive os pedágios urbanos para reduzir os níveis de poluição e também tem autonomia para investir na expansão do sistema e explorar comercialmente o potencial de áreas sob sua gestão.

O resultado disso é muito produtivo. O usuário pode embarcar em ônibus, trens e barcos com um mesmo cartão e ser cobrado mediante o trajeto percorrido, outro aspecto importante e hoje ignorado no Brasil, que permite que os passageiros rodem distâncias imensas pelo mesmo valor. Embora seja uma questão social, as empresas de transporte têm obrigações e custos e não são elas que devem gerir benefícios sociais. Por mais que os recursos saiam do mesmo fundo, trata-se de um erro misturar escopos. O correto seria que outro órgão fosse responsável por controlar as concessões de tarifa e indenizar a autoridade metropolitana pelo serviço prestado.

Como se vê, há um longo caminho para um transporte público mais justo e efetivo, mas ele tem que ser iniciado o quanto antes.

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

3 Comentários

Click here to post a comment
  • Acho uma pena, que se tratando do Brasil, se um orgão regulador fosse criado com toda certeza os interesses politicos ficaram a frente do da população.

  • Autoridades metropolitanas de transportes, tais como a TfL, a RATP, a Île-de-France Mobilités, entre outras, são resultado de um longo processo de transformação da postura de governo e de planejamento. Londres “brigava” com os operadores muito antes de São Paulo saber o que era um metrô ou um trem metropolitano. A criação da TfL é, na verdade, apenas o fim de um processo de integração de operação, eliminação de concorrências predatórias e integração física entre linhas que se intensifica a partir dos anos 1950. A RATP e, atualmente, a Île-de-France Mobilités são igualmente resultados de um processo que durou quase todo o século XX, que visava enxergar o transporte como um todo. Aliás, foi com o metrô de Paris que nasce o que entendemos hoje por rede de transporte. Em outras palavras, são ações no tempo que consolidam as autoridades metropolitanas, especialmente as mais complexas. Não é o discurso, a nossa famosa “carta de boas intenções”, que fará a autoridade metropolitana existir e funcionar. Tampouco uma lei. As regiões metropolitanas em São Paulo foram instituídas há algum tempo e até agora renderam muito pouco à população. Os esforços de integração tarifária que iniciaram em 2005 se diluíram diante da necessidade “equilíbrio financeiro” das operadoras e quem paga a conta – sempre o passageiro. Acabamos de assistir ao fim do primeiro (e longo) capítulo de uma novela em São Paulo que se arrastava desde 2013. E tudo mudou para manter tudo exatamente como está, com o mesmos empresários de sempre. Hoje temos Metrô, CPTM, dezenas de empresas geridas pela EMTU, e 39 municípios para encarar. Deixar parte disso fora de um planejamento, expansão, manutenção e operação integrados é o mesmo que não fazer nada. Se estado e municípios não abrirem mão de seu poder sobre o transporte, dando autonomia a essa suposta autoridade, pouco será melhorado ou simplesmente criaremos mais um intermediário para atrapalhar.

Airway