No processo de aprovação do orçamento do governo do estado é comum que os deputados estaduais busquem destinar verbas para projetos em seus redutos eleitorais, mas o parlamentar Ênio Tatto (PT) foi além. Em emendas realizadas na sexta-feira da semana passada, o deputado propôs remanejar recursos para o projeto de estações das linhas 5-Lilás e 9-Esmeralda que não existem no planejamento do governo – ao menos publicamente.

Segundo Ênio Tatto, que é irmão do candidato à prefeito de São Paulo, Jilmar Tatto, as hipotéticas estações ‘Menininha’ e ‘Colônia’ deverão receber R$ 1 milhão cada para que o governo do estado possa expandir a malha para o extremo sul da capital.

Subentende-se que a estação Menininha, criada pelo deputado, seria uma parada ao sul da futura estação Jardim Ângela (esta sim, planejada pelo Metrô), que ficará próxima ao Hospital Municipal Moises Deustch. Por falar no local, Tatto também solicitou recursos para financiar não só Jardim Ângela como a estação M’Boi Mirim, ambos com dotação de R$ 1 milhão.

No entanto, a extensão da Linha 5-Lilás após Capão Redondo, e que inclui um terceira parada (Comendador Santana), está sendo estudada como parte de um acordo com a concessionária ViaMobilidade para que seja implantada pela iniciativa privada. Ou seja, todos os custos seriam bancados por ela que em troca teria a concessão ampliada.

Com 4,5 km, extensão será subterrânea e construída por um “tatuzão”, diz governo

Em Parelheiros

Além da Linha 5, o deputado petista também propôe que a Linha 9-Esmeralda da CPTM vá além de Varginha, futura estação terminal do ramal. Para isso, Tatto resgatou a extinta estação ‘Colônia’, que foi desativada no final dos anos 70 e fazia parte do Ramal de Jurubatuba, da Ferrovia Sorocabana.

Segundo justificativa do parlamentar, “A presente emenda parlamentar visa garantir expansão da 9 Esmeralda da CPTM, criando a estação Colônia na região de Parelheiros do município de São Paulo”. Mas mais uma vez a emenda ignora o fato de que a Assembléia Legislativa não cria estações ou linhas metroferroviárias, responsabilidade única e exclusiva do poder executivo.

Embora a extensão da Linha 9 até a região de Parelheiros tenha sido cogitada há um bom tempo, a CPTM não vê demanda suficiente para levá-la até lá. A solução seria implantar um corredor de ônibus que levasse os passageiros até o futuro terminal de ônibus que será construído ao lado da estação Varginha.

Embora aos parlamentares seja permitido sugerir quaisquer mudanças no orçamento do estado, soa um tanto quanto demagógico propor projetos fictícios como esses, como se a extensão de uma linha de trem fosse resolvida apenas com uma canetada. Infelizmente, na maior parte dos casos, atitudes como essas só servem mesmo para “jogar para a torcida”, ou nesse caso, para o eleitor.

Antiga Linha Sul da Fepasa, hoje Linha 9 da CPTM: estação Colônia Paulista (Reprodução)