Em cronograma, governo do estado prevê extensões das linhas 4 e 5 prontas em 2028

Ramais serão expandidos até Taboão da Serra e Jardim Ângela, mas ainda dependem de elaboração do projeto básico e estudos de reequilíbrio financeiro
Trem da ViaMobilidade na Linha 5 (Jean Carlos)

O governo do estado estima iniciar a operação comercial das extensões da Linha 4-Amarela e da Linha 5-Lilás em 2028, segundo apurou este site. Os dois projetos de expansão estão a cargo das concessionárias ViaQuatro e ViaMobilidade, controladas pelo grupo CCR.

O cenário desenhado atualmente prevê que a extensão da Linha 5-Lilás até Jardim Ângela seja entregue no início de 2028 enquanto o prolongamento da Linha 4-Amarela até Taboão da Serra deverá começar a funcionar entre março e abril do mesmo ano.

O processo de expansão dos dois ramais de metrô encontra-se na fase de contratação do projeto básico, que dará subsídios para definir os custos dos projetos. A ideia é que eles sejam iniciados entre o final deste ano e o começo de 2023. Tanto ViaQuatro quanto ViaMobilidade tiveram aval da gestão estadual para seguir em frente com esses estudos, que devem ser concluídos no segundo semestre do ano que vem.

Após essa fase, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM) juntamente com outras áreas do governo, realização os estudos de reequilíbrio econômico-financeiro, que definirá como será feito o aditivo contratual da concessão de ambas.

Extensões das linhas 4-Amarela e 5-Lilás: horizonte de 2028 (CMSP)

Três caminhos para viabilizar extensões

Há três possibilidades para viabilizar as obras, a primeira estabelecendo o repasse do investimento necessário para as concessionárias, a realização da obra pelo Metrô ou então o projeto ser bancado por ViaQuatro e ViaMobilidade e posteriormente receber o ressarcimento.

A definição do escopo dos projetos e aditivo deverá ocorrer no início de 2024, com diferenças pequenas entre as duas linhas. Só então serão assinados os aditivos e o início do projeto executivo e obras dos dois trechos. A perspectiva é que as obras de expansão durem cerca de 3 anos e seis meses, daí a previsão de conclusão em 2028.

A Linha 5-Lilás terá um traçado de 4,3 km, a maior parte elevada, e duas estações, Comendador Sant’anna e Jardim Ângela, esta última subterrânea. Já a Linha 4 será estendida por mais 3,3 km com a implantação das estações Chácara do Jockey e Taboão da Serra.

Vale lembrar que a concessão da Linha 4 para a ViaQuatro tem duração de 30 anos e teve início em 2006, ou seja, a princípio terminaria em 2036. Já a ViaMobilidade assumiu a Linha 5 em 2018, com prazo de concessão de 20 anos a ser encerrado em 2038. Há ainda pendente a operação da Linha 17-Ouro, que está em obras.

Estação Vila Sônia: extensão até Taboão da Serra (Jean Carlos)

Total
1
Shares
Antes de comentar, leia os termos de uso dos comentários, por favor
15 comments
  1. Deviam refazer isso aii ,na expansão da L5-LILÁS cabe 4 novas estações nesses 4,3km aii, já na L4-AMARELA nesses 3,3km cabe 3 estações ,que mania agora é essa do metrô ficar igual cptm??? Eu emmm, estações com tanta diferença de espaço entre uma e outra, já basta a supressão de estações da L19-CELESTE/L20-ROSA/L14-ONIX/L16-VIOLETA/L21-GRAFITE/L22-MARROM /L23-LIMAO que ficaram com várias estações super longes uma da outra

    1. @Dylan Linhas subterraneas sempre tem mais ou menos uns 500m de linha depois da estação para manobras

      1. Só fazer mais 500m de trilhos para frente ,mas que cabe neste traçado de 4,3km ,4 estações cabe sim ,no metrô de outros países isso aiii seria uma vergonha ,independente se terá demanda alta nas estações, com o tempo as pessoas se mudam para o local e a demanda cresceria ,foi a mesma coisa que aconteceu em vários projetos de linhas do metrô de sp, mas Hoje tão querendo fazer o metrô parecer “Trem Metropolitano”

    2. No caso da Linha 20, é quase uma PIADA não existir nenhuma estação entre Fradique Coutinho e Tabapuã, justo no bairro que mais tem empregos.

      Discordo da mudança de traçado da Linha pra “dentro” do bairro, mas entendo. Agora essa lacuna que eu mencionei é inadmissível.

    3. Não acho essas distâncias tão grandes assim, fora que tem a questão de as obras civis serem muito dispendiosas, os projetos atuais têm que ter diminuição de custos de implantação e menos burocracia de várias desapropriações de grande monta. Portanto, os projetos iniciais estão bem adequados à realidade e conseguirão atender às demandas a contento na configuração atual.

    4. Não já necessidade de 4 estações num trecho que não tem geração alta de emprego no caso da L5, e no caso da L4 tbm não há necessidade. Agora na L19 Mercado foi suprimida pela proximidade com Pari e a demanda relativamente baixa considerando que toda essa região também compete com a demanda de Brás e São Bento. Já na L20 é realmente chacota o traçado mudar justamente pra deixar de atender o trecho mais importante e gerador de emprego, tofss as outras linhas citadas não tiveram estações suprimidas uma vez que os estudos delas estão tão iniciais que nada está definido ainda.

  2. Pessoal esqueceu dá 3 km entre Butantã e Morumbi São Paulo com o corte da estação da Três Poderes. Já da linha 22 ainda não é o projeto oficial das dos locais da estação é provisório

  3. Olá sr. Ricardo e amigos participantes
    Tipica noticia em véspera de eleições, desde 2014 eu venho ouvindo sobre essa extensão até o Taboão, eu já comentei sobre isso antes, de concreto mesmo, plausível só mesmo as linhas laranja e verde e alguma coisa na Prata, tudo o resto depende de vontade politica e interesses ligados, aposta-se muito que a operadora das linhas Amarela e Lilas se disponha a fazer mediante a prorrogação dos contratos, porém se realmente se confirmar a troca no governo como dizem as pesquisas e se forem mantidas as palavras do comício que teve aqui, poderá ser antes disso, um trecho tão pequeno não pode ter obras por quase seis anos. Em outra vez eu posto umas elucubrações que andei fazendo sobre essa ampliação até o TS.
    Gilberto JV-TS

  4. Olá, Deveriam fazer a concessão da linha 15 prata, com a contrapartida da concessionária arcar com os investimentos para a extensão até cidade tiraradentes, a qual não tem licitação contratada, e hoje é a região mais carente de transporte público eficiente da cidade de São Paulo.

    1. Moro na região do Jardim Angela e me parece algo bastante irreal a finalização dessa extensão, se é que tal projeto de fato vai ocorrer, até 2028. Trata-se de uma região com moradias e diversos pequenos comércios que, muito provavelmente, irão demandar desocupações. Além do fato de ser um terreno desnivelado que vai dificultar a implantação de uma estação subterrânea. Toda essa notícia me cheira a mero demagogismo de eleição.

  5. Bem que eu adoraria que o Governo viesse fazer uma expansão no meu comércio com dinheiro público e deixasse o lucro operacional todo pra mim…

  6. Precisamos de um governador comprometido com a mobilidade urbana , principalmente no modal sobre trilhos , pois são muitas promessas e nada de cumprir prazos , no Brasil nada sai do papel ou não termina como foi projetado …muito papo furado e nada de concreto se realiza .

Comments are closed.

Previous Post

AeroGRU prepara fábrica de vigas do People Mover de Guarulhos

Next Post

Após seguidos fracassos, Metrô lança concessão de ‘naming rights’ de Vergueiro e Praça da Árvore

Related Posts

Mesmo diante de crise, setor metroferroviário recupera passageiros e mantem investimentos de expansão

Balanço realizado pela ANPTrilhos indica que houve aumento do número de passageiros transportados. Apesar da crise, ainda houveram novas estações entregues e investimentos sendo realizados na ampliação da rede.
Leia mais