Estação Jardim Colonial da Linha 15 recebe mais estruturas metálicas

Içamento de mais um módulo da cobertura e de escada foi realizado no fim de semana pela construtora Somague
Estação Jardim Colonial (CMSP)

Um mês depois de receber o primeiro módulo da cobertura, a futura estação Jardim Colonial foi alvo de mais içamentos de estruturas metálicas neste fim de semana. A construtora Somague, responsável pela obra, completou a instalação do segundo módulo da cobertura além de implantar uma escada metálica de acesso à plataforma.

A nova estação será a 11ª do ramal de monotrilho e tem previsão de conclusão no 1º semestre de 2021, ou seja, dentro de até nove meses. A evolução dos trabalhos até aqui faz crer que a meta será cumprida. A construtora já se encaminha para o final das obras brutas nos dois acessos e deve iniciar o acabamento e instalação de sistemas principais em breve.

O Metrô também está finalizando uma nova subestação de energia na região para aumentar a oferta e dar conta da demanda crescente e que deve passar de 400 mil pessoas por dia quando as 11 estações estiverem funcionando a pleno.

Os capiteis da extensão das vias após Jardim Colonial também já começam a ser concretados pelo consórcio CEML, que chegou a parar os trabalhos por falta de pagamento. Ao que tudo indica, o governo Doria regularizou o fluxo de pagamentos, o que é importante para que os trens possam manobrar após a estação no sentido Vila Prudente.

Segundo módulo da cobertura de Jd. Colonial (CMSP)

Extensão da Linha 15

A gestão atual tem levado à frente projetos e estudos para expandir o ramal. O trecho com maior chance de ser tirado do papel é o que envolve duas estações logo depois de Jardim Colonial, Boa Esperança e Jacu Pêssego, cuja parte dos terrenos já está desapropriada. No entanto, o Metrô está preparando um laudo de avaliação para outras desapropriações necessárias. Na outra ponta, os estudos para extensão até Ipiranga também foram iniciados.

O problema é que o governo do estado, diante do imenso déficit causado pela pandemia, está revendo investimentos e certamente terá de postegar planos cujos contratos ainda não foram assinados. Nesse caso, como não há nem previsão de lançamento dos editais, é pouco provável que essas duas extensões sejam viabilizadas até 2022.

Escada metálica que liga a plataforma ao mezanino (CMSP)
Total
18
Shares
1 comment
  1. No meu modo de entender, os gestores aproveitando este momento que as demandas caíram por conta da pandemia, e portanto deveriam priorizar os prolongamentos dás Linha 5-Lilás assim como também à Linha 15-Prata de forma concomitante a fim de aliviar os tumulto na Linha 2-Verde nas Estações Chácara Klabin e Vila Prudente respectivamente, a qual, futuramente, será uma das linhas mais concorridas de São Paulo, tratando-se de uma solução sensata até a Estação Integradora do Ipiranga na Linha 10-Turquesa, que é a única que possui três linhas regulares e que atualmente cuja central se encontra subutilizada a qual devera ser totalmente reformada e ampliada com acesso nesta linha central em uma atitude correta, e deveriam ser priorizadas antes de se iniciar quaisquer outras linhas, pois sua alta demanda reprimida exige esta ação.

Comments are closed.

Previous Post

Estação Santo Amaro está perto de iniciar trabalhos de instalação das portas de plataforma

Next Post

Metrô e CPTM têm 42 projetos atrasados ou paralisados, diz TCE

Related Posts