O secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, confirmou nesta quinta-feira, 19, duas informações adiantadas em primeira mão pelo site nesta semana e que envolvem a concessão das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM. A primeira é que o edital será divulgado no dia 30 de novembro e que a revisão da modelagem de fato incluirá a ampliação da encomenda de trens pela futura concessionária, de 30 para 34 composições.

Baldy revelou que o primeiro desses novos trens deverá ser entregue em até 18 meses da assinatura do contrato de concessão. A previsão é que isso ocorra ainda no primeiro semestre de 2021, o que indica que as composições passarão a entrar em serviço por volta do final de 2022. É quando a CPTM poderá contar com a devolução dos trens das séries 8500 e 7000 que ficarão cedidos à concessionária enquanto as novas unidades estarão sendo fabricadas.

Como antecipado por este site, a outorga mínima a ser paga pela concessão será de R$ 303 milhões, mas a expectativa é que esse valor seja bem maior já que as empresas participantes da licitação deverão fazer seus lances durante o leilão na B3  (Bolsa de Valores de São Paulo) em data a ser marcada no primeiro trimestre de 2021.

O vencedor do certame terá de investir cerca de R$ 3,2 bilhões durante os 30 anos de vigência do contrato, sem contar o valor da outorga. Como contrapartida, receberá uma tarifa de remuneração de R$ 2,84, ou 65% do valor tarifa cheia cobrada pela CPTM. O governo do estado estima que a concessionária terá uma despesa operacional de R$ 15,7 bilhões contra uma receita total de R$ 28,2 bilhões, em valores atuais.

Trens da Série 8500 serão emprestados para a concessionária (GESP)

Caberá à concessionária modernizar e reformar as estações dos dois ramais além de investir no pátio Presidente Altino e transferir as atividades da CPTM no local para um novo pátio. As obras civis de melhorias e o investimento em modernização da sinalização e fornecimento de energia devem consumir cerca de R$ 1,35 bilhão enquanto a compra dos 34 trens, R$ 1,75 bilhão. Há ainda previsão de desembolsos com desapropriações (R$ 52 milhões) e gastos com a preparação do edital como o pagamento da Proposta de Manifestação de Interesse (R$ 63 milhões).

Por outro lado, o governo Doria aliviou a lista de melhorias e obras antes previstas. Entre elas está a unificação das estações Lapa das linhas 7 e 8, que agora ficará a cargo de outro projeto, o do Trem Intercidades. Já a estação Imperatriz Leopoldina receberá uma ampliação da estrutura atual.