Confira a evolução da construção do Pátio Água Espraiada da Linha 17-Ouro

Trabalhos no pátio estão focados na construção dos mais de 6 mil metros de vigas que permitirão o trafego interno das composições. Serão mais de 170 vigas construídas
Vigas sendo confeccionadas no Pátio Água Espraiada (SIlvani Pereira)

A Linha 17-Ouro do monotrilho é certamente uma das mais aguardadas obras do sistema metroferroviário. Apesar de todos os percalços, os trabalhos vêm sendo realizados em diversas frentes. No pátio Água Espraiada, local onde serão alocados os novos trens, o Metrô se concentra na construção das vigas-guias.

Segundo postagem feita pelo presidente do Metrô, Silvani Pereira, em suas redes sociais, o Pátio Água Espraiada deverá ter mais de seis quilômetros de vias internas e capacidade para alocar até 34 composições, sendo que 14 delas já estão em fabricação pela BYD na China.

Ao todo deverão ser implantadas mais de 170 vigas com tamanhos que variam entre 30 metros, que é convencionalmente utilizado ao longo do traçado da Linha 17, até 60 metros de comprimento.

Molde da viga guia (Silvani Pereira)

Para a confecção das estruturas são realizados processos especiais que conferem qualidade em todo o procedimento. Uma destas aferições é a conferência milimétrica das formas, de forma que a concretagem possa ocorrer dentro dos parâmetros geométricos.

A protensão das vigas é outro procedimento importante e que aumenta a resistência final da estrutura. A técnica permite a redução do peso e do volume de concreto utilizado.

Ao final, “é realizada a consolidação entre um conjunto de vigas guia junto aos seus respectivos apoios”. Será na junção entre as vigas guia que ficarão instalados os finger plates, componentes que garantem a passagem dos trens pelas junções de forma confortável, ao mesmo tempo que permitem a dilatação das vigas de concreto.

Pátio Água Espraiada (Silvani Pereira)

Além do trabalho nas vigas, também estão sendo executados serviços ao longo de todo o pátio como o acabamento das estruturas de concreto, contemplando lixamento e tratamento superficial. A chegada dos primeiros trens está prevista para o final de 2022, mas a pandemia de COVID-19 na China pode afetar o cronograma.

Total
8
Shares
5 comments
  1. Essas vigas-trilho são as do trecho da Marginal Pinheiros ou as que serão utilizadas no próprio pátio?

    1. Essas vigas são construídas no próprio pátio através de concretagem in loco
      As vigas da marginal foram confeccionadas em outro local, sendo deslocadas e instaladas através das treliças lançadeiras

  2. Porque fizeram essa obra monumental ao invés de realizar o pátio a nível do solo? Risco de enchente ou outra coisa?

    1. Falta de espaço se fosse tudo no nível do solo, ou teriam que fazer desapropriações em volta ou em outra região que não tem áreas disponíveis.

    2. O pátio aproveitou a área do piscinão existente. Tendo em vista o valor do m² da região, a solução adotada foi a mais econômica.

Comments are closed.

Previous Post

ViaMobilidade tinha ciência de que parte dos trens seria entregue sem revisão realizada

Next Post

Metrô conclui a segunda etapa da concretagem do VSE Falchi Gianini na Linha 2-Verde

Related Posts