CPTM retomará estudos para a Linha 14-Onix

Novo ramal deverá fazer a ligação direta entre Guarulhos e o ABC passando pela Zona Leste de São Paulo. A revisão do projeto funcional acende uma possível retomada do projeto nos próximos anos
Linha 14-Onix deverá voltar a ser tema de estudos pela CPTM (Jean Carlos)

Após a concessão de duas das suas sete linhas, a CPTM agora tem mais espaço e mais profissionais disponíveis para trabalhar nos diversos projetos que visam ampliar a qualidade dos serviços e aumentar a quantidade de passageiros transportados. Um dos tópicos que são mais aguardados são os projetos de expansão.

Dentre as diversas iniciativas de ampliação da malha ferroviária, destaca-se a Linha 14-Onix. Este trecho fará a ligação entre a cidade de Guarulhos e a região do ABC, cortando a Zona Leste de São Paulo de norte a sul.

Segundo informações obtidas pelo site, a CPTM pretende retomar os estudos desta linhas dando ênfase na revisão do projeto funcional do trecho através da avaliação da demanda, traçado e modal a ser implantado. Originalmente foi cogitada a implantação de um Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) no trecho.

Além disso, concomitantemente à revisão do projeto, será elaborado o levantamento aerofotogramétrico que deverá servir de base para a reapreciação do projeto da Linha 14-Onix. Este levantamento visa realizar o mapeamento das áreas através de fotografias aéreas que permitirão maior precisão nos estudos de inserção da linha no tecido urbano.

Linha 14-Onix (STM)

Pelos primeiros estudos, a Linha 14-Onix deverá se integrar a Linha 13-Jade, passar pela nova estação União de Vila Nova na Linha 12-Safira, pela estação Itaquera da Linha 3-Vermelha e 11-Coral, na estação Sapopemba da Linha 15-Prata e atingir a futura estação ABC (antiga Parada Pirelli) na Linha 10-Turquesa.

Atualmente não há previsão para obras do novo ramal da CPTM.

Total
9
Shares
14 comments
  1. Supondo que o modal escolhido não seja o trem pesado de 8 carros presentes nas outras linhas e sim um VLT ou Monotrilho, por quê a Linha 14 seria da CPTM e não do Metrô?

    Alguém sabe me explicar essa diferença? Já que “em teoria” o número 14 é o último ramal disponível pra CPTM e todo o resto após o 15 “sempre” será Metrô.

  2. Espero que saia do papel, é uma linha muito útil para o povo do ABC, que sempre são ignorados quando o assunto é mobilidade sobre trilhos. É uma forma bem rápida de ligar o ABC e a ZL ao aeroporto, vai beneficiar muita gente.

  3. No final das contas, se o PSDB continuar perpetuando no poder, será mais uma porcaria de “linha” de BRT, ainda mais que parte dela abrange o ABC.

  4. “Após a concessão de duas das suas sete linhas, a CPTM agora tem mais espaço e mais profissionais disponíveis para trabalhar nos diversos projetos que visam ampliar a qualidade dos serviços e aumentar a quantidade de passageiros transportados.”

    nao sei de onde tirou essa informação. saíram muitos profissionais e sobrecarregou mais ainda o que restou, essa é a verdade.

    1. Eu também achei incoerente. A retomada de estudos de novos ramais por conta da concessão de outras duas, não é uma justificativa coerente. Até porque, que faz os estudos não são maquinistas e controladores de linhas

  5. Que ótimo, será uma linha vital para integrar as “3 regiões” da Zona Leste, além de muito importante para atender as periferias de Guarulhos e Santo André. Agora, espero que retomem a expansão da Linha 12 – Safira para Suzano também.

  6. Qual é a fonte da informação? Qual documento? Não entendo os sites de mobilidade informar que teve acesso e divulgar o fornecedor das informações de um modo muito vago.

    1. Meu caro, nem toda matéria jornalística é feita de fontes documentadas e oficiais. Muitas vezes são fontes anônimas, possivelmente internas, que obviamente não desejam ter seus nomes divulgados.

  7. O atual Secretário dos Transportes Metropolitanos, Paulo Galli, usa dos mesmos artifícios dos anteriores, ou seja faz compromissos e se especula sobre o futuro do presente de algo imprevisível, ou seja padrão PSDB!!!
    Da mesma forma concordando com o sr. Paulo Meca quando diz; “Nós precisamos terminar os projetos. Não adianta a gente ficar bombardeando” (Se referindo a Linha 15-Prata). Mas se são os próprios dirigentes que ficam prometendo inumeráveis linhas novas como está 14-Onix sem concluir as iniciadas, ou seja se diz uma coisa mas na prática faz outra! Vejam o exemplo da Linha-15 Prata que está incompleta nos dois extremos, e aquela Linha 17- Ouro, por que substituíram a Linha-18 Bronze por BRT, uma vez que considera o Monotrilho ótimo?
    Primeiro constrói uma linha de cada vez, concluam todas as que estão incompletas e inacabadas, principalmente da CPTM, que nem a Estação Pirelli está reconstruída, somente após isso que se comece novas implantações.
    NÃO PULAR ETAPAS! Um dos maiores erros crônicos persistentes do Metrô é fazer o uso político e tentar ludibriar a população com fantasias e anunciar que vai construir várias linhas ao mesmo tempo, conhecendo a histórica instabilidade política econômica do nosso país.

  8. Se o metrô fosse construir uma linha de cada vez, como defende o Leoni, São Paulo só teria uma única linha de metrô e nenhuma outra linha seria projetada ou planejada.

    Ainda bem que esse pensamento atrasado não teve vez em São Paulo.

    1. Ivo, em nenhum momento do texto está escrito que se deva construir uma de cada vez, e sim se completar, e são muitas as inacabadas, converse com o Caio César do COMMU no qual você é colaborador, não se faça de garoto propaganda oficial do governo travestido de usuário, escrevendo para explicar para nós leigos que houve um exaustivo estudo de demanda, que a troca de modal da linha 18-Bronze por BRT foi ótima, na concessão das Linhas 8 e 9 pela CCR ela estava plenamente preparada e treinada para recebe-la e seus usuários estão muito satisfeitos, múltiplas baldeações evitáveis e aglomerações são aceitáveis, assim como os vãos acima de 10 cm por conta da presença de trens cargueiros entre a plataforma e os vagões na CPTM são normais e não provocam acidentes, não precisando seguir a norma que dispõe da acessibilidade e ergonomia em trens urbanos é a NBR-14021 da ABNT porque ela é obsoleta, no Brasil não existe técnicos e nem engenheiros capacitados para grandes obras de engenharia pesada, por isso o grande número de acidentes que não se sabe os motivos, e para instalar equipamentos mais sofisticados “caixa preta” tipo sistema CBTC-Controle de Trens Baseado em Comunicação, em substituição ao ATC nos trens antigos, e que embora tenhamos a maior quantidade de indústrias multinacionais automobilísticas do mundo e construirmos até avião, que padronizarmos modais elétricos e bitola é asneira, e somos incapazes de construir trens com qualidade, e que só o planejamento e orçamento da engenharia do Metrô é exemplar, o cronograma tem sido seguido a risca, e pode-se começar múltiplas obras e linhas do Metrô de forma concomitante sem concluir as inúmeras inacabadas, e que o “Metrô e CPTM têm mais de trinta projetos atrasados ou paralisados, conforme informado pelo TCE” está equivocado não significando prejuízo e nem má administração, e por não sermos especialistas e nem termos expertise, temos que aceitar passivamente sem contestar, pois se trata de um “pensamento atrasado”!

      1. “Primeiro constrói uma linha de cada vez, concluam todas as que estão incompletas e inacabadas…somente após isso que se comece novas implantações…” Palavras retiradas do post do Leoni.

        Parece que alguém aqui está mentindo. E como discutir com alguém que mente sobre o que escreve? Pior, que além de mentir, ainda faz acusações falsas para desviar o assunto.

        E não defendo partido ou governo algum, só constato o óbvio: no Brasil (e no mundo) sempre se planejou e construiu equipamentos de infraestrutura em paralelo, nunca da forma como você propõe (à conta gotas).

  9. Por se tratar de uma linha de grande extensão e ter em seu trajeto um enorme número populacional, a linha 14 deveria ser trem metropolitano pesado de oito carros.

Comments are closed.

Previous Post

Institutos de defesa do consumidor acionam o Metrô por adoção de reconhecimento facial nas estações

Next Post

Mesmo diante de crise, setor metroferroviário recupera passageiros e mantem investimentos de expansão

Related Posts