Estação Curuçá, da Linha 19-Celeste, poderá receber integração com a futura Linha 23-Limão

Parada deverá atender cerca de 18 mil passageiros por dia, segundo o projeto funcional. Local é cogitado para receber uma estação de um novo ramal em estudo pelo Metrô
Estação Curuçá será construída pelo método VCA (Jean Carlos)

A Linha 19-Celeste é o grande próximo empreendimento do Metrô a ser implantado. Com a previsão de ser totalmente concluída no ano de 2030, o novo trecho deverá ligar a cidade de Guarulhos até o centro de São Paulo.

Prosseguindo com a série de matérias sobre as estações da Linha 19-Celeste, aqui vamos focar na futura estação Curuçá

A  parada deverá estar localizada no cruzamento entre a Rua Curuçá e a Avenida Guilherme Cotching na praça Santo Eduardo. Ambas possuem grande movimentação além do uso comercial.

No EIA (Estudo de Impacto Ambiental) é descrito a importância das principais avenidas. A avenida Gulherme Cotching tem a função de articular a região com a Marginal Tietê e a Ponte Presidente Jânio Quadros.

Local para implantação da estação (EIA-CMSP)

Por sua vez a Rua Curuçá permite a penetração aos bairros localizados a noroeste e a sudeste, captando parte da demanda da Linha 1-Azul.

Quanto ao uso e ocupação do solo, o EIA descreve o entorno com edificações possuindo “gabarito predominantemente baixo, uso residencial, com alguns edifícios comerciais baixos e poucos de grande porte ou industriais”

Os principais equipamentos existentes na região e que foram destacados pelo EIA são:

• E. E. Senador Paulo Egydio de Oliveira Carvalho;
• Uniban Campus Maria Cândida;
• Parque Vila Guilherme;
• Ambulatório Médico do Governo de São Paulo;
• EE Prof.ª Florinda Cardoso;
• EE Min Horácio Lafer;
• EE João Vieira de Almeida;
• Colégio Neolatino;
• Educação Complementar Pq Dom Macário;
• Centro Educacional Nova Aliança;
• Instituto Educacional Candelária;
• Escola de Educação Infantil Tia Lurdes;
• Escola Paulista de Agrimensura.

Devido a presença de equipamentos de educação, prevê-se que a estação poderá apresentar movimentação de usuários fora dos horários de pico, algo que ocorre em estações como São Joaquim da Linha 1-Azul e Santa Cecília da Linha 3-Vermelha.

Para a construção da Estação Curuçá deverá ser utilizado o método construtivo VCA (Vala a Céu Aberto). Para isso está previsto o “desvio do tráfego da Avenida Guilherme Cotching para as vias paralelas Guaranésia e Dias da Silva”.

Corte e planta da estação (CMSP)

Linha 23-Limão

Segundo os dados do projeto funcional da Linha 19-Celeste a demanda estimada para a estação será de 18 mil passageiros por dia. A parada deverá ter 20 metros de profundidade.

Ainda com base no projeto funcional, a estação Curuçá poderá receber futuramente integração com a Linha 23-Magenta (atual 23-Limão). Tendo isto em mente a estação poderá ampliar ainda mais o desenvolvimento local e integrar a região com as zonas leste e oeste da cidade, eixo previsto para a implantação da Linha 23.

Confira também as demais matérias sobre as estações da Linha 19-Celeste:

Total
17
Shares
9 comments
  1. Não entendo o porquê nesses estudos de novas linhas estão usando “cores alternativas” para nomear as linhas, como Limão/Magenta, Bordô e Grafite, mesmo tendo “cores tradicionais” disponíveis para uso, como Preto, Branco, Bege, Marrom e Cinza.

  2. A linha 23 limão seria muito bom para a zona norte da cidade de São Paulo, pois permitirá ir da zona norte para zona leste ou oeste sem passar pelo centro, permitirá uma melhor integração entre os bairros da zona norte e os terminais ao longo da linha 23 receberão mais linhas de ônibus sem a necessidade de ir à região do centro expandido. Infelizmente esta linha está longe de ser construída.

Comments are closed.

Previous Post

Estação SESC-Pompéia, da Linha 6, avança com método “VCA invertido”

Next Post

Operação do Metrô de São Paulo gerou economia de R$ 8,5 bilhões em 2021

Related Posts