Destaques Linha 5 Metrô de São Paulo

ViaMobilidade completa um ano à frente da Linha 5-Lilás

Concessionária assumiu ramal do Metrô em 4 de agosto e transportou 143 milhões de passageiros nesse período
Estação da Linha 5-Lilás: ViaMobilidade completou um ano à frente do ramal de metrô

Há um ano, a ViaMobilidade passava por um calvário no início da sua gestão da Linha 5-Lilás, repassada pelo Metrô em 04 de agosto. Atrasos, problemas com a sinalização e outros imprevistos colocaram em xeque cedo demais a competência da empresa privada em dar conta do ramal. Mas com o tempo a operação evoluiu (graças também à ajuda das equipes do Metrô) e hoje a linha tem transportado quase 600 mil passageiros por dia contra 320 mil antes da concessão.

Com a entrega de Campo Belo, no início de 2019, a Linha 5 passou a contar com todas as suas estações planejadas, seis da primeira fase e 11 da expansão, totalizando 17 paradas em uma extensão de 20 km. Segundo a ViaMobilidade, são realizadas 600 viagens por dia em média, que resultaram em um movimento de 143 milhões de passageiros no período – a empresa tem um quadro com 1,1 mil funcionários.

A integração de novas estações, inauguradas após a ViaMobilidade assumir o ramal, foi mais rápida do que nos tempos do Metrô. No lugar de uma operação assistida sem cobrança de passagem, a concessionária partiu de forma direta para uma operação reduzida, em que os passageiros foram cobrados para utilizar os novos trechos. Os horários foram expandidos em tempo curto, permitindo que os usuários pudessem aproveitar todas as novas possibilidades do crescimento da linha, sobretudo após a abertura das estações Santa Cruz e Chácara Klabin, que a conectou à Linha 1-Azul e Linha 2-Verde. A redução do número de ambulantes e a inauguração dos bicicletários foram outros pontos notáveis desse período.

No entanto, a ViaMobilidade ainda tem pela frente vários desafios. Um deles é colocar em funcionamento os trens da antiga Frota F, fornecidos pela Alstom. As oito composições, que foram usadas até 2017 acabaram encostadas após a mudança do sistema sinalização para o padrão CBTC. Embora sejam equipados com ele, esses trens precisam passar por algumas adaptações além de outras melhorias. No entanto, o trabalho tem evoluído devagar e até agora nenhum deles voltou ao serviço.

O problema com isso é que a ViaMobilidade não consegue colocar mais trens durante os horários de pico quando circulam 24 das 26 composições da antiga Frota P. O resultado tem sido uma grande lotação sobretudo quando há atrasos no carrossel.

Trem da Frota F com apliques no padrão da ViaMobilidade: ainda longe de voltar ao serviço (Reprodução)

Reformas

Além da operação em si, a concessionária também tem a missão de reformar e ampliar algumas estações. Um desses objetivos começou a sair do papel recentemente quando a estação Capão Redondo passou a receber melhorias que devem ser entregues em outubro. Mas a obra mais complexa e importante é a da estação Santo Amaro. Construída sobre uma ponte estaiada, a parada hoje não tem dado conta da demanda de transferência para a Linha 9-Esmeralda.

Para resolver esse gargalo, a ViaMobilidade ampliará as áreas de circulação na ponte e na ligação com a estação Santo Amaro da CPTM. Os trabalhos devem começar nos próximos meses.

Por outro lado, a concessionária ainda não conseguiu implementar estratégias de ampliação das áreas comerciais, algo que era esperado, assim como ocorreu na Linha 4-Amarela, operada pela irmã ViaQuatro. A introdução de serviços como aviso de lotação dos trens ou tempo entre uma composição e outra também são aguardados, embora a ViaMobilidade nunca tenha se comprometido nesse sentido.

Fora do seu escopo, mas afetando seu trabalho, a instalação das portas de plataforma pela Bombardier segue em ritmo lento. Apenas três estações têm o equipamento funcionando plenamente enquanto outras como AACD-Servidor, Hospital São Paulo e Eucaliptos estão sendo finalizadas.

Enquanto alinha suas estratégias, a ViaMobilidade convive com a ameaça do Ministério Público de cancelar a concessão. Ação movida pelo promtor Marcelo Milani tenta cancelar o contrato alegando que as donas da concessionária não poderiam ter participado da concorrência por estarem em dívida com o governo. A gestão Doria, no entanto, considera a ação descabida e pretende manter o contrato em pé.

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

2 Comentários

Click here to post a comment
  • Não é só isso, quando eles vão pedir para empresa responsável fazer os consertos da infiltrações que tem em várias das novas estações!!??? O serviço melhorou em relação ao metrô, mas tem muita coisa ainda que precisa ficar melhor, como máquinas de recarga de bilhete único, serviços de alimentação, como foi dito na matéria, conserto de vidros quebrados nas estações, etc.

    Daria uma nota 6,5 para a via mobilidade.

  • Excelente artigo do articulista ! novamente ressalto o ponto de que as obras de duplicar ou triplicar a area da estaçao SANTO AMARO ja deveriam ter começado ha muito tempo ! alem disto , estao realmente fazendo falta estes 8 trens que foram retirados em 2017, notadamente nos horarios de pico, onde seria necessario um intervalo menor entre os trens !
    Acho que esta deveriam ser as açoes mais importantes da concessionaria para o futuro imediato ! No mais daria uma nota 6 para operaçao no primeiro ano !!

Airway