Entenda como a concessão das linhas 8 e 9 deve mudar a frota de trens em serviço

Trens emprestados e novos, reformas e revisões fazem parte do escopo que a futura concessionária terá de administrar nos próximos anos
A concessão das linhas 8 e 9 contará com alguns trens da Série 8500 emprestados (GESP)

A concessão das Linhas 8 e 9 promete causar grandes modificações na operação das linhas da CPTM. Um dos tópicos mais importantes a serem destacados é o do material rodante, ou seja, os trens que circulam com passageiros e também aqueles que atuam para fins de manutenção. Vamos analisar ponto a ponto sobre tudo o que está em jogo na concessão.

Trens que vão e trens que vem

Durante a concessão das linhas, haverá uma espécie de “dança das cadeiras”. Os 36 trens da Série 8000 serão gradualmente removidos em decorrência da PPP ainda vigente com a Ctrens (manutenção). Para suprir o vácuo temporariamente, outras frotas na CPTM serão deslocadas paras as Linhas 8 e 9. Cabe lembrar que durante o período (34 meses) que estiverem sob empréstimo, a concessionária será responsável por realizar todas as manutenções nos trens. Confira na tabela abaixo a relação dos trens.

Novos trens, devolução e manutenção

A concessionária deverá adquirir 34 novos trens para as Linhas 8 e 9 seguindo o padrão de qualidade estabelecido pela CPTM. Serão trens de 8 carros com “open wide gangway”, ou seja, passagem livre entre carros, como nos trens mais modernos da companhia. Todo o processo será acompanhado pelo poder concedente. Vale lembrar que, por ser uma compra feita pela concessionária, não há necessidade de licitação, sendo a escolha do fabricante uma opção feita pelos novos administradores.

O primeiro novo trem deverá ser entregue até o 18º mês da concessão, enquanto que a sua entrada em operação comercial será feita 3 meses depois, no 21º mês. Os 34 novos trens deverão estar operacionais até o 33º mês da concessão. Em simultâneo, conforme os novos trens forem entrando em operação, os emprestados serão devolvidos para a CPTM. Confira na tabela abaixo a relação de entrega e devolução:

Haverá uma ordem específica para a devolução dos trens à CPTM. Começará pelos sete trens mais novos, da série 8500, seguidos dos 8 trens da série 7500. Por fim, os últimos 19 trens da Série 7000 deverão ser devolvidos.

Os 19 trens Série 7000 terão uma devolução seletiva, observando os seguintes critérios:

  • Serão devolvidos os trens com menor quilometragem registrada;
  • Serão devolvidos 17 trens sem o sistema ATO instalado;
  • Serão devolvidos 2 trens com o sistema ATO instalado.

Além disso, todos os trens das séries 7000 e 7500 deverão ser devolvidos com a Revisão de nível F realizada. Esse é um procedimento de manutenção pesada realizada a cada 1.200.000 km rodados e precede a RG (Revisão Geral). Na tabela a seguir, mostraremos como ficará a alocação da frota após as devoluções.

Melhorias na Série 7000

Os 21 trens da Série 7000 que ficarão com a concessionária até o fim do contrato serão alvo de investimentos em sistemas para a contabilização dos passageiros. Assim como o trem chinês da série 2500, os trens da CAF receberão dispositivos em todas as portas de acesso ao salão de passageiros. Para tanto a concessionária terá o prazo de 34 meses para realizar tal investimento.

A ideia é que os dados armazenados sejam extraídos diariamente e disponibilizados ao poder concedente. Também deverá existir suporte para que esses dados estejam disponíveis para leitura em um prazo de até 30 dias. Veja a lista dos principais dados que deverão ser coletados:

  1. Número da porta;
  2. Estação;
  3. Sentido do movimento;
  4. Horário;
  5. Quantidade de passageiros que entraram;
  6. Quantidade de passageiros que saíram;
  7. Número do trem.

Reforma de trens imobilizados

Dois trens da Série 7000 que serão enviados para a concessionária estão imobilizados, ou seja, impossibilitados de rodar. Para solucionar esse problema, o estado exigirá a reforma completa desses trens. A composição de prefixo Q008 foi vítima de colisão com um trem da série 1700 na estação Barra Funda e está muito danificada, já a composição Q048 foi atingida por um raio.

Porém, o destino dos trens poderá ser diferente da reforma que está sendo proposta. Foi aberta a possibilidade de a concessionária realizar a compra de dois novos trens em vez de realizar a reforma proposta. Esses dois novos trens devem ter desempenho igual ou melhor aos trens da Série 7000, algo que é facilmente encontrado no mercado ferroviário atual.

Caso a concessionária opte pela substituição dos trens, as duas composições imobilizadas não serão mais objeto de posterior devolução à CPTM. A empresa privada poderá dar a destinação que for mais conveniente ao material.

Material rodante adicional

Não apenas novos TUEs serão adquiridos, mas também novos trens e equipamentos para manutenção. Com o deslocamento das atividades do pátio Presidente Altino, a concessionária deverá repor todo o aparato de manutenção que for transferido. Nessa conta entram novas locomotivas, vagões, veículos de apoio, etc. Na tabela abaixo é possível observar a lista de itens que deverão ser adquiridos.

Conclusão

O edital de concessão promete não apenas melhorar a qualidade da frota de trens que circulará nos dois ramais, ao incluir melhorias nos trens além de uma encomenda de 34 composições. Ele também beneficiará as demais linhas da CPTM ao liberar uma grande quantidade de composições hoje locadas nas linhas 8 e 9, o que possibilitará reduzir intervalos no sistema, que passa por uma lenta modernização.

Se a licitação for bem sucedida e o contrato, assinado em meados de 2021, a CPTM passará a ter um reforço de sua frota cerca de dois anos depois, à medida que a concessionária iniciar a devolução dos trens emprestados. Possivelmente, menos tempo do que levaria para uma nova encomenda direta ser realizada na mesma época.

Total
27
Shares
9 comments
  1. ou seja: a concessionaria fica com uma frota nova, faz investimentos minimos, tem faturamento no minimo de meio bilhao por ano, e o que sobrar da CPTM vai ficando sucateado e obsoleto. daí vai começar as comparaçoes e o velho discurso “privatiza que melhora”. e aí em um futuro bem proximo, estaremos pagando altos valores de subsidio, refens de empresas do setor e uma mafia instalada dificil de tirar como acontece nos onibus. o repasse de verbas para a CPTM esse ano já será reduzido. a concessao da linha 8/9 entra na camara de compensaçao na frente do metrô e da CPTM, que cada vez mais vao raspando o que sobra na panela. isso tudo no estado mais rico da naçao, com um PIB maior q muitos paises do mundo. mas quem se importa …

    1. Releia a matéria. A concessionaria ficará com a maior parte das frotas das séries 7000 e 7500. Apenas 7 trens da série 8500 será emprestada.

      Então pare de chorar esquerdista

      1. demorou mas chegaram as aves de bico longo e acionistas da CCR.

        vc leu edital, bico longo? só 21 trens da serie 7000 ficarao em definitivo com a concessionaria. deve ter folheado o edital com as mãos invisíveis do mercado.

  2. Calma calma, nada disso vai acontecer de verdade.
    Alguém já viu encomendar e receber uma frota de trens em dezoito meses?
    Portanto, não esquentem , nada disso vai acontecer ….

  3. Nossa, quanta melhoria. Minha nossa. Olha tudo q a CPTM fez nessas linhas, reforma de estação, trens novos, milhões de manutenções aos finais de semana, pra entregar de mão beijada e receber de volta parte dos trens sucateados. A vantagem para o passageiro vai ser a saída dos ambulantes. A vantagem para a população em geral será ZERO com esse monte de subsídios que o AND citou. Péssimo negócio.

    1. ainda não. espera-se que em breve seja entregue o ATO da linha 13, e tem ainda um contrato de instalaçao do ATO na linha 9 – que continuará a cargo da CPTM. mas nao sei te dizer em que pé anda esse contrato da linha 9.

  4. Boa notícia! Quem conheceu a antiga CBTU em São Paulo e vê o que o que se tornou hoje, sabe da grande evolução dos transportes sobre trilhos em São Paulo.

  5. Gente, desculpa a ignorância. Sou de humanas e essas contas me confundiram… Haha e os trens da linha 9? Continuarão por lá sendo usadas pela concessionária? Pq nos quadros só cita saída de trens da linha 8 e a entrada de trens de outras linhas pra cobrir essa devolução, mas e os da linha 9 que faz parte do edital?

Comments are closed.

Previous Post

Poços das futuras estações Vila Formosa e Santa Marina começam a ganhar seus contornos

Next Post

Odebrecht e Itapemirim anunciam acordo para participar da concessão das linhas 8 e 9 da CPTM

Related Posts