Um ano depois de ser assumida pela Acciona, veja como está a Linha 6-Laranja do Metrô

Em 12 meses de trabalho, ramal de 15 km avançou como nunca se viu numa obra tão complexa. Construtora pretende concluir projeto dentro de quatro anos
A tuenladora sul no VSE Tietê: escavação pode começar em novembro (iTechdrones)

Foi no dia 6 de outubro de 2020 que a Acciona, construtora espanhola que já atuava no Brasil em projetos menores, assinou o contrato em que substituía a Move São Paulo, concessionária original da Linha 6-Laranja do Metrô.

A entrada dos espanhois no projeto ocorreu após três anos de idas e vindas no projeto e que quase acabou sendo anulado antes que a Acciona chegasse a um acordo com os donos da Move, as empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC, todas elas afetadas gravemente pela operação Lava-Jato.

Um ano depois, o que parecia algo difícil de acreditar está de fato acontecendo: a obra do ramal de 15,3 km e 15 estações teve quase todos os canteiros reativados e alguns deles já atingem etapas avançadas do projeto e que devem culminar em 2021 com o início das escavações dos túneis pela tuneladora sul – e que, segundo rumores, pode entrar em operação em novembro, antes do previsto.

O andamento dos trabalhos causa espanto porque está a cargo de apenas uma construtora. Embora a Acciona seja uma empresa experiente e que já realizou empreendimentos desse porte, trata-se de algo pouco comum no Brasil, mais acostumado a dividir projetos dessa magnitude com vários grupos.

Para marcar esse primeiro ano de trabalho, dos cinco previstos até a inauguração, o site preparou um resumo das obras nas 15 estações, pátio e alguns poços de ventilação mais significativos. Para isso conta com a ajuda inestimável do canal iTechdrones, que tem mostrado o andamento da obra de forma constante e em tempo recorde, algo que nem o próprio governo tem conseguido. Confira:

Pátio Morro Grande (iTechdrones)

Pátio Morro Grande

O imenso pátio que fará a manutenção dos trens e também servirá como local do Centro de Controle Operacional (CCO) da linha impressiona. A Acciona tem retirado toneladas de rochas e terra da área, onde ficava uma antiga pedreira. Imagem desta semana do iTechdrones revela que a empresa já iniciou a terraplanagem de onde ficarão os trilhos de estacionamento e prédios de apoio do complexo. E pensar que há um ano essa área era apenas um enorme lago.

Estação Brasilândia (iTechdrones)

Estação Brasilândia

Estação terminal norte da linha, Brasilândia já exibe uma atividade bastante intensa. O iTechdrones sobrevoou o canteiro, que já exibe um poço retangular em parte do terreno enquanto máquinas e funcionários preparam armações de aço para concretar as paredes da futura parada que terá 32 metros de profundidade.

Estação Vila Cardoso (iTechdrones)

Estação Vila Cardoso

A segunda parada da linha já conta com a vala guia que será usada para a escavação e concretagem das paredes da estação. Ela é vizinha do Hospital Municipal de Vila Brasilândia e as obras dependiam da mudança de um sacolão para um prédio vizinho para que o canteiro fosse liberado.

Estação Itaberaba (LinhaUni)

Estação Itaberaba – Hospital Vila Penteado

Uma das mais profundas estações da Linha 6, com 68 metros, Itaberaba tem visto uma grande movimentação de funcionários nos últimos três meses. Trata-se de outra parada vizinha de um hospital, o Vila Penteado, que também foi incorporado ao seu nome.

Estação João Paulo I (iTechdrones)

Estação João Paulo I

Uma das poucas estações cujas escavações foram iniciadas pela Move São Paulo. Por serem localizadas numa região rochosa, o avanço tem sido feito por meio de detonações controladas. Imagens do mês passado mostram que há bastante a fazer no local, cujo poço terá 44 metros de profundidade. João Paulo I será a segunda parada da tuneladora norte, que começará a escavar no início de 2022.

Escavada em solo rochoso, Freguesia será a primeira a receber o tatuzão ‘norte’ (iTechdrones)

Estação Freguesia do Ó

Primeira parada do ‘tatuzão’ que escavará em direção à Brasilândia, a estação Freguesia do Ó é uma das mais adiantadas da obra. Segundo a Acciona, ela já havia atingido uma evolução de 9,72% do cronograma, mas a empresa não diz quando a informação foi atualizada. Por conta de uma cobertura sobre o poço, é difícil visualizar o estágio de escavação, que também utiliza explosivos para remover as rochas.

VSE Tietê

O canteiro de obras na Marginal Tietê já é célebre na Linha 6. É nele que estão por enquanto os dois ‘shields’ que escavarão a maior parte dos 15 km de túneis. A tuneladora sul já está assentada no fundo do poço sendo montada para iniciar os trabalhos em direção à São Joaquim. A Acciona tem fornecido previsões variadas, entre dezembro e janeiro de 2022 para que imensa máquina comece a avançar, mas rumores recentes indicam que o cronograma teria sido adiantado para o mês que vem, o que será uma ótima notícia caso seja confirmada.

Túnel de serviço (estacionamento) da Linha 6-Laranja sob o Rio Tietê (Concreserv)

SE Aquinos

Eis um dos canteiros mais adiantados da obra. Localizado do outro lado do Rio Tietê, o poço já conta com revestimento final em boa parte das paredes e está sendo usado como emboque para dois túneis, um de estacionamento, que já teria ultrapassado metade do percurso, e outro no sentido sul, que abrigará os AMVs para direcionar os trens para o túnel principal e o auxiliar.

A laje da estação Santa Marina: método VCA invertido avança (iTechdrones)

Estação Santa Marina

Localizada em frente à Praça Dr. Pedro Corazza, a estação Santa Marina será a primeira a receber a visita de um tatuzão. Por isso a Acciona optou por utilizar um método de escavação que, embora mais caro, consegue evoluir mais rápido, o VCA invertido. Nesse método, as paredes do poço retangular são concretadas, mas em vez de iniciar a escavação, a empresa concretou uma laje na superfície. Após isso, graças a um acesso lateral está sendo possível retirar terra sem a necessidade de aplicar tirantes para manter a estrutura segura. No sobrevoo mais recente, a estação já estava no segundo piso subterrâneo, mostrando que a estratégia está funcionando.

Os dois poços principais de Água Branca (iTechdrones)

Estação Água Branca

Essa é uma das três estações de interligação com o restante da malha metroferroviária. E será bem importante porque ali a Linha 6 se conectará com a Linha 7-Rubi, atualmente da CPTM, mas que será concedida junto com o Trem Intercidades, e também com a Linha 8-Diamante, que hoje não possui parada no local. A obra principal consiste de dois poços circulares, um dos quais está bem profundo – a cota a ser atingida é de 44 metros.

Estação SESC-Pompéia (iTechdrones)

Estação SESC-Pompéia

Bem ao lado do equpamento cultural que herdou em seu nome, a estação SESC-Pompéia está numa etapa inicial de trabalhos após os terrenos terem sido limpos nos últimos meses. A Acciona já demarcou a área de escavação da Vala a Céu Aberto, como mostrou o iTechdrones há duas semanas. Quando pronta, ela atenderá uma grande demanda do seu entorno cheio de atrações – além do SESC há também o Shoppingo Bourbon o e Allianz Parque, para citar três exemplos.

Estação Perdizes (iTechdrones)

Estação Perdizes

Sendo construída em frente à avenida Sumaré, a estação Perdizes também poderá atender ao público da arena do Palmeiras, mas também o Parque da Água Branca, entre outros pontos de interesse. Ela será escavada pelo método VCA cujas paredes-guia já foram preparadas, segundo imagens de duas semanas atrás.

Estação PUC-Cardoso de Almeida (LinhaUni)

Estação PUC – Cardoso de Almeida

Se Perdizes ficará numa região no fundo de um vale, PUC – Cardoso de Almeida estará no alto de um morro, o que significa uma profundidade de 61 metros, mais do que o dobro da sua vizinha. Além de ser vizinha da famosa faculdade, a estação será construída em meio a edifícios e por isso seu método é o NATM.

O poço VSE Pacaembu, canteiro mais adiantado da Linha 6 (iTechdrones)

VSE Pacaembu

Esse é o canteiro mais adiantado da Linha 6-Laranja. Além de servir como poço de ventilação, o local abrigará um segundo estacionamento de trens de estratégia. A Acciona já concretou a laje de fundo do poço e está iniciando a escavação do túnel em NATM. Segundo ela, 29% dos trabalhos haviam sido atingidos recentemente.

Terreno onde será construída a futura estação FAAP-Pacaembu (iTechdrones)

Estação FAAP-Pacaembu

Recentemente rebatizada, a estação FAAP-Pacaembu ainda não apresenta movimento nos três terrenos que serão utilizados. Apesar de pouca coisa ter avançado em um ano, ainda há tempo hábil para que o canteiro atinja o ponto em que será capaz de receber o tatuzão nos próximos anos. A parada deveria ter sido construída na avenida Angélica, mas dez anos atrás um movimento de moradores obrigou o Metrô a mudar o endereço, que agora está mais perto do estádio do Pacaembu e com uma saída do lado da fundação.

A Acciona já começou a escavar a futura estação mais profunda do Brasil (iTechdrones)

Estação Higienópolis – Mackenzie

Segunda conexão da Linha 6, agora com a Linha 4-Amarela, operada pela ViaQuatro. Apesar de ambas dividirem o mesmo nome, as duas estações ficarão distantes uma da outra. A ligação será feita por um longo túnel que já tem a saída prevista no mezanino da parada da Linha 4. Esta será, como se sabe, a estação de metrô mais profunda do Brasil, 69 metros abaixo da superfície. A construtora espanhola já começou a escavar no terreno principal, provavelmente para preparar a área onde será aberto o poço de acesso.

Abaixo, o posto já derrubado e no alto a quadra da Vai-Vai (iTechdrones)

Estação 14 Bis

Aqui chegamos no trecho que ainda está no início da mobilização. A Acciona já chegou a limpar alguns terrenos da futura estação 14 Bis, mas o ponto crucial do projeto, a saída a escola de samba Vai-Vai da sua quadra na região, só foi resolvido dias atrás após aprovação da oferta da construtora de levantar uma nova sede para a agremiação.

Terrenos da estação Bela Vista em julho (iTechdrones)

Estação Bela Vista

Assim como 14 Bis, a estação Bela Vista atenderá não só moradores e trabalhadores das proximidades da avenida Brigadeiro Luis Antonio, como também o tradicional bairro do Bixiga. A parada terá quatro acessos, distribuídos pela avenida citada mas também na rua Rui Barbosa, 13 de Maio e Pedroso. De acordo com imagens recentes vistas pelo site, os imóveis envolvidos nas desapropriações e que ainda estavam em pé começaram a ser demolidos.

Estação São Joaquim

Parada final da Linha 6 (por enquanto), a estação São Joaquim também está na fase de limpeza de terrenos. Por ser a penúltima parada da tuneladora sul (há um poço a seguir onde ela será desmontada), a futura estação deve começar a ser construída até o final do ano. Nesse caso, é até mais importante que o Metrô leve à frente a reforma da estação homônima da Linha 1 a fim de prepará-la para a conexão com o ramal Laranja a partir de 2025.

Total
84
Shares
6 comments
  1. Odebrecht, Queiroz Galvão e Odebrecht não foram afetadas gravemente pela lava jato. Elas praticaram atos de corrupção de forma sistemática com agentes publicos e politicos e a operação lava jato apenas fez a função de desbaratar o esquema de corrupção e o STF manteve a tradição de garantia da impunidade anulando decisões.

    Outra coisa, o texto exemplifica bem como o Estado não tem condição alguma de gerir nada e só atrapalha a vida do povo mais humilde.

  2. E uma excelente o trabalho que o tatuzão faz com a anduelas eu pudi presenciar a linha 4sul aqui no Rio de janeiro em 2013 ser não fosse a lavar jato tinha terminado a obra de bilhões

  3. É muito bom ver que o metrô vai ser uma realidade,não tínhamos mais esperança, depois de tanto dinheiro do povo, ir pros bolsos dos nossos comandantes, nós os mais antigos, ainda queremos andar nesse metrô.

  4. Uma das maiores sacadas de Dória, que desfez o imbróglio deixado por Alckmim, e tornou viável mais uma linha de metrô em SP. Espera-se algo parecido para viabilizar as linhas Rosa e Celeste.

  5. A pergunta que não quer calar: pq não fazer uma estação na Pedreira do Morro Grande, aos moldes da estação Barra Funda? Ajudaria bem os moradores da região!

    1. Há projetos futuros para expandir mais a oeste tendo uma integração com a Estação Vila Clarice com a Linha 7 – Rubi terminando num próximo a Rodovia dos Bandeirantes.

Comments are closed.

Previous Post

CPTM vai fazer novo leilão que inclui trens desativados

Next Post

Veja perguntas e respostas sobre o fim das bilheterias no Metrô e CPTM

Related Posts